Crítica Filme "O Dublê" por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira o filme “O Dublê” dirigido pelo cineasta David Leitch, que tem em seu currículo longas como “Trem-Bala”, “Atômica”, e é protagonizado por Emily Blunt e Ryan Gosling.

Se você quer um filme de ação, “O Dublê” é perfeito. Ele tem muita ação, comédia, romance, intriga, suspense, e efeitos especiais de tirar o fôlego.

Baseado em um seriado de muito sucesso, dos anos 1980, chamado “Duro na Queda”, o longa acompanha o dublê hollywoodiano Colt Seavers (Ryan Gosling), que é considerado o melhor por todos os dublês, atores e diretores, nas cenas mais arriscadas de explosões, tiroteios, incêndios, perseguições, acidentes de carro, quedas das mais diversas alturas, tudo para dar mais realismo às cenas dos filmes.

Colt tem um romance com Jody Moreno (Emily Blunt), uma jovem aspirante a diretora, mas, devido a um acidente, ele se obriga a abandonar a vida de acrobacias perigosas, e simplesmente vai embora.

Porém, um tempo depois, ele é chamado de volta para trabalhar em um filme que tem movimentos que só ele poderia fazer, realizando as cenas mais intensas de ação de Tom Ryder (Aaron Taylor-Johnson), protagonista do longa, que é dirigido por sua ex. Uma séria questão para ele encarar depois do abandono repentino. 

Mas o convite envolve um grande mistério: Tom está desaparecido e, enquanto grava suas sequências, Colt descobre que pode ter se envolvido em algo muito maior do que um simples trabalho como dublê, ele está inserido em uma conspiração gigante e precisa salvar a sua pele e a de sua amada.

O diretor David Leitch, que também é coordenador de dublês, sabia muito bem o que colocar em cena. Além de nos mostrar como é o mundo dos dublês, ele nos apresenta uma série de "coisas" que acontecem por trás das câmeras, e para quem é apaixonado por cinema, isso é muito legal.

Ele conta com um roteiro ótimo, com muitas reviravoltas, com começo, meio e fim, bem situados, e com isso monta uma história que entretém e homenageia.

Além de algumas aparições muito bem vindas na tela, outros momentos de homenagem estão lá também, com cenas e sons característicos de filmes em que os astros precisavam muito dos dublês.

O elenco está muito bom, todos em cena, entregam o seu melhor, e novamente Ryan Gosling é o destaque, com um personagem que vai além, atuando e usando um dublê. Assistindo ao filme, você vai me entender.

“O Dublê” é um thriller de ação, feito com muita energia, com uma ótima veia cômica, com um elenco estelar e uma grande reverência a esses atores/dublês que são essenciais para a indústria do cinema.

Super recomendo para você assistir e se divertir muito.

Nenhum comentário:

Twisters: Warner Bros. divulga álbum com trilha sonora de filme estrelado por Glen Powell e Daisy Edgar-Jones

A Warner Bros. Pictures, em parceria com a Atlantic Records, anuncia “Twisters: The Album”, trilha sonora do novo longa-metragem do estúdio,...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba