Crítica Filme Medida Provisória por Rita Vaz

Estreia nessa quinta-feira, 14 de abril, o filme “Medida Provisória” sob a direção de Lázaro Ramos, e bastante esperado pelo público em geral.

Na história, em um futuro distópico, o governo brasileiro decreta uma medida provisória, em uma iniciativa de reparação pelo passado escravocrata, provocando uma reação no Congresso Nacional, que aprova uma medida que obriga os cidadãos negros a migrarem para a África na intenção de retornar a suas origens.

Sua aprovação afeta diretamente a vida do casal formado pela médica Capitú (Taís Araújo) e pelo advogado Antonio (Alfred Enoch), bem como a de seu primo, o jornalista André (Seu Jorge), que mora com eles no mesmo apartamento. Nesse apartamento, os personagens debatem questões sociais e raciais, além de compartilharem anseios. Vendo-se no centro do terror e separados por força das circunstâncias, o casal não sabe se conseguirá se reencontrar.  

O longa é uma adaptação de "Namíbia, Não!", peça de Aldri Anunciação que o diretor e ator Lázaro Ramos dirigiu para o teatro em 2011.

A premissa do filme de Lázaro Ramos já é um enorme chamado para o público querer conhecer essa “viagem” de roteiro. Como assim, obrigar pessoas a voltarem para o seu país de origem (?) para reparar um erro do passado escravocrata?

A ideia em si é muito louca, provoca curiosidade, mas, também provoca repúdio.

Provoca curiosidade porque queremos saber quem teve essa ideia e no que ela vai dar, e repúdio, porque, mais uma vez é inconcebível esse estado de racismo em que vivemos.

Então, apesar de distópica, essa história é um retrato do Brasil que vivemos, e principalmente o Brasil dos dias atuais.

Por que assistir ao filme “Medida Provisória”? Primeiro para ver um dos maiores atores do cinema e da televisão nacional, trabalhar atrás das câmeras, e eu garanto que ele faz isso muito bem.

Segundo para assistir a um grande elenco trabalhando em sintonia e entregando um filme que dá o que pensar.

Terceiro por mostrar a um enorme número de pessoas, um racismo nada velado, na verdade, escancarado no filme, mas, que nos remete ao nosso dia a dia, prestem atenção nisso.

“Medida Provisória” não é o melhor filme do ano, mas, talvez seja um dos mais importante a ser assistido, por mostrar tanta relevância em tantos assuntos, por provocar reflexões das mais diversas, e só por isso já vale a ida ao cinema.

. A medida é uma ação de reparação social aos danos causados pela União. Mas, para não incorrer no crime de “Invasão a Domicílo”, eles só podem ser capturados na rua. Assim, André e Antônio passam o dia trancados no apartamento, debatendo as questões sociais e econômicas da vida atual, seus anseios pessoais e as consequências de um iminente retorno à África-mãe.

 

 

 

Nenhum comentário:

Crítica Filme Miss França por Rita Vaz

  Estreia nessa quinta-feira, a comédia dramática francesa “Miss França”, dirigida pelo ator e cineasta luso-francês Ruben Alves (Uma Famí...