"Coração de Neon" é aclamado pela crítica em Cannes como o "novo cinema popular brasileiro"


Produtores de cinema que estiveram na premiére do filme em Cannes, na França, enxergam a produção como ousada e inovadora, do enredo ao financiamento.

A presença do filme “Coração de Neon” em Cannes, na França, pode estar abrindo uma nova fase do cinema brasileiro. A produção curitibana acaba de ser aclamada pela crítica na Europa como “o ‘novo’ cinema novo brasileiro”, ou o “novo cinema popular brasileiro”, pela ousadia da produção e do enredo original, à forma como o longa-metragem foi financiado, com recursos próprios dos produtores, sem depender de financiamentos ou leis de incentivo.

Adriana Rouanet, diretora executiva do Instituto Rouanet, esteve na premiére de “Coração de Neon” e se entusiasmou com o que assistiu.

“Entrei sem nenhuma expectativa no cinema e me surpreendi. Achei muito bacana o filme. Achei, na verdade, uma espécie de novo ‘Bye Bye Brasil’*, que foi um filme clássico, da fase final do cinema novo. Sem saber, os produtores (Lucas Estevan Soares e Rhaissa Gonçalves) criaram uma nova versão de contar uma história engajadora, cativante, mas de maneira muito dinâmica, integrando as equipes, um jeito muito bacana de fazer cinema”, elogiou Adriana.

Mas a inovação vai além do enredo. Apesar de ser filha do intelectual e filósofo Sérgio Paulo Rouanet, criador da Lei Rouanet, ela critica as atuais políticas de incentivo à cultura, que andam engessando a produção cultural brasileira e inviabilizando a execução de muitos projetos relevantes.

“A lei de incentivo que meu pai criou ajudou, durante 30 anos, a viabilizar muitos projetos culturais, de pessoas de todas as rendas, projetos super enormes aos menores, mais educativos e de cunho social. Mas ultimamente a cultura vem sofrendo ataques. O cinema audiovisual está sob ataque. Então conheci o Lucas e a Rhaissa e me entusiasmei pela vitalidade deles. São inovadores, fazendo um cinema novo, pensando o cinema como uma nova perspectiva, não só na produção, mas também na maneira de financiar a obra, não dependendo das atuais leis de incentivo que estão engessando muitos projetos”, contou Adriana.

Rhaissa Gonçalves, produtora do filme, também explica o porquê a crítica entendeu o filme como “o novo cinema popular brasileiro”, ou o "novo cinema novo".

“Porque é uma história que conversa com as massas mas é refinado, é autêntico, que não copia ninguém. É honesto, com a sua própria linguagem, classificado pelos críticos como ‘impressionante’. E não somos nós que estamos falando isso. Foram os produtores de cinema do mundo todo que estiveram aqui na sala de cinema, na premiére em Cannes, e nos falaram isso pessoalmente”, orgulha-se Rhaissa.

“Cidade de Deus”

“Coração de Neon” também foi comparado a outros filmes brasileiros de qualidade internacional após sua premiére, que aconteceu no Teatro Olympia, no último domingo (22), na única sala em Cannes equipada com a tecnologia de som Dolby Atmos. A exibição foi durante o Marché du Film, a contrapartida comercial do Festival de Cannes que reúne os empresários da indústria cinematográfica e onde cerca de 4 mil produções são negociadas anualmente.

“Alguns produtores de cinema nos disseram que o ‘Coração’ se comparava ao ‘Cidade de Deus’, que atualmente é considerado um dos melhores filmes do mundo. É um misto de surpresa, orgulho e felicidade ouvir comparações como essa”, diz o produtor Lucas Estevan Soares.

Quem fez esta comparação foi o distribuidor de audiovisual Rodrigo Molina, do Chile. 

“É um filme tremendamente emocional e muito honesto. Sinceramente não tinha visto um filme brasileiro tão honesto desde Cidade de Deus, para dar um exemplo. O longa tem um recurso (financeiro) que não é desprezível. E o Lucas conseguiu engajar a equipe e trazer o melhor resultado. É um filme que funciona muito bem tanto para espectadores de cinema de massa, quanto para apresentadores de produções autorais, de cinema independente”, elogiou Molina.

E o filme, em geral, foi muito elogiado pela qualidade da produção e do enredo. “É uma ideia super original e nova. O filme é ótimo, com muito amor, a fotografia e trilha sonora são ótimos. Só sinto boas vibrações com esse longa”, analisou Natacha Hablitzchek, produtora de cinema na República Dominicana e organizadora de um festival no país caribenho.

“O filme é sensível e muito divertido. Fiquei feliz de poder me desligar da minha realidade e conhecer um universo apaixonante que é o ‘Coração de Neon’. Lucas, em seu primeiro filme, não exagera no tom e faz um excelente equilíbrio entre ser o protagonista e diretor. O longa é realmente uma jóia, dando frescor ao público, sentimento tão necessário nos dias de hoje”, disse Ricky Mastro, cineasta brasileiro.

Como resultado da exibição no Marché du Film, ocorrida no sábado (22), “Coração de Neon” já tem propostas de ser exibido em quatro continentes, além de plataformas de streaming.

Coração de Neon

O longa-metragem é 100% curitibano, com toda a produção, elenco, locações e serviços de Curitiba, capital do Paraná. A previsão é que seja lançado no Brasil entre dezembro de 2022 e janeiro de 2023. Também é o primeiro filme do cinema brasileiro a contar com a tecnologia Dolby Atmos, uma evolução do som surround que coloca o espectador numa “bolha” de som e traz muito mais realidade e emoção à trama.

“Coração de Neon” conta a história de Fernando, um jovem sonhador que ao lado de seu pai, o Lau, dirige um carro de mensagens, o Coração de Neon (Boquelove, para os íntimos, uma referência ao bairro Boqueirão, em Curitiba, onde o filme é gravado). Eles sonham em levar o serviço para os Estados Unidos, mas uma das mensagens que eles vão entregar, que seria um pedido de perdão, acaba em tragédia depois de uma apresentação malsucedida. A vida de Fernando muda por completo e ele acaba embarcando numa jornada alucinante em nome do amor.

Sobre o IHC

A produtora audiovisual International House of Cinema (IHC) foi fundada em outubro de 2012 por Lucas Estevan Soares, na cidade de Curitiba, Brasil. Nesses 10 anos de empresa, o IHC realizou centenas de produções comerciais, curtas-metragens e documentários. Em 2017, Lucas inaugurou uma segunda sede da empresa em Miami, nos Estados Unidos, juntamente com sua sócia Rhaissa Gonçalves.

Desde 2019, o IHC vem focando na produção de conteúdo original e, em 2021, abre também uma distribuidora para comercializar suas próprias produções e adquirir títulos nacionais e internacionais.

*Sobre o filme Bye Bye Brasil, citado por Adriana Rouanet: é uma comédia brasileira de 1979, dirigida por Carlos Diegues, considerada uma das mais importantes produções da década de 1970. Foi indicado à Palma de Ouro, no Festival de Cannes, em 1980, ganhou dois prêmios no Festival de Havana (1980) e foi incluído, anos mais tarde, na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).


MUBI Festival: confira a programação completa


Distribuidora global, produtora e serviço de streaming com curadoria, a MUBI anuncia a programação do MUBI Festival. O evento, o primeiro do gênero da marca no mundo, será realizado nos dias 4 e 5 de junho, no MIS - Museu da Imagem e do Som, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. Serão dois dias de cinema, música e conversas incríveis.

No sábado, 4 de junho, serão exibidos os filmes Shiva BabySwallow e Titane, com direito a sets da DJ Bella Castro no intervalo das sessões. A programação conta com um bate-papo sobre o corpo feminino e sua representação no cinema, mediado pela documentarista e jornalista Flávia Guerra, com as participações da atriz e diretora Bárbara Paz, a artista JUP do Bairro e a crítica de cinema e roteirista Lorenna Montenegro. Às 21h, JUP do Bairro e Badsista fecham o dia com uma apresentação especial.

No domingo, dia 5, sessões dos dramas LGBTQ Great Freedom e Happy Togehter (Felizes Juntos), cópia restaurada em 4K, em comemoração pelos 25 anos do longa. O bate-papo da vez será sobre as representações da masculinidade na mídia, mediado pelo jornalista Duda Leite, com o artista Loïc Koutana e o ator Theodoro Cochrane. A DJ Bella Castro encerra o MUBI Festival com um set, às 20h.

O festival também conta com um espaço interativo de acesso gratuito, onde os visitantes poderão aproveitar o local para tirar fotos incríveis, participar de quizzes e concorrer a brindes exclusivos e limitados. Os ingressos serão vendidos apenas para as atividades dentro do auditório, e custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada e assinantes MUBI). A venda começa dia 23/5 na INTI: mis-sp.byinti.com.

Uma realização MUBI, o festival conta com produção da Cinnamon e apoio do Museu da Imagem e do Som – MIS e da Embaixada Britânica no Brasil.

 


Programação CINESYSTEM - 26 A 1/6

WWW.CINESYSTEM.COM.BR

Estreias da semana:
Top Gun: Maverick
Luta pela fé - A história do padre Stu

Eventos Especiais:
Cine Azul
Sonic 2: 28/05 - ANA, STR, IMP e SLZ

FILME BRASILEIRO PRODUZIDO PELA ABROLHOS FILMES É CONTEMPLADO COM HUBERT BALS FUND

Produção assinada pela paulistana Abrolhos Filmes, “O Casamento” acaba ser contemplado pela Hubert Bals Fund, que é um fundo curatorial, ligado ao Festival de Roterdã, dedicado a apoiar cineastas da América Latina, África, Ásia, Oriente Médio e de diversas partes da Europa em qualquer fase de produção – do desenvolvimento do roteiro à pós-produção. A fundação é uma das mais importantes apoiadoras do cinema independente e de qualidade no mundo, o que traz ainda mais um lastro para o projeto. Em outros anos o fundo já havia premiado filmes brasileiros como “A febre”, de Maya Da-Rin, “Sick sick sick”, de Alice Furtado e "O Som ao Redor" de Kleber Mendonça Filho. 

A Abrolhos Filmes, também responsável pela ideia original do projeto, tem em seu currículo filmes como “Chico Rei Entre Nós” (Joyce Prado, 2020), vencedor do Prêmio do Público de Melhor Documentário Brasileiro e Menção Honrosa do Júri na 44a Mostra Internacional de São Paulo. 

Primeiro longa de ficção escrito e dirigido por Maíra Bühler, “O Casamento” é uma comédia satírica é baseada numa história real, e será filmada no Rio de Janeiro e Xingu (AM). A trama se passa no verão de 1952, e é protagonizada por Ayres da Cunha, um homem que causa polêmica ao resolver se casar com a índia Diacuí. 

Esse amor era proibido pelas leis brasileiras da época, e ficou conhecida, na época, por conta de uma fotorreportagem da revista O Cruzeiro, onde foi narrada como um folhetim. Depois disso, ganhou rádio e cinejornais a sociedade brasileira inteira passou a se perguntar: o amor entre um homem branco e uma selvagem é legítimo? 

O filme acompanha a jornada de Diacuí de sua tribo à perigosa sociedade dos brancos, onde se tornou uma espécie de “Cinderela dos Trópicos”, cuja alma foi capturada. Ao tornar-se uma figura em evidência, tornou-se a garota propaganda do American Way of Life, tal qual Doris Day. 

“O Casamento” será é uma produção da Abrolho Filmes, e deverá ser lançado em 2024. 

Sinopse

Baseado numa história real, o filme é uma comédia satírica retratando o choque entre dois mundos, no qual Diacuí, uma jovem indígena, viaja ao Rio de Janeiro para se casar com um homem branco, e vê sua vida transformada num show da imprensa. 

FALTA UMA SEMANA PARA O 11º OLHAR DE CINEMA

 


Está chegando a hora! No próximo dia 1º de junho o Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba volta a ocupar as salas de cinema da capital paranaense depois de dois anos acontecendo apenas em formato online. Mais de cem filmes de 40 países, sendo quase a metade produzida no Brasil, foram selecionados para serem exibidos em mais de cinco lugares da cidade até o dia 9, além de uma programação intensa que inclui o retorno dos encontros do laboratório de desenvolvimento de projetos de longas-metragens CURITIBAlab e do Seminário de Cinema de Curitiba, que também será transmitido ao vivo.

 

"É com muita alegria que voltamos ao formato presencial, aos encontros, a essa troca que apenas a presença no festival e a vivência com os filmes possibilita. Tem ainda a questão da realidade pós-traumática que nos foi imposta. Estaremos, enfim, juntas e juntos, defendendo espaços e estruturas materiais que possibilitam os encontros e reiterando a potência da vivência coletiva", afirma Antonio Junior, coordenador-geral do Olhar de Cinema. Ele destacou, porém, que a potência do online não pode ser ignorada. "Embora este ano muitas das atividades do festival retomem o seu caráter presencial, acreditamos na potência do on-line para alcançar novos públicos e possibilitar a democratização de acesso", complementou. Assim, vários filmes estarão disponíveis e boa parte da programação poderá ser acessada via Internet.

 

Os filmes que integram a seleção deste ano fazem uma amostra da produção mundial realizada e lançada em meio a anos conturbados. São títulos que refletem a realidade específica nos anos da pandemia, que abordam conflitos ao redor do mundo (armados às vezes, mas também étnicos ou sociais) e trazem à reflexão questões como representatividade e visibilidade. Neles, muitas vezes se veem mesclados dramas individuais e familiares de cineastas e seus personagens com questões amplas de países e regiões onde suas narrativas se passam. Os filmes, então, se atravessam, unindo passado e presente, mas também projeções de possíveis futuros. 

 

Além das tradicionais mostras do festival, de volta, a mostra Olhar Retrospectivo destaca a obra da estadunidense Su Friedrich, importante nome do cinema de invenção e referência indispensável para o pensamento das autorias lésbicas na produção de imagens, no centro de uma constelação composta também por filmes de outras cineastas e videastas. Foram escolhidos sete filmes, de diferentes períodos de seu trabalho como diretora em diálogo com outras artistas que, em sua maioria, têm em seus trabalhos a busca pela invenção e reinvenção da linguagem.

 

Outra mostra que retorna ao festival é a Olhares Clássicos, com seis títulos que celebram a história do cinema, entre eles o fundamental "Nanook do Norte", em seu centenário, e filmes menos conhecidos no Brasil realizados por cineastas como Sara Gómez, de Cuba, e Ousmane Sembène, do Senegal. Grandes nomes do cinema dos quais nos despedimos recentemente serão homenageados: Peter Bogdanovich, Arnaldo Jabor, Geraldo Sarno.

 

Um dos expoentes do chamado Novo Cinema Boliviano, Kiro Russo é o nome da Mostra Foco. Com dois longas e quatro curtas-metragens na filmografia, o cineasta tem apresentado um estilo atento à observação dos movimentos urbanos e rurais na Bolívia, mesclando a cosmologia indígena ao acelerado ritmo da urbanização no país. Já fora das mostras regulares, duas exibições especiais de filmes ganhadores nas últimas edições estão programadas no Museu Oscar Niemeyer, de "A Metamorfose dos Pássaros" e "Rolê - Histórias dos Rolezinhos".

 

Toda a programação, com os filmes selecionados e atividades paralelas, está disponível no site do festival e no aplicativo para Android e iOS.


SERVIÇO

11º Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba

www.olhardecinema.com

1º a 9 de junho

Locais: Cine Passeio, Cinemark Mueller, Teatro da Vila, Cinemateca de Curitiba, Museu Oscar Niemeyer

Ingressos: R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia)

Aluguel filmes online: R$ 6

Cinebiografia de Uýra Sodoma fará sua estreia mundial no mais importante festival LGBTQIA+ do mundo

“Uýra - A Retomada da Floresta”,  dirigido por Juliana Curi e escrito por Martina Sönksen e Uýra Sodoma, fará sua estreia mundial na seleção oficial do 46th Frameline International Film Festival, o mais importante Festival LGBTQIA+ do mundo. Fundado em 1977, o Frameline International Film Festival é o evento de exibição de filmes LGBTQ+ mais antigo, maior e mais amplamente reconhecido do mundo e a edição de 2022 acontece de 6 a 26 de junho em San Francisco.   

A cinebiografia acompanha Uýra, entidade híbrida amazônica vivida pelo artista trans indígena e biólogo Emerson Pontes, que viaja pela floresta amazônica em uma jornada de autodescoberta usando arte performática para ensinar jovens indígenas e ribeirinhos que eles são os guardiões das mensagens ancestrais da floresta amazônica. 

O longa traz a participação de artistas, ativistas e lideranças indígenas como Zahy Guajajara e a liderança Kambeba Dona Babá, além das performances de Uýra que são uma metáfora inspirada no ciclo ecológico e espelha as lutas sociais. 

“Uýra - A Retomada da Floresta” é uma coprodução Brasil e Estados Unidos, tem direção de Juliana Curi e produção de Uýra Sodoma, João Henrique Kurtz, Lívia Cheibub e Martina Sönksen, com distribuição da Olhar Distribuição, tem estreia comercial prevista para o 2º semestre de 2022.

 

Sobre a diretora

Juliana Curi é diretora, roteirista e artista visual brasileira.

Influenciada pelo Cinema Novo e com uma forte formação em jornalismo, iniciou sua carreira no departamento de criação da MTV Brasil desenvolvendo campanhas de impacto sociocultural sobre Justiça Climática, HIV e Movimentos Micropolíticos direcionada para a juventude brasileira. 

Desde então Juliana foi premiada pela ONU Mulheres com a campanha da P&G que visa derrubar estereótipos de gênero na América Latina, foi premiada com o  2021 Bric Brooklyn Film+TV Resident, assina o filme-manifesto Estereótipos para lançar More Grls, a primeira plataforma para talentos femininos no Brasil que visa combater a desigualdade de gênero, e assina as exposições Pink Intervention (Galeria Spotte Art NY, Artsy) e A Batalha do Corpo (Centro Cultural São Paulo). 

Vive atualmente nos Estados Unidos, é fundadora do projeto de inclusão audiovisual EUETU Lab e assina o roteiro, direção e produção do longa-metragem UYRA - A Retomada da Floresta, que conta com os selos de desenvolvimento do Doc Society -Climate Story Unit e BRIC Brooklyn. O longa teve seu trailer exibido na abertura do Brasil na COP 26 e tem estreia prevista para 2022.

 

Sobre Uýra

Uýra Sodoma (1991, Santarém, Pará) é uma entidade híbrida que entrelaça o conhecimento biológico científico e a sabedoria ancestral dos povos indígenas. Ele chama as plantas por seus nomes populares e latinos, mas evoca suas propriedades medicinais, sabor, cheiro e poderes. O resultado é uma compreensão intrincada e complexa da floresta, uma teia de conhecimento e pesquisa. Uýra se apresenta como "uma árvore que anda". Nascida em 2016, durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, quando o biólogo decidiu expandir suas pesquisas acadêmicas e buscar formas de trazer o debate sobre o meio ambiente, conservação e direitos LGBT para comunidades nos arredores de Manaus. Através de aulas de biologia ou performances fotográficas, usando maquiagem e camuflagem, textos e instalações, Uýra fala sobre e com a floresta.

 

Ficha Técnica

“Uýra - Retomada da Floresta”

2022 | Documentário | Brasil/EUA| 70”

Direção: Juliana Curi, Roteiro: Juliana Curi e Martina Sönksen, Produção: Azores Filmes & Mama Wolf, Produzido por: João Henrique Kurtz, Juliana Curi, Lívia Cheibub, Martina Sönksen e Uýra Sodoma/Emerson Pontes. 

Sinopse: Uýra, artista trans indígena viaja pela floresta amazônica em uma jornada de autodescoberta usando arte performática para ensinar jovens indígenas e ribeirinhos que eles são os guardiões das mensagens ancestrais da floresta amazônica.


Novo filme da Sessão Vitrine, TANTAS ALMAS, estreia nesta quinta (26/05)

Premiado em vários festivais, entre eles em Marrakesh e em Nantes, TANTAS ALMAS, do colombiano Nicolás Rincón Gille, é o novo filme da Sessão Vitrine 2022, que chega aos cinemas em 26 de maio, com ingressos a preços reduzidos, nas cidades Aracaju, Balneário Camboriú, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Palmas, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Rincón Gille conta que a ideia para o filme surgiu em 2008, quando viajava pela região do Rio Magdalena fazendo um documentário, e ouviu diversos relatos sobre a violência paramilitar que devastou a área e as vidas. “Era enlouquecedor o que me contavam, e, ainda assim, essas pessoas conseguiram retomar suas vidas, apesar de toda a dor. Não era questão de sobrevivência, era também a necessidade de encontrar um novo sentido na vida que pudesse transcender o terror.”

Premiado em vários festivais, entre eles em Marrakesh e em Nantes, TANTAS ALMAS, do colombiano Nicolás Rincón Gille, é o novo filme da Sessão Vitrine 2022, que chega aos cinemas em 26 de maio, com ingressos a preços reduzidos, nas cidades Aracaju, Balneário Camboriú, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Palmas, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Sinopse
O pescador José atravessa o rio Magdalena, o maior da Colômbia, em busca dos corpos de seus dois filhos, assassinados pelos paramilitares. Apesar de sua dor, José está determinado a encontrá-los, para dar o enterro que merecem e, assim, impedir que permaneçam como almas errantes. Em sua jornada, José revela a magia de um país despedaçado, o que, de diferentes maneiras, evoca o Brasil de hoje.

Ficha Técnica
Direção: Nicolás Rincón Gille 
Roteiro: Nicolás Rincón Gille
Elenco: Arley de Jesús Carvallido Lobo
Gênero: drama
País: Colômbia, Brasil, Bélgica e França 
Ano: 2019 
Duração: 137 min.

CINÉPOLIS EM PARCERIA COM A O2 PLAY PROMOVEM SESSÕES DE “MEU AMIGÃOZÃO – O FILME” ADAPTADAS ÀS PESSOAS COM AUTISMO

A rede Cinépolis, maior operadora de cinemas da América Latina, anuncia que amanhã quinta-feira, dia 26 de maio, todas as unidades da rede exibirão “Meu Amigãozão – O Filme” em sessões adaptadas às pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e outras síndromes, transtornos ou doenças que acarretem hipersensibilidade sensorial em geral. 

Para tornar a experiência agradável, durante toda a sessão, o longa será exibido com o volume de som reduzido, 50% das luzes permanecerão acesas e será permitido entrar e sair da sala a qualquer momento. 

Dirigido por Andrés Lieban, com produção da 2DLAB e distribuição da O2 Play em parceria com a RioFilme, o longa-metragem explora mais uma vez o mundo da imaginação das crianças, com personagens que desenvolvem as suas próprias ferramentas para se relacionarem cada vez mais e melhor com seus amigos. 

O longa será exibido em todos os complexos da Cinépolis e os ingressos já podem ser adquiridos nas respectivas bilheterias, ATMs ou por meio do site

Todos os complexos seguem as leis municipais e estaduais de sua região. Confira a programação mensal das exibições inclusivas no site da Cinépolis.


🎥  Pré-venda de "Jurassic World: Domínio" já começou na Cinépolis

A rede Cinépolis, maior operadora de cinemas da América Latina, anuncia que a pré-venda de ingressos de “Jurassic World: Domínio” já está disponível pelo site. 

O filme acompanha os eventos de “Jurassic World: Reino Ameaçado” (2018), quando os dinossauros são soltos na sociedade e mostra como a população está se adaptando a essa nova realidade. 

Além da continuação de Chris Pratt, Bryce Dallas Howard e BDWong no elenco, “Jurassic World 3” terá a volta dos atores de “Jurassic Park” (1993), Sam Neill interpreta o Dr. Alan Grant, Laura Dern está de volta como Dra. Ellie Sattler e Jeff Goldblum no papel de Dr. Ian Malcolm. 

A direção é de Colin Trevorrow, que também comandou o primeiro filme de “Jurassic World” (2015), o qual alcançou a bilheteria recorde de U$ 1,7 bilhão. O roteiro é de Emily Carmichael (“A Batalha de Big Rock”) e Colin Trevorrow a partir de uma história do diretor junto com Derek Connolly (Jurassic World). 

O longa estreia na Cinépolis no dia 02 de junho e terá sessões de pré-estreia no dia 01 de junho. Os ingressos na pré-venda podem ser adquiridos nas bilheterias, ATMs ou por meio do site.


Jurassic World: Domínio

Sinopse

“Jurassic World: Domínio” acontece quatro anos após a destruição da Isla Nublar. Os dinossauros agora vivem – e caçam – ao lado de humanos em todo o mundo. Esse frágil equilíbrio remodelará o futuro e determinará, de uma vez por todas, se os seres humanos continuarão sendo os principais predadores em um planeta que agora compartilham com as criaturas mais temíveis da história.  

Ficha técnica

Ação | Aventura

Ficção científica

Diretor: Colin Trevorrow.

Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, BDWong , Sam Neill, Laura Dern e Jeff Goldblum.

Roteiro: Emily Carmichael e Colin Trevorrow.

Produção: Frank Marshall, Patrick Crowley, Steven Spielberg, Alexandra Derbyshire e Colin Trevorrow.

Duração: 147 minutos.  

Distribuidora: Universal Pictures.



Programação Cinépolis São Paulo - 26/05 a 01/06


WWW.CINEPOLIS.COM.BR

ESTREIAS:

TOP GUN: MAVERICK  

LUTA PELA FÉ – A HISTÓRIA DO PADRE STU


Programação SESC DIGITAL - De 25 a 01/06 - #EmCasaComSesc

              


ESPECIAL: DIA DO DESAFIO – Filmes: São Silvestre e Campo de Jogo 

 

Os filmes ficam disponíveis gratuitamente em

sescsp.org.br/cinesesc e sescsp.org.br/cinemaemcasa

Lançada pelo CineSesc em junho de 2020, a série Cinema #EmCasaComSesc já exibiu gratuitamente mais de mil títulos, entre longas e curtas-metragens, nacionais e estrangeiros, recebeu mostras e festivais e já levou 10 milhões de visitas à plataforma Sesc Digital. 

Nesta quinta-feira, 26/05, a plataforma Sesc Digital exibe quatro novos filmes no CinemaEmCasa: “Enter the Void - Viagem Alucinante”, uma obra visualmente audaciosa que explora os enredos dos laços familiares, da consciência espiritual interior e do cliclo da vida; “Degradê”, filme exibido no Festival do Rio e Selecionado para o Festival de Cannes, em 2015; “Sem Rosto”, documentário dirigido pela artista, videomaker e pesquisadora Sonia Guggisberg e “Eletronica:Mentes” documentário exibido no Festival In Edit, e faz uma reflexão sobre o gênero (Música Eletronica), e mostra artistas desde 1960 sobre o tema. 

Um dia antes, na quarta-feira, 25 de maio, acontece a 28ª edição da maior campanha mundial de incentivo à prática regular de atividades físicas e esportivas em todas as fases da vida e para todos os públicos: o Dia do Desafio. O Sesc São Paulo é parceiro dessa iniciativa e realiza atividades em todas suas unidades no estado. O CineSesc participa desta edição, exibindo gratuitamente 2 filmes brasileiros relacionados ao tema, na plataforma Sesc Digital.

Em “São Silvestre”, a diretora Lina Chamie retrata a mais famosa corrida de rua do Brasil, nesse documentário-ficção que constrói de maneira sensorial a experiência de correr uma maratona. Já o documentário “Campo de Jogo”, de Eryk Rocha, apresenta ao público o campeonato anual de favelas, no Rio de Janeiro, que reúne 14 times de diferentes comunidades e acontece num campo popular, perto do emblemático estádio do Maracanã. 

Os títulos ficam disponíveis por 24 horas na série Cinema #EmCasaComSesc. Para assistir acesse sescsp.org.br/cinemaemcasa.


PROGRAMAÇÃO DA SEMANA - CINEMA #EMCASACOMSESC

sescsp.org.br/cinesesc ou sescsp.org.br/cinemaemcasa

 

WARNER BROS. PICTURES DIVULGA NOVO TRAILER DE ELVIS


A Warner Bros. Pictures acaba de divulgar um novo trailer de Elvis, filme dirigido por Baz Luhrmann, com roteiro de Baz Luhrmann, Sam Bromell, Craig Pearce e Jeremy Doner. O longa estreia nos cinemas brasileiros em 14 de julho. 

O tão esperado drama musical protagonizado por Austin Butler (Elvis Presley) e Tom Hanks (Coronel Tom Parker) explora a vida e a música de Elvis Presley. O elenco conta ainda com a premiada atriz de teatro Helen Thomson, que interpreta a mãe de Elvis, Gladys; Richard Roxburgh, como o pai de Elvis, Vernon; e Olivia DeJonge como Priscilla Presley. 

A história investiga a complexa dinâmica entre Elvis Presley e Coronel Tom Parker ao longo de 20 anos, desde a ascensão de Elvis à fama até seu estrelato sem precedentes. 

Elvis estreia nos cinemas brasileiros em 14 de julho. Para mais informações sobre a programação e ingressos, consulte os cinemas da sua cidade.  

Sobre o filme

O visionário cineasta Baz Luhrmann, indicado ao Oscar, dirige o drama Elvis, da Warner Bros. Pictures, estrelado por Austin Butler e Tom Hanks, ator vencedor do Oscar. 

O filme aborda a vida e a música de Elvis Presley (Austin Butler) sob o prisma da sua tumultuada relação com seu empresário enigmático, o coronel Tom Parker (Tom Hanks). A história mergulha na complexa dinâmica entre Presley e Parker, que se estendeu por mais de 20 anos, desde a ascensão de Presley à fama até seu estrelato sem precedentes, tendo como pano de fundo a evolução da paisagem cultural e a perda da inocência na América. No centro dessa jornada está uma das pessoas mais importantes e influentes na vida de Elvis, Priscilla Presley. 

Ao lado de Tom Hanks e Austin Butler, a premiada atriz de teatro Helen Thomson (séries “Top of the Lake” e “Rake”) interpreta a mãe de Elvis, Gladys; Richard Roxburgh (“Moulin Rouge!”, “Uma Razão para Viver”, “Até o Último Homem”) retrata o pai de Elvis, Vernon; e Olivia DeJonge (“A Visita”, “Stray Dolls”) interpreta Priscilla. Com Luke Bracey (“Até o Último Homem”, “Caçadores de Emoção: Além do Limite”) como Jerry Schilling; Natasha Bassett (“Ave, César!”), como Dixie Locke; David Wenham (a trilogia “O Senhor dos Anéis”, “Lion – Uma Jornada para Casa”, “300”), como Hank Snow; Kelvin Harrison Jr. (“Os 7 de Chicago”, “A Batida Perfeita”) no papel de B.B. King; Xavier Samuel (“Amor sem Pecado”, A Saga Crepúsculo: Eclipse”) como Scotty Moore; e Kodi Smit-McPhee (“Ataque dos Cães”) como Jimmie Rodgers Snow. 

O elenco conta ainda com Dacre Montgomery (série “Stranger Things”, “A Galeria dos Corações Partidos”) no papel do diretor de TV, Steve Binder, ao lado dos atores australianos Leon Ford (“Gallipoli”, série “The Pacific”) como Tom Diskin; Kate Mulvany (“O Grande Gatsby”, série “Hunters”) como Marion Keisker; Gareth Davies (“Pedro Coelho”, série “Hunters”) como Bones Howe; Charles Grounds (“Podres de Rico”, “Camp”), como Billy Smith; Josh McConville (“A Ilha da Fantasia”), como Sam Phillips; e Adam Dunn (série “Home and Away”) como Bill Black. 

Para interpretar icônicos artistas da música no filme, Luhrmann contou com a cantora e compositora Yola, como Irmã Rosetta Tharpe; o modelo Alton Mason, como Little Richard; o texano de Austin, Gary Clark Jr., como Arthur Crudup; e a artista Shonka Dukureh, como Willie Mae "Big Mama" Thornton. 

Baz Luhrmann (“O Grande Gatsby”, “Moulin Rouge!”) dirige e produz o filme, do qual também é roteirista, em parceria com Sam Bromell, Craig Pearce e Jeremy Doner, baseado no argumento de Baz Luhrmann e Jeremy Doner, com produção da vencedora do Oscar, Catherine Martin (“O Grande Gatsby”, “Moulin Rouge!”), Gail Berman, Patrick McCormick e Schuyler Weiss. Courtenay Valenti e Kevin McCormick assinam a produção executiva. 

Na equipe de produção criativa de Elvis estão a diretora de fotografia Mandy Walker (“Mulan”, “Austrália”); a designer de produção, vencedora do Oscar, e figurinista Catherine Martin (“O Grande Gatsby”, “Moulin Rouge!”); a designer de produção Karen Murphy (“Nasce uma Estrela”); os editores Matt Villa (“O Grande Gatsby”, “Austrália”) e Jonathan Redmond (“O Grande Gatsby”); o supervisor de efeitos visuais, indicado ao Oscar, Thomas Wood ("Mad Max: Estrada da Fúria”); o supervisor musical Anton Monsted (“Austrália”, “Moulin Rouge!”); e o compositor Elliott Wheeler (série “The Get Down”). 

As filmagens de Elvis foram realizadas em Queensland, Austrália, com apoio do Governo de Queensland, da Screen Queensland e do programa de deslocamento de produtores do governo australiano.  

A Warner Bros. Pictures apresenta, em parceria com Bazmark Production, Jackal Group Production, Baz Luhrmann Film, Elvis, previsto para estrear no dia 14 de julho nos cinemas, com distribuição mundial da Warner Bros. Pictures.  

Lançamento Streaming - Histórias e Rimas, de Rodrigo Giannetto.

 


Desde o dia 19 de maio, o documentário “Histórias e Rimas”, de Rodrigo Giannetto, está disponível par o público nacional e estrangeiro com lançamento nas plataformas nacionais iTune, Google Play, Vivo, Now e Microsoft, e nas internacionais Total Play, iTunes Latam, Google Latam e Microsoft México . Filme mais visto no festival internacional de documentários musicais IN-EDIT do ano passado, o longa traz depoimentos de renomados nomes da cena, como Racionais MC's, Emicida, Negra Li, Projota, Thaíde, Karol Conká, Projota The Pharcyde, Dexter, Tássia Reis, Black Alien, GOG, entre outros. Na mesma data, acontecerá sua première, no CINEMA BELAS ARTES - São Paulo, em evento fechado com artistas e convidados.

 

Exibido em diversos festivais nacionais e internacionais, como o Sacramento Underground Film & Art Festival, o documentário foi premiado no Screen ATX 2021 (Honorable Mention) e Vancouver Independent Film Festival,

 

O documentário faz um mergulho na intimidade desses artistas que transformam rimas autobiográficas em música. Em busca da reflexão sobre os cenários onde cresceram e se tornaram poetas urbanos, o filme mergulha nas realidades que levaram os rappers a ocupar os espaços hoje ocupados por eles.

 

Com cenas de São Paulo ao Rio de Janeiro, Los Angeles à Nova York, o diretor mergulha no universo desses artistas que refletem desde o início de suas trajetórias em como essa busca incessante por espaço, em cenários tão desiguais e estigmatizado, os fizeram ter ainda mais resiliência e vontade de aparecer para o mundo. No geral com rimas autobiográficas, esses jovens retratados colecionam fãs e quebraram barreiras sociais ao conquistar desde as periferias onde cresceram aos palcos de grandes festivais.

 

"Rodrigo Giannetto consegue em seu filme resgatar esse pensamento combativo e de amor pelo povo da periferia que o rap sempre teve. Mostra que sabemos que vivemos em situações precárias, entendemos que a culpa é de um sistema, mas que há orgulho no povo e pelo povo que lá mora, existe e resiste”, diz o site Dialéticas da imagem.

 

Já o site Vitamina Nerd aponta que o filme “traz a sensação de um “rolê”, você tem a impressão que está ali, junto com [os artistas], trocando uma ideia com os caras.”

 

O filme estreou no circuito de festivais sendo prestigiado e celebrado no Festival de Vancouver, menção honrosa no SFX - San Francisco Film Festival, e o filme mais visto no Festival Internacional de documentários IN EDIT 2021.

 

Tags: 

diretor @RodrigoGiannetto

Instagram oficial @HistoriaseRimas

Hashtag #HistoriaseRimasOfilme

 

 

 

Artistas participantes:

 

André Ramiro, Black Alien (Gustavo), BIG, B Negão, DBS Gordão Chefe, Cappadonna, Dexter, DJ Hum, Dj KL Jay, Don Pachino, Edgard, Edi Rock, Eli Efi, Elly DMN, Emicida, Fernandinho Beat Box, Flora Matos, Gaspar Zafrica, GOG, Helião RZO, Ice Blue, Jr RDG, Kamau, Karol Conka, Kauan MC, Lino Krizz, Lounge LO, Mano Brown, Marcelo D2, Marechal MC, Markão DMN, Max B.O, NDEE Naldinho, Negra Li, Pac Div, The Pharcyde, Power Tongue, Pregador LUO, Preta Rara, Projota, Rafael LDC, Rappin Hood, Johny MC, Rincon Sapiência, Rubia RPW, Sabota Jr , Sandrão RZO, Shame, Sick Jacken, Sophia MC, Sombra MC, SP Funk, Speed, Tassia Reis, Thaíde, W.O RPW, Ylsão Negredo

 

Serviço

Lançamento 19 de Maio de 2022, nas plataformas nacionais iTune, Google Play, Vivo, Now e Microsoft, e nas internacionais Total Play, iTunes Latam, Google Latam e Microsoft México

 

O diretor

 

Rodrigo Giannetto é diretor de conteúdo audiovisual, criativo e diretor de formatos televisivos e cinematográficos. Contribuiu com networks como TV Globo, HBO, MTV, Sony Music, UFC Network, Discovery Channel, National Geographic, Google, Warner, Globosat,   SescTV, Universal Music e produtoras como Real Filmes, Endemol Shine Br, Floresta Produções, Conspiração Filmes, Academia de Filmes, Elo Company entre tantas outras realizando dezenas de séries, programas de tv, branded content, musicais e filmes.

 

Formatou, dirigiu e co-produziu reality shows, docurealities de sucesso como 200 Graus com o Chef Henrique Fogaça para Discovery Channel H&H. Em 2019 e 2020, dirigiu o primeiro reality show musical do Google/Youtube "O PRÓXIMO NRO 01 VILLA MIX", um formato Endemol, branded content de Brahma e Villa Mix. O programa bateu vários recordes e venceu em Cannes o  "Branded Content of the Year", pela CIAwards 2019.   Também criou e dirigiu uma série 06 de filmes documentários longa metragem para Globosat/UFC, chamado "Espírito da Luta" exibidos para mais de 180 países Inaugurou em 2019 o canal francês de conteúdo afro urbano TRACE no Brasil. Atualmente é o diretor geral de uma série com produção Endemol Shine Br para HBO Max,o The Bridge Brasil,  c om lançamento para 2022.

 

Foram mais de 120 shows/produções musicais em DVD, VOD ou programação de TV e mais 60 videoclipes de artistas renomados como Luan Santana, Snoop Dogg, Paula Fernandes, Jorge e Mateus, CPM22, Zezé di Camargo e Luciano, Natiruts, Projota, Edi Rock, entre outros.

 

Premiações: Venceu em Cannes o  "Branded Content of the Year", pela CIAwards 2019, VMB Video Music Brasil 2006, 2007, Prêmio Multishow 2005, 2007, Grammy Latino Melhor DVD, 04 Prêmios Qualidade Brasil, Branded Content of the year pela CIAwards 2019.

 

PREMIADO EM SUNDANCE E BERLIM, KLONDIKE: A GUERRA NA UCRÂNIA CHEGA AO STREAMING A PARTIR DE 25 DE MAIO

KLONDIKE: A GUERRA NA UCRÂNIA, de Maryna Er Gorbach, estreia nas plataformas de streaming. Longa poderá ser visto a partir de 25 de maio no Now e a partir de 3 de junho no Petra Belas Artes à La Carte em Super Lançamentos.

Sobre o filme

Poucos filmes têm tanta atualidade como KLONDIKE: A GUERRA NA UCRÂNIA, de Maryna Er Gorbach, ganhadora do Prêmio de Direção para filmes estrangeiros no Festival de Sundance e que também levou o Prêmio do Júri Ecumênico, no Festival de Berlim deste ano. O filme tem como cenário a fronteira entre Ucrânia e Rússia, e aborda os conflitos na região a partir do ponto de vista dos ucranianos.  

Embora a trama seja situada em 2014, seus eventos reverberam até hoje com a guerra na Ucrânia em andamento. No filme, Irka (Oksana Cherkashyna) e Tolik (Sergey Shadrin) vivem em Donetsk, nas proximidades da fronteira entre o país e a Rússia, um território em disputa no começo da Guerra em Donbas. O casal aguarda o nascimento do primeiro filho, quando é abatido por mísseis o avião de um voo civil, que cai na região, matando quase 300 pessoas, o que só fez aumentar a tensão e deixando um rastro de tristeza e luto. 

Tolik é pressionado por seus amigos separatistas pró-Rússia a se juntar a eles, enquanto o irmão de Irka suspeita que o casal esteja traindo o próprio país. Enquanto a angústia é crescente, a jovem se nega a deixar sua casa, mesmo quando o vilarejo onde vivem é capturado pelas forças armadas. Tentando reaproximar seu marido e seu irmão, a protagonista pede que eles unam forças para reconstruir sua casa, que foi destruída num bombardeio. 

Nascida na Ucrânia e radicada em Istambul, Er Gorbach disse, em entrevista ao jornal alemão Zeit, que se lembra muito bem do fatídico 17 de julho de 2014, dia do ataque ao avião, pois é seu aniversário. “Eu fiquei o tempo todo procurando anúncios oficiais sobre a queda da nave, e ninguém foi responsabilizado pelo lançamento dos mísseis. Passaram-se anos, e, praticamente, nada aconteceu. Foi quando percebi: se algo dessa magnitude não é punido, quem se interessará pelo sofrimento do povo de Donbas?” 

Ela conta que, em 2014, ninguém esperava uma guerra, e hoje, as pessoas recebem avisos para não sair de casa, e ficar com as janelas fechadas. “A guerra hoje é chamada por seu nome. A imprensa internacional não duvida mais disso. Em meados de fevereiro, era diferente. Falava-se num ‘conflito’ entre a Rússia e a Ucrânia”.  

A diretora, que também assina o roteiro e a montagem, destaca o papel fundamental das mulheres na resistência ao conflito, e, por isso, o longa é dedicado a elas. “O instinto de sobrevivência de Irka é maior na guerra. E essa mensagem me fez dedicar o filme a elas. Num sentido mais amplo, também quer dizer: Não há soldado ou matador sem mãe. Há sempre uma mulher por trás deles. Não creio que nenhum homem lutaria por seus valores, por si mesmo. Os homens que lutam na Ucrânia buscam suas forças no fato de terem mães, esposas, filhas.” 

Além dos prêmios em Sundance e Berlim, KLONDIKE: A GUERRA NA UCRÂNIA também foi muito bem recebido pela crítica. A Variety destaca a direção firme de Er Gorbach que não faz concessões. “Conflitos, pessoas e políticos são retratados por uma câmera serena, num filme que traz uma visão da guerra em andamento”. Alissa Wilkinson escreve na revista Vox que o longa “é um lembrete de que mesmo nos tempos mais precários, a coisas da vida precisam seguir em frente – e que o peso de uma guerra na vida das pessoas comuns é incomensurável”.  

Sinopse

Em 2014, no momento em que começa a Guerra em Donbas, o casal de ucranianos Irka e Tolik vive na região da fronteira entre seu país e a Rússia. Ela está grávida, e se recusa a abandonar sua casa, mesmo quando seu vilarejo é tomado pelas forças armadas. Tudo fica ainda mais complicado quando um avião civil é abatido e cai na região. 

Ficha Técnica

Direção: Maryna Er Gorbach

Roteiro: Maryna Er Gorbach

Elenco: Oxana Cherkashyna, Sergey Shadrin, Oleg Scherbina, Oleg Shevchuk, Artur Aramyan, Evgenij Efremov

Gênero: drama, guerra

País: Ucrânia, Turquia

Ano: 2022

Duração: 100 min.

Confira os novos locais de exibição do 11º Olhar de Cinema

Nesta edição, com o retorno aos cinemas, temos novidades nos locais de exibição:

 

Voltaremos a ocupar o Cine Passeio , e desta vez por completo. Lá ficarão concentradas não só as exibições, mas também os Seminários, o credenciamento e a nossa lojinha.

 

A Cinemateca de Curitiba, que já foi um de nossos locais em outras edições, também terá exibições. E para melhorar a experiência da sala, colocamos na sala o melhor equipamento de projeção disponível.

 

E como grande novidade, temos a alegria de também contar com a nova parceria  do Cinemark  do Shopping Mueller, que contará com duas salas de exibição e um espaço de convívio criado especialmente em colaboração com o Ebanx.

 

Esses 3 espaços são localizados a poucos minutos de distância entre si, fazendo com que haja a possibilidade de assistir sessões na sequência em salas e cinemas diferentes, tornando assim a experiência do festival muito mais completa!

 

Além desses 3 locais, ainda contaremos com sessões e eventos especiais no final de semana no Museu Oscar Niemeyer e no Teatro da Vila, como a exibição dos filmes premiados pelo público em 2020 (A Metamorfóse dos Pássaros, de Catarina Vasconcelos, Portugal, 101 min.) e 2021 (Rolê: Histórias dos Rolezinho, de Vladimir Seixas, Brasil, 82 min.), exibições da mostra Pequenos Olhares e oficinas para as crianças oferecidas pelas Tintas Verginia.

 

Para se programar e não perder nada. baixe nosso app para IOS ou Android. Com ele você consegue criar sua programação personalizada de todos os filmes e eventos que irão rolar durantes os 9 dias de festival.

O Seminário de Cinema de Curitiba também terá seu retorno presencial.

 

Com foco na reflexão sobre a linguagem cinematográfica e diálogos da expressão dessa linguagem com a sociedade, o Seminário de Cinema de Curitiba será presencial, com entrada gratuita e sem necessidade de inscrição prévia, contando também com transmissão ao vivo. Apresenta pautas bastante contemporâneas ao cinema brasileiro, não só atentas às questões de mercado, mas evidenciando, sobretudo, questões identitárias ao transitar em torno de debates raciais e de gênero.

Todas atividades vão ocorrer no Cine Passeio (Audtitório Valêncio Xavier) com transmissão ao vivo no youtube.com/olhardecinema

 

Confira AQUI a programação completa dos seminários


Tô Ryca! 2 chega na PingPlay para cegos e surdos


A PingPlay apresenta o Lançamento Especial “Tô Ryca! 2” com Samantha Schmütz, Katiuscia Canoro e grande elenco na comédia de sucesso dirigida por Pedro Antonio (
Um Tio Quase Perfeito 1 e 2). O longa chega hoje na plataforma digital para aluguel e conta com pacote completo de acessibilidade com Libras e Audiodescrição para pessoas com deficiência visual e auditiva. 

Nesta continuação, Selminha agora é Ryca, esbanjadora, paga mais caro em tudo que quer e pode. O problema é que alegria de pobre sempre dura pouco. Aparece uma homônima que se coloca como a herdeira legitima. Os bens de Selminha são congelados, agora sua única fonte de renda é a que a justiça concede até se resolver o processo: um salário mínimo por mês, ou seja: 30 reais por dia. Mas Selminha já não sabe como viver na falência, no miserê, na desgraçada da pobreza. E pior: ela era a patrona da comunidade de Quintino, e com a sua pobreza toda a comunidade também acaba passando aperto. A Selminha guerreira, batalhadora, brasileira que não desiste nunca, ressurge para resolver não só a sua vida, mas a de todos que ela ama.


Mais informações:
https://www.pingplay.com.br/ - Cadastro gratuito e todos os trailers com recursos de acessibilidade. Serviço disponível exclusivamente para aluguel. 
 
Redes Sociais
https://www.instagram.com/ping.play/ 
https://www.facebook.com/pingplayfilmes 
https://twitter.com/PingPlayFilmes 

“SUZANNE DAVEAU”, longa dirigido pela cineasta portuguesa Luísa Homem estreia em São Paulo, Rio de Janeiro e Manaus hoje 26/05

Suzanne Blanche Daveau Ribeiro (Paris, 13 de Julho de 1925), mais conhecida por Suzanne Daveau, é uma geógrafa franco-portuguesa com uma extensa obra publicada sobre a geografia de Portugal e sobre temas de climatologia. É sócia correspondente da Academia das Ciências de Lisboa desde 17 de Fevereiro de 1998.

"Não há ciência, nem progressão do pensamento sem amor, sem paixão, sem identificação, mesmo quando nos concentramos em coisas aparentemente desprovidas de vida, como a evolução de uma ladeira ou a gênese de um aguaceiro. Aplicar uma técnica com pura objetividade, mas sem certeza você poderia descobrir algo novo a menos que o pesquisador estivesse totalmente envolvido no tópico que ele estava tentando investigar."

SUZANNE DAVEAU traça o perfil de uma mulher aventureira que atravessa o século 20, até os dias atuais, guiada por sua paixão pela geografia investigativa. O filme circula entre os inúmeros espaços-mundo percorridos pela geografia e os espaços-casa reservados que acolheram sua vida privada.

SINOPSE

Este documentário retrata a vida de Suzanne Daveau, uma geógrafa e aventureira francesa que nasceu em 1025. Além de fotos de arquivo, a diretora Luísa Homem divulga vários vídeos caseiros gravados por Suzanne, onde narra o que passou e presenciou: os tempos de estudante durante a Segunda Guerra Mundial, as pesquisas de campo que realizou na África e em Portugal, sua família, seus amores, seu feminismo e seus fascínios sobre os tempos modernos e o mundo ao seu redor.

DIRETORA LUÍSA HOMEM

Luísa Homem, formada em Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa, especializando-se na variante de Cinema. Durante o período acadêmico, colaborou com o Laboratório de Criação Cinematográfica, onde realizou a instalação Obsessões A Vulso, e dois documentários para o Departamento de Belas Artes da Fundação Calouste Gulbenkian sobre exposições de artistas, Pintura S/Título (Antonio Sena) e Short Story (Daniel Blaufuks).

Frequentou o Curso de Realização de Documentários dos Ateliers Varan, no âmbito do Programa de Criatividade e Criação Artística, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, onde realizou o documentário Cartas de Cabo Ruivo. Em 2006, cria a produtora Filmes com Pedro Pinho e Maria Mire.

Participou na produção, operação de câmara e montagem do documentário Bab Sebta, realizado por Pedro Pinho e Frederico Lobo, e na montagem de vários Filmes. 


FICHA TÉCNICA

DIRETOR Luisa Homem S.8 

FOTOGRAFIA Luisa Homem 

FOTOGRAFIAS Suzanne Daveau, Orlando Ribeiro 

SOM Giorgio Gristina, Mónica Baptista, Avelino Santollala, Luisa Homem 

EDITORA Luisa Homem, Luís Miguel Correia 

EDITOR DE SOM E MIXER Paulo Abelho, Avelino Santollala 

COORDENAÇÃO MUSICAL Avelino Santollala 

CORREÇÃO DE COR Paulo Américo 

GRÁFICOS Dayana Lucas 

GERENTE DE PRODUÇÃO João Gusmão, Luisa Homem 

COORDENAÇÃO DE PÓS-PRODUÇÃO João Gusmão, Marta Lemos 

PRODUTORES João Matos, Leonor Noivo, Luisa Homem, Pedro Pinho, Susana Nobre, Tiago Hespanha

PRODUÇÃO TERRATREME Filmes 

DISTRIBUIÇÃO TERRATREME Filmes - Pedro Peralta, Gustavo Scofano

DISTRIBUIÇÃO BRETZ FILMES – Luiz Ernesto Bretz 

APOIO CEG - Centro de Estudos Geográficos, IGOT - Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, FCG - Fundação Calouste Gulbenkian, CML - Câmara Municipal de Lisboa, ICA - Instituto do Cinema e Audiovisual , Biblioteca Municipal José Baptista Martins, Cinemateca Portuguesa


FESTIVAIS

Doclisboa'19

Play-Doc - Festival Internacional de Cinema, Espanha'20

Caminhos do Cinema Português'19

IFF Roterdã'20

Festival de Documentários de Salónica, Grécia'20

Festival de Cinema de Vanguarda de Atenas, Grécia'20

38° Festival Cinematográfico Internacional do Uruguai'20

Câmara Lúcida - Encontros Cinematográficos, Equador'20

Arte do Real - Lincoln Center, EUA'20

Festival Internacional de Documentários FIDOCS, Chile'20

Documentador de Cinema do Festival, Indonésia'20

XVI Panorama Internacional Coisa de Cinema, Brasil'21

Festival Internacional de Documentários Científicos Academia Film Olomouc, República Tcheca'21

10º Festival Primavera do Cine, Espanha'21

DocBuenos Aires, Argentina'21

Festival Internacional de Cinema de Dhaka, Bangladesh'22

9ª Semana do Cinema Português no MALBA, Argentina'22


BRETZ FILMES / BRASIL

Desde 1991 responsável pela distribuição de filmes e documentários no Brasil em cinemas, home vídeo, tvs e internet. Seu catálogo conta com aproximadamente 300 filmes de autor, de arte, clássicos e documentários, nacionais e internacionais.


LUIZ ERNESTO BRETZ / DISTRIBIDOR

Trabalhou no mercado de vídeo doméstico desde seus primórdios no início da década de 1980, distribuindo e representando empresas brasileiras e multinacionais. Em 1990 fundou a Bretz Filmes direcionada a este mercado. Passou a dirigir a área de aquisição e distribuição da Videofilmes em 2003 e, em 2011 retornou à Bretz Filmes, passando a distribuir em sua própria empresa, filmes nacionais e internacionais para cinema, vídeo, TV e VOD.

Jared Leto em MORBIUS - Lançamento Direto do Cinema para as Plataformas Digitais de Aluguel e Compra

A Sony Pictures Home Entertainment apresenta MORBIUS, com lançamento hoje direto do cinema para as plataformas digitais de aluguel e compra. Estrelando o vencedor do Oscar® Jared Leto (Clube de Compra Dallas) em um dos personagens mais atraentes e conflitantes do universo de personagens da Marvel.

Na história que surgiu nos quadrinhos na década de 1970, o enigmático anti-herói Michael Morbius (Leto) está perigosamente doente com uma doença rara no sangue e, determinado a salvar outros que sofrem o mesmo destino, tenta uma aposta desesperada. Embora a princípio pareça ser um sucesso radical, uma escuridão dentro dele é desencadeada. O bem superará o mal ou Morbius sucumbirá aos seus misteriosos novos impulsos?

MORBIUS tem direção de Daniel Espinosa (Protegendo o Inimigo), roteiro de Matt Sazama (Power Rangers) e Burk Sharpless (Deuses do Egito) e elenco com Matt Smith (The Crown), Adria Arjona (Alma da Festa), Tyrese Gibson (Velozes & Furiosos) e Jared Harris (Chernobyl).

Disponível exclusivamente para aluguel e compra nas plataformas digitais, seja Operadora de TV ou Loja Digital MORBIUS poderá ser visto e revisto quantas vezes quiser dentro do prazo de 48 horas, após dar ‘play’ na opção aluguel. Já na opção compra, o filme digital estará sempre disponível.  Em qualquer uma das escolhas, o consumidor vai assistir ao filme com 100% de segurança, basta ter acesso a uma das plataformas digitais listadas nas especificações abaixo, efetuar o cadastro para alugar ou comprar o filme e pronto. 

 

MORBIUS

(Morbius, 2022) 

SINOPSE 

Um dos personagens mais interessantes e em conflito da Marvel chega às telas quando o vencedor do Oscar® Jared Leto se transforma no enigmático anti-herói, Michael Morbius. Gravemente doente com um raro distúrbio sanguíneo, e determinado a salvar outros sofrendo o mesmo destino, o Dr. Morbius tenta uma aposta desesperada. O que primeiramente parece ser um sucesso radical, uma escuridão dentro dele é liberada e transforma esse médico em um caçador.

 

ELENCO e FICHA TÉCNICA 

Direção: Daniel Espinosa

Roteiro: Matt Sazama & Burk Sharpless

Produção: Avi Arad, Matt Tolmach, Lucas Foster

Produtores Executivos: Jared Leto, Louise Rosner, Emma Ludbrook

Elenco: Jared Leto, Matt Smith, Adria Arjona, Jared Harris, Al Madrigal and Tyrese Gibson

 

ESPECIFICAÇÕES 

Duração: 104 minutos, aproximadamente

Classificação Indicativa: 14 anos

Plataformas digitais de Aluguel e Compra:

Apple TV (iTunes), Google Play e Microsoft Films & TV (Xbox)

Plataformas digitais exclusivamente para aluguel:

NOW, Prime Video, SKY e Vivo Play

"Coração de Neon" é aclamado pela crítica em Cannes como o "novo cinema popular brasileiro"

Produtores de cinema que estiveram na premiére do filme em Cannes, na França, enxergam a produção como ousada e inovadora, do enredo ao fina...