Programação da Semana - Cine Passeio (23 a 29 de setembro)

 


ESTREIAS EXCLUSIVAS chegam ao #CinePasseio a partir desta quinta (23)! 

O grande destaque desta semana é a estreia de mais um filme de Daniel Filho: "O Silêncio da Chuva". O diretor é o convidado do Podcast Passeio dessa semana, que vai ao ar dia 27/09.

Entram em cartaz também as estreias exclusivas "Suk Suk: Um Amor Em Segredo", de Ray Yeung, e "Aranha", novo trabalho de Andrés Wood.

Nas sessões virtuais, o destaque fica para o drama russo "Uma Mulher Alta", de Kantemir Balagov. Acesse www.cinepasseio.org/foldervirtual e confira a programação completa!
Ingressos à venda para as sessões presenciais no site www.ingresso.com

Charles Gavin comanda a 15ª temporada de “O Som do Vinil” no Canal Brasil

  


Na nova série de 13 episódios, Gavin recebe grandes nomes da MPB e convidados internacionais. 

Há 15 anos, Charles Gavin apresenta os bastidores de álbuns que se tornaram clássicos em “O Som do Vinil”. Na nova temporada, que chega ao Canal Brasil na segunda, dia 27/09, às 22h30, o ex-titã recebe artistas que, de alguma forma, estabelecem conexões entre musicalidades de diferentes partes do globo. Este ano, com os empecilhos do distanciamento social, o programa foi gravado remotamente, com Charles conduzindo as entrevistas de forma virtual – formato que permitiu ao apresentador conversar com convidados internacionais como Stanley Jordan, Stacey Kent & Jim Tomlinson, Carminho, António Zambujo, Pat Metheny e Anat Cohen. No dia da exibição no linear, os episódios estarão disponíveis também nos serviços de streaming Canal Globo e Globoplay + Canais ao Vivo e, no dia seguinte, poderão ser ouvidos, em formato de podcast, nas principais plataformas de áudio.

Além dos citados anteriormente, a temporada conta ainda com nomes como Rodrigo Amarante, Ratos de Porão, BaianaSystem, Badi Assad, Céu e Fafá de Belém.  

 “Nesta 15ª temporada de ‘O Som do Vinil’, nós estamos recebendo, para bater papo, convidadas e convidados que, de alguma forma, estabeleceram conexões da sua música com a música de outros lugares. E, exatamente por isso, eu posso dizer que o convidado deste episódio é uma pessoa que preenche esses requisitos como poucos que eu conheço. Ele é cantor, baterista, compositor, produtor, apresentador, escritor, jogador de polo, lutador de boxe, jogador de futebol, demolidor de paredes”, é assim que Gavin abre o programa de estreia da temporada, em que conversa com o roqueiro Supla sobre o álbum Encoleirado, de 1991. 

No programa, Supla fala sobre quando largou um contrato com a EMI e um convite para atuar na TV Globo para trabalhar demolindo paredes em Nova York; sobre o sucesso que tem feito no Instagram durante a pandemia; o disco Brothers of Brazil, gravado com seu irmão João Suplicy; sua banda Bossa Curiosa, que tocava Bossa Nova em NY; sobre sua música Garota de Berlim, gravada com a banda Metropolis; seu romance com Nina Hagen; sobre ter gravado, com sua banda Tokyo, com Cauby Peixoto; sobre tocar no Rock in Rio, em 1991, entre outros assuntos.  

“Você estava lá, Charles, e eu também estava lá. A gente viu todo esse boom do rock nacional quando veio. Foram momentos muito maravilhosos da minha vida e é muito bom poder dividir essas histórias com você”, lembra Supla.

 

O Som do Vinil (2021) (13X25’)

INÉDITO E EXCLUSIVO

Estreia: Segunda, 27/09, 22h30

Horário: Segunda, 22h30

Alternativos: terça, às 13h30; e sexta, às 7h

Classificação: Livre

 

Título dos episódios na ordem de exibição:

1) Supla - Encoleirado, 1991

2) Stanley Jordan - Magic Touch, 1985

3) Rodrigo Amarante - Drama, 2021

4) Carminho - Maria, 2018

5) António Zambujo - Até Pensei Que Fosse Minha, 2016

6) Ratos de Porão - Brasil, 1989

7) BaianaSystem - Duas Cidades, 2016

8) Badi Assad - Dança dos Tons, 1989

9) Céu - APKÁ, 2019

10) Fafá de Belém - Meu Fado, 1992

11) Pat Metheny - From This Place, 2020

12) Anat Cohen & Marcello Gonçalves - Outra Coisa: The Music Of Moacir Santos, 2016

13) Stacey Kent & Jim Tomlinson - The Changing Lights, 2014


Drama romântico LEVO VOCÊ COMIGO lançamento Sony Pictures HE nas Plataformas Digitais hoje

Chega hoje com exclusividade às plataformas digitais de aluguel e compra, o drama romance LEVO VOCÊ COMIGO uma épica história de amor baseada em fatos reais entre dois homens, cheia de desencontros e preconceitos. Dirigido por Heidi Ewing (Indicada ao Oscar® Melhor Documentário “Jesus Camp”) o longa fala sobre amor e ternura que nasce de um encontro casual e cresce entre preconceitos numa província mexicana. Quando o aspirante a chefe de cozinha Iván (Armando Espitia) decide deixar sua alma gêmea no México e fazer a traiçoeira viagem à Nova York e aos trancos e barrancos, sua vida nunca mais será a mesma.

Lançamento exclusivo nas plataformas digitais de aluguel e compra pela Sony Pictures Home Entertainment, LEVO VOCÊ COMIGO pode ser encontrado nas Operadoras de TV e Lojas Digitais. A opção aluguel, após dar o primeiro ‘play’, permite que o filme digital esteja disponível durante 48 horas e poderá ser visto e revisto quantas vezes quiser dentro desse prazo. Já a opção compra, garante que o mesmo esteja disponível sempre com o consumidor. 

 

LEVO VOCÊ COMIGO 

(I CARRY YOU WITH ME, 2021) 

SINOPSE 

Uma épica história de amor de décadas é deflagrada por um encontro casual entre dois homens na província mexicana. Baseado em uma história real, a ambição e a pressão social levam um aspirante a chef a deixar sua alma gêmea e fazer a perigosa viagem para Nova York, onde a vida nunca mais será a mesma. 


ELENCO e FICHA TÉCNICA 

Direção: Heidi Ewing

Roteiro: Heidi Ewing e Alan Page Arriaga

Produção: Edher Campos, Heidi Ewing, Mynette Louie, Gabriela Maire

Produção Executiva: Michael Heimler, Norman Lear, Brent Miller, Teddy Schwarzman

Elenco: Armando Espitia, Christian Vázquez, Michelle Rodríguez, Ángeles Cruz, Arcella Ramírez, Michelle González

 

ESPECIFICAÇÕES 

Duração: 111 minutos, aproximadamente

Classificação Indicativa: 14 anos

Plataformas digitais de Aluguel e Compra:

Apple TV (iTunes), Google Play e Microsoft Films &TV (Xbox)

Plataformas digitais exclusivamente para aluguel:                                         

Looke, NOW, SKY e Vivo Play


ARANHA, representante chileno no Oscar, estreia nesta quinta-feira (23/09)

 


O longa chileno ARANHA, coproduzido com Brasil e Argentina, estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, dia 23 de setembro, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Aracaju, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Curitiba, Recife e Niterói.

Conhecido pelo seu cinema altamente político, o chileno Andrés Wood (“Machuca”, “Violeta foi para o céu”) volta sua câmera, em ARANHA, a um momento marcante da história do Chile, o começo da década de 1970, quando houve o golpe que tirou a esquerda do poder.

Representante do Chile no Oscar de 2020 e indicado ao Goya como Melhor Filme Ibero-americano, o longa tem ao centro um grupo real de extrema-direita que existiu no país, entre 1970 e 1973, chamado Patria y Liberdad, responsável por diversos atos terroristas, e que se tornou um dos principais apoiadores do Golpe de Estado de Augusto Pinochet. Nesse sentido, o diretor ressalta a atualidade do tema de seu longa, cujo roteiro é assinado por ele e Guillermo Calderón.

Começamos a escrever antes de Bolsonaro, antes de Trump, então, de alguma forma, esse nacionalismo, que estava sendo respirado, se desenvolveu. Eu acho que o filme também apela para aquela raiz ou fibra nacionalista, que todos nós temos em algum lugar, e que, finalmente, quando você dá espaço, esses argumentos, às vezes, não parecem tão loucos, tão irracionais”, diz o diretor em entrevista ao jornal chileno El Dínamo.

Ao centro de ARANHA estão três personagens em dois momentos de suas vidas: Inés (interpretada por Valverde e Moran), Gerardo (Fontaine e Alonso) e Justo (Gabriel Urzúa e Felipe Armas) que, na juventude, pertenceram ao Patria y Liberdad. No meio do conflito com a esquerda, nos anos do governo de Salvador Allende, o trio acaba se envolvendo amorosamente, enquanto participa da luta armada contra o presidente marxista. No entanto, um crime político cometido pelo grupo muda o destino do Chile e acaba separando o trio.

Quatro décadas mais tarde, quando ele reaparece, Inés e Justo, agora casados, vivem uma vida burguesa repleta de luxo e dinheiro. Mas Gerardo ainda é obcecado pelas causas do passado e quer, não apenas vingança, mas também trazer o ultranacionalismo novamente à tona. Mas quando ele é preso, em sua casa, com um grande arsenal de armas e munição, Inés, agora uma poderosa empresária, fará de tudo para que o passado não destrua sua vida e sua família.

Seria difícil para qualquer cineasta chileno fazer filme depois dos anos 70 sem tocar nos anos da ditadura no Chile e como ela continua a reverberar nos dias de hoje. O que foi plantando naquele período continua explicando muito do que é o país agora”, disse Woods em entrevista à Variety.

O filme, cujo título faz uma alusão ao símbolo do Patria y Liberdad, conta ainda, entre seus talentos, com o brasileiro Antonio Pinto (“Central do Brasil”) na trilha sonora e o chileno M.I. Littin-Menz (“Violeta foi para o céu”) na fotografia.  

Exibido em diversos festivais, o longa colheu críticas positivas por onde passou. “Como um thriller, o filme tem um ritmo ótimo, com a música de Antonio Pinto num papel central”, definiu a Hollywood Reporter. “Wood vê em seus personagens uma maneira de diagnosticar a podridão moral do presente”, escreveu o espanhol El País. Já o argentino Clarín apontou que “a chave para o trabalho de Wood é, novamente, a sociedade chilena em seu classicismo, uma obsessão que se tornou cada vez mais completa e atrativa na obra do cineasta.”  ARANHA entrou na lista do jornal O Globo, como um dos 15 filmes imperdíveis da Mostra Internacional em São Paulo de 2020.

O filme traz em seu elenco Mercedes Moran (“O Pântano), María Valverde, Marcelo Alonzo (“O Clube”), Pedro Fontaine (“Tenho medo toureiro”), e Caio Blat. A produção brasileira é assinada por Paula Cosenza (“Casa de Antiguidades”) e Denise Gomes (“Ausência”).

Lançamento no Brasil pela Pandora FIlmes.

 

Confira o trailer e pôster oficial do filme SEUS OLHOS DIZEM, de Takahiro Miki

 


A Sato Company acaba de divulgar o trailer e poster oficial do filme SEUS OLHOS DIZEM, com estreia prevista nos cinemas brasileiros no dia 14 de outubro

Sobre o filme

Embalados ao som de “Your Eyes Tell”, do grupo fenômeno BTS, que os personagens de SEUS OLHOS DIZEM se encontram e se apaixonam, numa história de amor jovem e romântica, dirigida por Takahiro Miki (“Sensei!”, “Crianças na Encosta”). Os papéis principais são vividos por Yuriko Yoshitaka e Ryûsei Yokohama, dois dos maiores astros de sua geração atualmente no Japão. O longa estreia no Brasil em 14 de outubro.

No filme, Yuriko interpreta Akari, uma jovem cuja vida é transformada após um acidente, no qual perde os pais e a visão. Enquanto tenta se adaptar à uma nova vida, encontra Rui (Ryûsei), um promissor ex-lutador, que abandonou o mundo do crime, e tenta levar uma vida honesta trabalhando num estacionamento. É lá que ele conhece a moça, que costumava visitar um amigo que trabalhava no local.

Nós queríamos uma balada romântica emocionante que servisse de emblema para a história de amor do filme”, contam os produtores. E, por isso, pensaram na banda sul-coreana BTS, que é um sucesso mundial. Pouco tempo depois do convite, receberam diversas gravações do grupo, mas foi uma canção original que chamou a atenção.

É uma música que Jung Kook [um membro da banda] criou depois de ler o roteiro e ver uma primeira versão do filme”, explica Ban Si-Hyuk, produtor da banda. O resultado agradou tanto a equipe do filme, que o diretor resolveu colocar a balada em uma cena, e não apenas nos créditos finais. Assim nasceu “Your Eyes Tell”.

Yuriko, que vive a jovem Akari, define este trabalho como “repleto de desafios empolgantes”. Ela interpreta, pela primeira vez, uma pessoa sem visão, e, para isso, passou bom tempo antes das filmagens fazendo pesquisa e entrevistas. “Ela é uma personagem que, embora tenha muita dor dentro de si, ainda assim, traz um sorriso no rosto.”

O ator Ryûsei, por sua vez, confessa que ficou muito tocado quando leu o roteiro. “Sou jovem, e quando se trata de histórias de amor, há muita coisa que ainda não aprendi ou experimentei, mas o filme me fez pensar sobre o amor incondicional. Acredito que deverá se comunicar também com muitas pessoas”.

Antes de interpretar o ex-lutador em SEUS OLHOS DIZEM, Ryûsei passou dois meses praticando kickboxing com profissionais. “Foi preciso não apenas um treino duro, mas a mudança da minha dieta e musculação para ganhar o corpo ideal para o filme.”

Os produtores confessam que convidaram o diretor Takahiro Miki pois buscavam alguém com senso estético apurado e capaz de contar uma história de amor. Junto com ele, decidiram que seria um romance puro entre um homem e uma mulher. “Acima de tudo, essa é uma história sobre o perdão. É também uma história de amor madura, apesar da juventude dos personagens, e isso foi uma espécie de desafio para mim.”

Baseado em “Always (2011)”,  filme coreano de sucesso, SEUS OLHOS DIZEM tem roteiro assinado por Yûichi Toyone, e direção de fotografia de Mitsuru Komiyama (“Eu te dou meu primeiro amor”). O elenco também inclui Kyôsuke Yabe, Jun Fubuki, Hannya e Alexander W. Hunter.

SEUS OLHOS DIZEM será lançado no Brasil pela Sato Company.

Sinopse

Rui é um ex-lutador que ficou preso por se envolver com a YAKUSA - a máfia japonesa. Apos cumprir sua pena na prisão, tentar levar a vida de forma correta. Em seu novo emprego num estacionamento, ele conhece Akari, uma jovem cega, alegre e positiva, que perdeu a visão e os pais em um acidente de carro. 
Akari tinha o costume de visitar um amigo que trabalhava antes de Rui no estacionamento. Sem saber que o amigo saiu do emprego, acaba conhecendo Rui. As visitas de Akari começam a despertar Rui, dando sentido maior a sua vida. A sintonia dos dois aumenta, mas o estranho destino irá mostrar como seus passados estão profundamente ligados.

Ficha Técnica

Direção: Takahiro Miki

Roteiro: Yûichi Toyone

Produção:  Tsuyoshi Matsushita, Yoshihiro Suzuki,Mitsuru Uda

Elenco: Yuriko Yoshitaka, Ryûsei Yokohama, Kyôsuke Yabe, Jun Fubuki, Hannya e Alexander W. Hunter

Direção de Fotografia: Mitsuru Komiyama

Trilha Sonora: BTS e mio-sotido

Montagem: Takahiro Miki

Gênero: drama, romance

País: Japão

Ano: 2020

Duração: 123 min.

Gloria Pires e Maisa serão mãe e filha em Desapega!, nova comédia dirigida por Hsu Chien

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, as atrizes revelaram alguns detalhes do filme que começou a ser rodado na terça-feira (21), no Rio de Janeiro.


Gloria Pires e Maisa estarão juntas pela primeira vez nos cinemas em Desapega!, nova comédia dirigida por Hsu Chien (‘Ninguém Entra, Ninguém Sai’ e ‘Quem Vai Ficar com Mário?’). O longa, que tem seu roteiro assinado por Leandro Matos (‘Amor.com’, ‘Samantha!’) e conta ainda com outros grandes nomes no elenco, como Marcos Pasquim, Matheus Costa, Malu Valle, Wagner Santisteban, Polly Marinho e Carol Bresolin, começou a ser rodado nesta terça-feira (21), no Rio de Janeiro.

Em Desapega!, Gloria Pires e Maisa serão mãe e filha e, acima de tudo, melhores amigas. Após sete anos controlada de seu vício em compras, Rita (Gloria Pires) está toda trabalhada no equilíbrio. Ela lidera um grupo de apoio a compradores compulsivos, é bem sucedida como organizadora pessoal e está começando um novo romance com Otávio (Marcos Pasquim). Nada parecia ser capaz de apagar o brilho de Rita, até ela receber a notícia de que Duda (Maisa), sua filha única, tem planos de sair de casa.

Além da relação de amor e cumplicidade entre Rita (Gloria Pires) e Duda (Maisa), a comédia ainda explora outros núcleos, como o excêntrico grupo de apoio a compradores compulsivos liderado por Rita e os divertidos funcionários do escritório de contabilidade onde Otávio (Marcos Pasquim) e Guto (Matheus Costa), namorado de Duda, trabalham. Uma produção da Rubi Produtora, em coprodução com Bronze Filmes, Audaz Filmes e Telecine, Desapega! tem previsão de estreia nos cinemas para 2022. A Imagem Filmes é a distribuidora responsável pelo lançamento.


Sinopse:
Após sete anos controlada de seu vício em compras, Rita (Gloria Pires) assume a liderança de um grupo de apoio a compradores compulsivos para ajudar outras pessoas a darem a volta por cima. Começando um novo romance com Otávio (Marcos Pasquim) e toda trabalhada no equilíbrio, parece que nada pode apagar o seu brilho. Mas quando Duda (Maisa), sua única filha e melhor amiga, revela que tem planos de sair de casa, Rita vai precisar aprender a desapegar para não cair na tentação de uma boa promoção.

Elenco principal:
Rita – Gloria Pires
Duda – Maisa
Otávio – Marcos Pasquim
Guto – Matheus Costa
Gisélia – Malu Valle
Rômulo – Wagner Santisteban
Sylvia – Polly Marinho
Cibele – Carol Bresolin

Ficha Técnica:

Diretor: Hsu Chien
Roteirista: Leandro Matos
Colaboração de Roteiro: Gloria Pires, Hsu Chien, Bruna Boeing, Victor Michels, Tiago Lima Cunha
Produtora: Patrícia Chamon
Produtor: Marcos Scherer
Produtora Executiva: Samantha Queiroz
Diretor de Fotografia: Vinicius Brum
Diretor de Arte: Zé Luca
Coordenadora de Arte: Maria França
Figurinista: Karla Monteiro
Figurinista Assistente: Luiza Fardin
Produção: Rubi Produtora
Coprodução: Bronze Filmes, Audaz Filmes e Telecine
Distribuição: Imagem Filmes

"Meu Sangue é Vermelho" mostra para o mundo, por meio do rap, o genocídio indígena no Brasil


Documentário Musical acompanha o rapper Owerá, indígena Guarani M’bya, numa peregrinação a tribos do Mato Grosso do Sul e Maranhão; e em sua trajetória musical, onde busca conscientizar toda a sociedade sobre a realidade social desses povos.

O filme estreia dia 24 de setembro no VIMEO. 

Com participações de Criolo, Vincent Carelli e Sonia Guajajara, além de outros líderes indígenas, Meu Sangue é Vermelho ganhou 17 prêmios ao redor do mundo em 2020, incluindo Melhor Documentário, Melhor Filme Ambiental, Melhor Edição e vários Melhor Trilha Sonora Original

Brasil; Reino Unido, julho de 2021 - Os dados de crescimento da violência contra indígenas no Brasil são espantosos: até o início de 2020 o número de lideranças mortas em conflitos de campo foi o maior em pelo menos 11 anos, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT). Tendo como principal motivo a desapropriação de terras em favorecimento da expansão do agronegócio e pecuária – isso somado à ocorrência da pandemia de coronavirus, em que o potencial de morte para estes povos foi 16 vezes maior -, a causa pela sobrevivência indígena é urgente, representada também pelas manifestações recentes no Congresso Nacional, em Brasília.  Por isso a união da produtora britânica Needs Must Film com o rapper Owerá, da tribo brasileira Guarani M’bya, foi importante: por meio dela lançam o documentário Meu Sangue é Vermelho, que mostra ao mundo a realidade de indígenas brasileiros.

O roadmovie leva Owerá em uma peregrinação por comunidades indígenas dos estados de Mato do Grosso do Sul e Maranhão para dar voz aos seus líderes e mostrar como vivem, também as injustiças sociais que sofrem – e que grande parte do Brasil desconhece. Ao mesmo tempo, o filme é também um registro da jornada de Owerá como músico, que traz sua história e as vivências do documentário traduzidas nas letras de rap para gerar conscientização.

Inspirado e incentivado por Criolo, com quem desenvolve uma bela relação no decorrer do filme, Owerá é ainda orientado por líderes como a carismática Sonia Guajajara, o sábio e gentil Inaldo Gamela, e nos permite um entendimento mais profundo através da sabedoria de personalidades importantes como Vincent Carelli, antropólogo, indigenista e franco-brasileiro - idealizador do projeto Vídeo nas Aldeias.

Movido por letras e batidas, o filme mostra a violência brutal e o genocídio do qual esses povos são alvo; desapropriação de terras, levando alguns deles a viverem na beira de estradas; perda de identidade, que desencadeia depressão; a relação ancestral e com a natureza; desmatamento; e outros.  Momentos históricos também são abordados, como o protesto durante o acampamento Terra Livre no Congresso Nacional (DF), com cerca de 200 caixões simbolizando as mortes indígenas, e que foi duramente reprimida pela polícia. Este documentário é, então, sobre extermínio de pessoas e a resposta de um jovem músico sobre isso.

Meu Sangue é Vermelho foi apresentado em diversos festivais internacionais durante o ano de 2020, onde recebeu 25 indicações a prêmios, levando 17 deles. Entre os destaques estão: Filme do Festival, no Festival de Nottingham (Nottingham, Reino Unido); Melhor Edição e Melhor Trilha Sonora no Milestone Worldwide Film Festival (Battipaglia, Itália); Melhor Filme Ambiental e Melhor Documentário no Crown Wood International Film Festival (Kolkota, India); Melhor Filme no Buenos Aires International Film Festival (Buenos Aires, Argentina); Melhor Trilha Sonora no London Independent Film Awards (Londres, Reino Unido);  Melhor Documentário no Beyond the Curve International Film Festival (Paris, França); entre outros; além de méritos e menção honrosa no Twilight Tokyo Film Festival (Tokyo, Japão) e IndieFEST Film Awards (Califórnia, EUA).

No Brasil, Meu Sangue é Vermelho será lançado dia 24 de setembro, na plataforma VIMEO, para democratizar o acesso e incentivar o conhecimento sobre a causa indígena para todo país.


SOBRE NEEDS MUST FILM

Somos um coletivo de cineastas de muitas culturas que associam suas habilidades a um fim comum. Nosso objetivo é fazer documentários de interesse humano de classe mundial que tenham um elemento de empresa social incorporado ao processo de produção. Fazemos isso em parceria com a comunidade cuja história estamos tentando contar. Dessa forma, a comunidade pode se beneficiar materialmente do processo de produção, mas, mais importante, pode manter um senso de propriedade em suas histórias. Esta não é a visão da crise indígena pelo homem branco. Nossas imagens mais bonitas são obras de diretores de fotografia indígenas, como Graciela Guarani, Inaye Lopes, Tonico Benites e Alexandre Pankararu. E o produto de cooperativas de cineastas indígenas como o Coletivo Aty Guasu e o Coletivo Olhar da Alma. Celebramos as lentes indígenas! 

SOBRE MEU SANGUE É VERMELHO (MY BLOOD IS RED)

Meu Sangue é Vermelho (My Blood Is Red) não possui dublagem nem narração para que as pessoas contem suas próprias histórias, em suas próprias vozes. Então, de muitas maneiras, os diretores deste filme são os povos indígenas do Brasil. Foram eles que nos disseram o que deveríamos filmar - o que era importante para eles. Deixamos eles falarem diretamente com você, cara a cara.

Nós celebramos as lentes indígenas!

Por celebrarmos as lentes indígenas, o documentário apresenta também, orgulhosamente, a obra de Thiago Dezan - cineasta residente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

FICHA TÉCNICA MEU SANGUE É VERMELHO (MY BLOOD IS RED)

Diretores:  Graci Guarani, Marcelo Vogelaar, Thiago Dezan e Tonico Benites.

Produtora: Needs Must Film.

Produtor: Brian Mitchell.

Elenco: Werá Jeguaka Mirim (Owerá), Criolo, Sonia Guajajara, Vincent Carelli.

Duração: 86min.

Gênero: Documentário, Documentário Musical, Documentário de Justiça Social, Cinema Indígena.

País: Brasil/Reino Unido.

Língua Original: Português/Guarani.


Programação Cinépolis São Paulo - 23/09 à 29/09

 

ESTREIAS:
NO RITMO DO CORAÇÃO
A CASA SOMBRIA
A ABELHINHA MAYA E O OVO DOURADO
GAROTA DA MOTO
A CHORONA
OASIS - KNEBWORTH 1996 (Sessões apenas quinta, 23)


São Paulo
Cinépolis JK Iguatemi: https://tinyurl.com/ugtv22g

Cinépolis Jardim Pamplona Shopping: https://tinyurl.com/qljpgul

Cinépolis Mais Shopping: https://tinyurl.com/w66d3p9

Cinépolis Metrô Itaquera: https://tinyurl.com/qwbt6g6



Região Metropolitana de São Paulo
Cinépolis Iguatemi Alphaville: https://tinyurl.com/tr6oolr

Cinépolis Itaquá Garden Shopping: https://tinyurl.com/uba865o

Cinépolis Parque Barueri: https://tinyurl.com/qpkf224

Cinépolis Parque Maia Guarulhos: https://tinyurl.com/2vf8cpjn

Cinépolis Plaza Shopping Carapicuíba: https://tinyurl.com/r5pya6k

Cinépolis São Bernardo Plaza: https://tinyurl.com/s3d3z4p


Interior de São Paulo
Cinépolis Boulevard Shopping Bauru: https://tinyurl.com/uxottlp

Cinépolis Campinas Shopping: https://tinyurl.com/ujxudke

Cinépolis Galleria Shopping - Campinas: https://tinyurl.com/wxxbb62

Cinépolis Iguatemi Esplanada Sorocaba: https://tinyurl.com/wxpwgmv

Cinépolis JundiaíShopping: https://tinyurl.com/uznosgj

Cinépolis Marília Shopping: https://tinyurl.com/u98emab8

Cinépolis Iguatemi Ribeirão Preto: https://tinyurl.com/3sktyn7x

Cinépolis Iguatemi Santa Úrsula Ribeirão Preto: https://tinyurl.com/8jtpm8jj

Cinépolis Iguatemi São José do Rio Preto: https://tinyurl.com/wtyfhn9

Cinépolis Plaza Avenida São José do Rio Preto: https://tinyurl.com/r5emcew


Cinépolis Ourinhos Plaza: https://tinyurl.com/yx4y5d4h

Cinépolis Jardim Oriente: https://tinyurl.com/fnr6hnca



Canal Brasil exibe “Beto Rockfeller” e “O Casamento de Romeu e Julieta” em homenagem a Luiz Gustavo amanhã, dia 22

 

 

O Canal Brasil abre espaço em sua grade amanhã, dia 22/09, para exibir uma programação especial em homenagem ao ator Luiz Gustavo, que nos deixou no último domingo, dia 19/09. O eterno Vavá, Beto Rockfeller e Mário Fofoca conseguiu marcar o seu talento no imaginário brasileiro por diversas gerações em seus mais de 50 anos de carreira. No tributo, serão exibidos os longas “Beto Rockfeller” (1970), de Olivier Perroy, às 13h45, e “O Casamento de Romeu e Julieta” (2005), de Bruno Barreto, às 15h10. 

 

Homenagem a Luiz Gustavo

22/09 - Quarta:

13h45 - Beto Rockfeller

15h10 - O Casamento de Romeu e Julieta

 

Beto Rockfeller (1970) (88’)

Horário: quarta, dia 22/09, às 13h45

Classificação: 10 anos

Direção: Olivier Perroy

Sinopse: O malandro Beto Rockfeller é um pobretão que usa sua enorme simpatia e falta de caráter para se fazer passar por magnata e viver entre a alta sociedade.

 

O Casamento de Romeu e Julieta (2005) (89’)

Horário: quarta, dia 22/09, às 15h10

Classificação: 10 anos

Direção: Bruno Barreto

Sinopse: Julieta herdou do pai a paixão pelo Palmeiras. Romeu é corintiano roxo. Os dois terão que mostrar para suas famílias fanáticas que o amor do casal é mais forte que a rivalidade dos campos.

 

MOSTRA COMPETITIVA DO 10º OLHAR DE CINEMA É DIVULGADA


Novas narrativas com temáticas que retratam a realidade política e social do mundo. É isso que guia a Mostra Competitiva do Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba, com a descoberta do que há de mais novo na produção mundial e brasileira, buscando inventividade e capacidade de se comunicar. 

Nesta edição, a produção nacional marca presença. Dos nove longas-metragens selecionados, três são brasileiros: O Sonho do Inútil, de José Marques de Carvalho Jr., um filme que se perde e se encontra nas imagens, as ressignifica no tempo, em novas realidades e momentos; Rio Doce, de Fellipe Fernandes, sobre mudanças íntimas que ultrapassam o individual, e Rolê - Histórias de Rolezinhos, de Vladimir Seixas, que lembram os rolezinhos e as ocupações dos shoppings tendo três jovens como personagens.

Completam a seleção de longas Conferência, de Ivan Tverdovskiy, que resgata a invasão do Teatro Dubrovka, na Rússia, durante uma peça em 2002 por um grupo armado e que terminou com uma ação do exército e mais de uma centena de mortos; Um Céu Tão Nublado, de Álvaro F. Pulpeiro, sobre as ideias de Venezuela que se criaram pelo mundo sem se conhecer a complexidade do lugar; Zinder, de Aïcha Macky, que fala sobre a violência à margem e a dificuldade de mudar, mas do constante desejo de transformar a realidade; O Protetor do Irmão, de Ferit Karahan, sobre como até mesmo em um lugar de rigidez, hierarquia e violência é possível haver doçura, cuidado e amor; Estilhaços, de Natalia Garayalde, um filme que fala de imagens que ficam e, ainda que feitas sem querer, contam histórias fundamentais para a História, e Sonhos de Damasco, de Émilie Serri, que procura reconstituir a história de um país em seus escombros, que encontra a vida nos detalhes e nas memórias.

Brasil nos curtas

A produção brasileira também está forte na seleção de curtas-metragens desta 10ª edição. Serão quatro filmes dentre os 10 selecionados. São eles A Máquina Infernal, de Francis Vogner dos Reis; Chão de Fábrica, de Nina Kopko; Tereza Joséfa de Jesus, de Samuel Costa e Uma Paciência Selvagem Me Trouxe Até Aqui, de Érica Sarmet.

Histórias do mundo também estão na seleção. Da Bélgica, a dupla Maxime Jean-Baptiste e Audrey Jean-Baptiste traz Ouça a Batida das Nossas Imagens, e Matthias De Groof, Sob a Máscara Branca: O Filme Que Haesaerts Poderia Ter Feito. Da França vem Vikken, de Dounia Sichov e a coprodução com Senegal, dirigida por Moly Kane, Tecidos Brancos.

Completam a seleção o curta-metragem russo-polonês Saúde!, dirigido por Tatiana Chistova; e Meu Tio Tudor, uma coprodução da Bélgica, Hungria, Moldávia e Portugal, dirigida por Olga Lucovnicova.

Confira a lista completa de filmes selecionados para a Mostra Competitiva:


COMPETITIVA | LONGAS

CONFERÊNCIA / KONFERENTSIYA

Ivan Tverdovskiy | Rússia, 2020, 129’


ESTILHAÇOS / ESQUIRLAS

Natalia Garayalde | Argentina, 2020, 70


O PROTETOR DO IRMÃO / OKUL TIRAŞI

Ferit Karahan | Turquia, Romênia, 2021, 85’


O SONHO DO INÚTIL / O SONHO DO INÚTIL

José Marques de Carvalho Jr. | Brasil, 2020, 72’


RIO DOCE / RIO DOCE

Fellipe Fernandes | Brasil, 2021, 89’


ROLÊ - HISTÓRIAS DOS ROLEZINHOS / ROLÊ - HISTÓRIAS DOS ROLEZINHOS

Vladimir Seixas | Brasil, 2021, 82’


SONHOS DE DAMASCO / DAMASCUS DREAMS

Emilie Serri | Canadá, 2021, 83’


UM CÉU TÃO NUBLADO / UN CIELO TAN TURBIO

Álvaro F. Pulpeiro | Colômbia, Espanha, Reino Unido, 2021, 83’


ZINDER / ZINDER

Aïcha Macky | Alemanha, França, Níger, 2021, 82’


COMPETITIVA | CURTAS

A MÁQUINA INFERNAL / A MÁQUINA INFERNAL

Francis Vogner dos Reis | Brasil, 2021, 30’


CHÃO DE FÁBRICA / CHÃO DE FÁBRICA

Nina Kopko | Brasil, 2021, 24’


MEU TIO TUDOR / NANU TUDOR

Olga Lucovnicova | Bélgica, Hungria, Moldávia, Portugal, 2021, 20’


OUÇA A BATIDA DAS NOSSAS IMAGENS / ÉCOUTEZ LE BATTEMENT DE NOS IMAGES

Maxime Jean-Baptiste, Audrey Jean-Baptiste | Bélgica, 2021, 16’


SAÚDE! / Будьте здоровы!

Tatiana Chistova | Polônia, Rússia, 2020, 31’


SOB A MÁSCARA BRANCA: O FILME QUE HAESAERTS PODERIA TER FEITO / ONDER HET WITTE MASKER: DE FILM DIE HAESAERTS HAD KUNNEN MAKEN

Matthias De Groof | Bélgica, 2020, 9’


TECIDOS BRANCOS / SËR BI

Moly Kane | França, Senegal, 2020, 20’


TEREZA JOSÉFA DE JESUS / TEREZA JOSÉFA DE JESUS

Samuel Costa | Brasil, 2021, 7’


UMA PACIÊNCIA SELVAGEM ME TROUXE ATÉ AQUI / UMA PACIÊNCIA SELVAGEM ME TROUXE ATÉ AQUI

Érica Sarmet | Brasil, 2021, 25’


VIKKEN / VIKKEN

Dounia Sichov | França, 2021, 27’


SERVIÇO

10º Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba

De 6 a 14 de outubro de 2021

No site do Olhar de Cinema


Brasileira ganhadora do Emmy Awards participa de webinar sobre o mercado audiovisual

Brasil é o quinto mercado de audiovisual no ranking mundial. Universidade americana Full Sail quer mostrar as oportunidades no mercado de trabalho para inspirar os estudantes brasileiros


Pesquisas realizadas pela Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e Desenvolvimento, apontam que só em 2014 o setor das indústrias criativas empregou mais de 11 milhões de brasileiros.O Brasil, portanto , representa o 11º lugar no mercado audiovisual mundial e em 2020 o ranking subiu para o quinto lugar.

Também segundo um estudo divulgado na 47ª edição do Festival de Cinema de Gramado/RS, o setor de audiovisual movimenta mais de 25 bilhões de reais por ano, representando 0,46% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. Além disso, de acordo com a mesma pesquisa, o mercado cresce cerca de 8,8% ao ano no país, gerando mais de 330 mil empregos.

Sendo assim, fica claro que cada vez mais o mercado audiovisual e a economia criativa irão impactar a vida dos brasileiros, e quem se prepara desde já para as mudanças no setor tem mais chances de ter grandes oportunidades.


Esse é o caso de Gabriela Lima, original de Florianópolis, em Santa Catarina. Ela iniciou sua jornada estudando na Full Sail University, uma das melhores universidades do mundo especializada na área de comunicação, artes, design, cinema e tecnologia. Ela se formou em Cinematografia e após a graduação, embarcou para Los Angeles, principal polo da indústria cinematográfica e hoje ela coleciona passagens por grandes estúdios e empresas, como a Mattel, Amazon Studios, e atualmente na Netflix.
Além disso, mesmo tão nova, ela produziu o documentário Leah Remini: Scientology and the Aftermath, que foi ganhador do Emmy Awards, considerado o maior prêmio concedido a programas e profissionais de televisão.

No mês de setembro, no dia 28, às 18h, ela irá contar detalhadamente sua trajetória profissional no evento International Virtual Roadshow, um webinar excluisvo promovido pela universidade americana Full Sail.

O evento tem como finalidade apresentar a indústria tão promissora do cinema e audiovisual para os jovens que têm interesse na área mas ainda não sabem muito bem o que fazer para conseguir adentrar no mercado de trabalho.

''é importante, nós como brasileiros, que possamos ter exemplos em que dê para se espelhar e ver até onde conseguimos chegar. E o bate-papo com a Gabriela Lima irá mostrar justamente isso, que existe lugar para brasileiros no mercado audiovisual'', comenta Carol Olival,  Community Outreach Director da Full Sail University. 

 

Para mais informações, acesse: https://fs-courses.com/ivr/sep/


Para se inscrever no webinar, acesse o site: https://fullsail.zoom.us/webinar/register/WN_GkgTV4CaQ-eSFiAbMuEFhQ

Cine Clube Italiano de setembro exibe O ULTIMO PROSECCO

Em parceria com o Instituto Italiano de Cultura de São Paulo, o À LA CARTE realiza a quinta edição do Cine Clube Italiano. Entre os dias 24 e 30 de setembro, assinantes e não assinantes do streaming de filmes poderão assistir gratuitamente “O último prosecco”, de Antonio Padovan. Na quarta-feira, 29 de setembro, às 18h30, acontece no canal do YouTube do À LA CARTE um bate-papo ao vivo sobre o filme com a jornalista Neusa Barbosa e Léo Mendes, gerente de inteligência do Belas Artes Grupo.

“O último prosecco”, filme selecionado para a quinta edição do Cine Clube Italiano, é uma comédia cheia de charme e marca a estreia de Antonio Padovan na direção de longa-metragem. O filme, baseado no romance homônimo de Fulvio Ervas, foi vencedor do prêmio de Melhor Fotografia no Festival Cape Town 2017.

O último prosecco (Finché c'è Prosecco c'è speranza)

Direção: Antonio Padovan

Itália, 2017, 101min, Comédia/Mistério

Elenco: Giuseppe Battiston, Rade Serbedzija, Liz Solari

Sinopse: O filme acompanha o inspetor Stucky investigando uma série de assassinatos e o suicídio teatral de Desiderio Ancillotto, um conde que mora nas colinas de Conegliano e Valdobbiadene, em uma história que narra o conflito entre a ganância e o respeito à terra.

Sobre o Cine Clube Italiano

O Cine Clube italiano é uma programação realizada pelo streaming de filmes À La Carte e o Instituto Italiano de Cultura de São Paulo. De maio a novembro de 2021 serão realizadas sete edições mensais que trarão filmes italianos recém-lançados e inéditos no circuito comercial brasileiro que serão seguidos de uma programação especial. Os filmes tem acesso gratuito por uma semana no À LA CARTE e as programações acontecem no canal do YouTube do streaming. Para as próximas edições estão programados os filmes “O Grande Espírito/Il Grande Spirito” e “Duas Famílias/I Predatori”. 

Sobre os participantes:

Neusa Barbosa é jornalista e escritora. Trabalhou nos jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo e na revista Veja S. Paulo. Criadora e editora do site Cineweb, um dos pioneiros em cinema na internet, em 2000. Foi colaboradora do jornal Valor Econômico, revista Bravo  e da agência Thomson Reuters. Membro e fundadora da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) e do coletivo Elviras de Mulheres Críticas de Cinema. Integrante do comitê de seleção do Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade desde 2006.

Léo Mendes iniciou sua experiência cinematográfica como gerente e assistente de programação no extinto Cineclube Oscarito, em São Paulo, de 1989 a 1991, passando a trabalhar na distribuidora independente Pandora Filmes, ainda em 1991, onde permanece até hoje como consultor de aquisições internacionais. Paralelamente, atuou como programador da sala de cinema do Esporte Clube Banespa, de 2002 a 2003; em outubro de 2017, assinou a curadoria da mostra “Incuráveis”, dedicada a filmes com temática LGBT no cinema Belas Artes; foi curador da exposição itinerante de cartazes cinematográficos intitulada “Um Século de Cinema em Cartaz – De 1915 a 2015”, que foi vista de 01 de agosto a 31 de outubro entre as estações Luz, Paulista e Fradique Coutinho do Metrô de São Paulo e atua como programador do Noitão Belas Artes desde 2004

Cine Clube Italiano l

Setembro: "O último prosecco"

Data: 24 a 30 de setembro (exibição do filme)

Onde: À LA CARTE

Bate-papo ao vivo: 29 de setembro, às 18h30, no canal do YouTube do À LA CARTE

Quanto: Gratuito para assinantes e não assinantes


Clássicos do Cinema Mundial, Helena Ignez e muito mais esta semana no Sesc Digital

                                              “Roma, Cidade Aberta”, de Roberto Rossellini 

A plataforma Sesc Digital recebe a  partir de quinta-feira, 23/9, a estreia de dois clássicos da história do cinema: “Roma, Cidade Aberta”, de Roberto Rossellini, e “Belíssima”, de Luchino Visconti, além do documentário “Chá com Damas”, de  Roger Michell,  e do longa brasileiro “Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira.

O Cineclubinho recebe a estreia do filme brasileiro “Guigo Offline”, de René Guerra.

“The Case Of You”, de Alison Kuhn, é a segunda estreia da Mostra Alemã de Cinema: Elas Dirigem!, correalizada com o Consulado Geral da Alemanha em São Paulo.

Na quarta, 22/9, o CineSesc realiza uma live em homenagem a Helena Ignez, com participação da artista, do crítico Ismail Xavier e mediação dos pesquisadores Pedro Guimarães e Sandro de Oliveira, autores do livro “Helena Ignez, Atriz Experimental”. O encontro acontece às 19h, no canal do CineSesc no Youtube. “O Bandido da Luz Vermelha”, estrelado por Helena, e “Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha”, dirigido por ela, estreiam na série Cinema #EmCasaComSesc.

 

Com curadoria do CineSesc, os filmes ficam disponíveis gratuitamente na plataforma sescsp.org.br/cinemaemcasa

Na próxima quarta-feira,  22/9, às 19h, O CineSesc realiza uma live em homenagem a Helena Ignez, atriz, roteirista e diretora brasileira, celebrando o lançamento do livro “Helena Ignez, Atriz Experimental” (Edições Sesc SP), dos pesquisadores Pedro Guimarães e Sandro de Oliveira. O encontro acontece no canal do CineSesc no Youtube (youtube.com/cinesesc), com participação da artista, dos autores e do crítico Ismail Xavier. A homenagem se completa com a estreia dos filmes “O Bandido da Luz Vermelha” e “Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha”, na série Cinema #EmCasaComSesc.

Quinta-feira, 23/9, a série Cinema #EmCasaComSesc recebe “Roma, Cidade Aberta”, de Roberto Rossellini, que traz Anna Magnani numa Roma ocupada pelos nazistas em 1944. O longa foi sucesso de crítica e recebeu o Grande Prêmio no Festival de Cannes, além de ser considerado obra fundamental do Neorrealismo Italiano. O movimento cultural que marcou a Itália pós-guerra também tem em Luchino Visconti um grande expoente. “Belíssima”, outra estreia da semana, foi filmado por Visconti em 1951 e também traz Magnani como protagonista, mas, desta vez, no papel de uma mãe que faz de tudo para que sua filha vire uma estrela mirim do cinema. 

Outro destaque da programação é o simpático documentário “Chá com Damas”, de Roger Michell, que mostra as veteranas atrizes e amigas inglesas Maggie Smith, Judi Dench, Eileen Atkins e Joan Plowright em uma tarde de chá com muitas lembranças e risadas. O longa brasileiro “Mulher do Pai”, de Cristiane Oliveira, conta a história de uma adolescente que precisa aprender a se relacionar com o pai cego após a morte da avó, enquanto descobre sua sexualidade. 

O Cineclubinho recebe o premiado “Guigo Offline”, de René Guerra (Melhor Filme no Festival Mix Brasil 2017). No filme, Guigo, um menino de 12 anos, está perdidamente apaixonado por sua colega Sabrina. Certo dia, ele viaja para uma pescaria e descobre que está completamente sem sinal de internet. A impossibilidade de trocar mensagens com Sabrina o deixa ansioso.  Além disso, ele ainda terá de lidar com outra situação: Guigo descobre que seu pai tem um namorado. 

Nesta quinta, a plataforma  recebe “The Case You”, que mostra seis jovens aspirantes a atriz, incluindo a diretora Alison Kuhn, dispostas a falar sobre  o teste traumático que realizaram para um filme, no qual foram abusadas e filmadas pelos supostos cineastas. O documentário é a segunda estreia da Mostra Alemã de Cinema: Elas dirigem!, correalizada entre o  Consulado Geral da Alemanha em São Paulo e o Sesc SP e segue até 27 de outubro, sempre com uma nova estreia todas as quinta-feiras. 

  

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA 

ESTREIAS 22/9

### CINEMA #EMCASACOMSESC ###

sescsp.org.br/cinemaemcasa


INFFINITO FILM FESTIVAL ANUNCIA OS VENCEDORES DE SUA 25ª EDIÇÃO


O Inffinito Film Festival, maior e mais importante festival de cinema brasileiro realizado no exterior, anunciou os vencedores de sua 25ª edição. As mostras competitivas de ficção e documentário foram exibidas em todos os Estados Unidos, através da  www.inff.online - primeira plataforma internacional de streaming dedicada exclusivamente ao audiovisual brasileiro, lançada pela Inffinito no ano passado. 

O troféu Lente de Cristal foi entregue na noite deste sábado, 18 de setembro, aos representantes dos filmes escolhidos por dois júris distintos para fição e documentário. Os prêmios de Melhor Filme de Ficção e Melhor Direção foram para o longa Madalena, de Madiano Marcheti. (trailer: CLIQUE AQUI ; fotos: CLIQUE AQUI). A cerimônia foi realizada no SoundScape Park New World Center, em Miami Beach, com exibição do longa-metragem Neojiba – Música Que Transforma, de Sergio Machado e George Walker Torres.

 Presidido pela atriz Betty Faria, o júri de filmes de ficção foi composto pela atriz Camila Morgado; o roteirista de cinema e artista plástico Luiz Dolino; Lorenna Montenegro, crítica de cinema, roteirista, curadora, jornalista cultural e produtora de conteúdo; John Maass, cineasta e advogado. Para a mostra competitiva de documentários, os jurados foram a fotógrafa Maritza Caneca; o cineasta e ator Luciano Vidigal; Flavia Azeredo, professora de linguística, cultura e cinema; e Bianca De Felipes, produtora e distribuidora de filmes e séries. Os prêmios do voto popular foram escolhidos pelo público dos Estados Unidos, nas categorias Melhor Filme de Ficção, Melhor Documentário e Melhor Curta-Metragem. 

 

Confira abaixo todos os vencedores: 

LONGAS-METRAGENS DE FICÇÃO: 

Melhor Filme - Madalena, de Madiano Marcheti

Melhor Direção - Madiano Marcheti, por Madalena

Melhor Roteiro - Camilo Cavalcante, por King Kong en Assuncíon

Melhor Atriz - Clarissa Kiste, por A Mesma Parte de Um Homem

Melhor Ator - Thomás Aquino, por Curral

Melhor Fotografia - Miguel Vassy, por Sertânia

Prêmio de reconhecimento em memória - Andrade Junior, por King Kong en Assuncíon

 

DOCUMENTÁRIOS: 

Melhor Documentário - Por onde Anda Makunaíma, de Rodrigo Séllos

Melhor Direção - Sinai Sganzerla, por A Mulher da Luz Própria

Melhor Argumento - Doidos de Pedra, de Luiz Eduardo Ozório (prêmio especial do júri)

Melhor Fotografia - Thiago Palaes por Reflexo do Lago

Prêmio Memória do País - Máquina do Desejo, de Lucas Weglinski e Joaquim Castro

Prêmio especial do júri - Dorival Caymmi - Um Homem de Afetos, de Daniela Broitman

Menção Honrosa pelo Conjunto da Obra - Lucia Murat

 

JÚRI POPULAR 

Melhor Filme - O Palestrante, de Marcelo Antunez

Melhor Documentário - Doidos De Pedra - O Paraíso Ameaçado, de Luiz Eduardo Ozório

Melhor Curta - Gado Marcado, de Estevan Muniz

A Matéria Noturna está no 10º Olhar de Cinema

“A Matéria Noturna”, longa escrito e dirigido por Bernard Lessa, está na Mostra Outros Olhares do 10º Olhar de Cinema - Festival de Cinema de Curitiba que acontece, de forma online, entre os dias 6 e 14 de outubro. A programação completa do festival com os dias e horários de exibição será disponibilizada pelo site www.olhardecinema.com.br 

O filme conta a história do encontro entre Jaiane, uma mulher negra de 30 anos, que trabalha como motorista de aplicativo e canta numa roda de samba e Aissa, uma marinheiro moçambicano que precisa ficar alguns dias na cidade de Vitória por causa de um problema técnico em seu navio. 

“A Matéria Noturna fala sobretudo sobre relações interpessoais na contemporaneidade. Por isso escolhi trabalhar com noções de aridez e deriva que acompanham a apresentação dos personagens e da cidade de Vitória, palco no qual eles se encontram e tecem suas relações. Posteriormente, surge  a ideia da paixão (e do samba) como elemento que restabelece uma vivacidade ao indivíduo, relembrando-o de seu lugar de ação no mundo, mesmo que de maneira fugaz”, explica o diretor. 

A história se passa toda em Vitória, capital do Espírito Santo, onde foram realizadas as filmagens. A cidade é um personagem importante do filme “A cidade (e a vida), com toda sua crescente secura, é ainda ainda palco de encontros potencialmente transformadores, mesmo que sejam eles repletos de desencontros”, complementa o diretor. 

O longa tem produção da Rede Filmes, Dilúvio Produções, Pique-Bandeira Filmes e Kussa Productions, e será distribuído pela Olhar Distribuição com estreia comercial programada para o segundo semestre de 2022. 

Ficha Técnica:

2021| Brasil | 89 minutos 

Direção e roteiro: Bernard Lessa, Produção: Bernard Lessa, Eduardo Cantarino e Vitor Graize, Montagem: Bernard Lessa, Diretor de Fotografia: Safira Moreira, Elenco: Shirlene Paixão, Welket Bungué, Altamir Furlane, Suely Bispo, Sandra Chagas, Ivna Messinam, Luciene Camargo, André Félix, Melanie de Vales, Luís Gobbi, Produtoras: Rede Filmes, Dilúvio Produções, Pique-Bandeira Filmes e Kussa Production, Distribuidora: Olhar Distribuição.

Sinopse: 

Jaiane é uma mulher negra de 30 anos que trabalha como motorista de aplicativo e canta numa roda de samba. Aissa é um marinheiro moçambicano que, devido a um problema técnico em seu navio, permanece em Vitória por alguns dias. Jaiane experimenta um pouco da hostilidade do Brasil contemporâneo, enquanto Aissa se esforça para ter uma experiência real em solo firme. No Bar da Zilda, eles finalmente se encontram. Uma paixão nasce. Se essa paixão, por si, pode não ser suficiente para pôr fim à deriva de ambos, ela pode, ao menos, devolver a eles a sensação de estarem vivos.

Canal Brasil exibe o documentário inédito “Faça Você Mesma”, de Letícia Marques


Na quarta, dia 22, às 16h45, o documentário “Faça Você Mesma” estreia no Canal Brasil. O filme apresenta relíquias da cena do Riot Girrrl no Brasil, que desembarcou em São Paulo através de fitas K7 vindas do estado americano de Washington, onde o movimento nasceu. Letícia Marques, diretora do documentário, reuniu entrevistas com integrantes de bandas como Dominatrix, TPM e Hitch Lizard que mostram como aquela cena foi importante para o feminismo estar tão em pauta atualmente. O resultado é fruto da pesquisa de Letícia junto a um time de mulheres durante os últimos quatro anos.

 

Faça Você Mesma (2021) (72’)

INÉDITO E EXCLUSIVO

Horário: quarta, dia 22/09, às 16h45

Classificação: 10 anos

Direção: Letícia Marques

Sinopse: O filme conta a história de mulheres fazendo música punk e hardcore nos anos noventa, dando origem a sua versão local do movimento punk feminista Riot Grrrl.

 


Programação da Semana - Cine Passeio (23 a 29 de setembro)

  ESTREIAS EXCLUSIVAS chegam ao #CinePasseio a partir desta quinta (23)!  O grande destaque desta semana é a estreia de mais um filme de D...