COPRODUÇÃO ENTRE PORTUGAL E BRASIL, COMÉDIA A BELA AMÉRICA CHEGA AOS CINEMAS EM 02/11

 


Combinando suspense e humor ácido, a comédia portuguesa A BELA AMÉRICA lança uma pergunta: até que ponto, está nas nossas mãos moldar a linha do destino que nos é traçada ao nascer? Pelos olhos do protagonista, iremos cruzar a fronteira que divide dois mundos - o de Lucas e sua família, explorados no mundo “uberizado” da sociedade meritocrática e, o de América, uma mulher exuberante, sem medo, sem limites e candidata à presidência. Com distribuição da Pandora Filmes, o longa chega aos cinemas brasileiros em 02 de novembro.

Apesar da origem humilde, Lucas (Estêvão Antunes) decide penetrar no mundo exuberante e de celebridades, acreditando que o seu talento para cozinhar, será o suficiente para impressionar América (São José Correia), a estrela de televisão e candidata a presidente, permitindo-lhe ultrapassar a linha que separa aqueles dois mundos. Lucas entrará clandestinamente na casa de América, cozinhando para ela os pratos mais inesperados, mas sem se revelar, observando à distância, América que chega a casa e se depara, diariamente, com um majestoso jantar sobre a mesa da sala.

Partindo dessa premissa, o diretor António Ferreira combina elementos de mistério, humor e drama, lidando com temas caros ao mundo contemporâneo, como as desigualdades e as tensões familiares. O roteiro é assinado por ele e César Santos Silva.

“Nunca se falou tanto em meritocracia quanto hoje, somos bombardeados com mensagens que nos estimulam a sermos empreendedores, pró-ativos, tomar o destino nas nossas mãos. Porém, o dia a dia parece confirmar uma realidade diferente. Vivemos com a angústia de não fazermos tudo o que poderia ser feito e se não enriquecemos, a culpa é nossa”, explica o diretor sobre o como o filme se relaciona com o presente.

Lucas é exatamente esse sujeito que acredita que precisa fazer mais, e que chegará ao topo fazendo, primeiramente, às escondidas, deliciosos jantares para América, uma mulher rica e badalada. 

Em entrevista ao site português Comunidade Cultura e Arte, Ferreira contou que, originalmente, escreveu o roteiro de A BELA AMÉRICA vinte anos atrás, mas fez mudança já que o presente é bem diferente daquele momento. “Decidimos recuperá-lo, mas com alterações brutais e aproveitamos para amadurecer a ideia, a luta de classes persiste e, se calhar, até está mais evidente”. 

Para ele, o cinema pode servir como ferramenta de conscientização, e A BELA AMÉRICA toca em pontos urgentes do presente, abordando “questões sérias, como a crise da habitação ou a desigualdade” ou o populismo, procurando desmontar “os mecanismos de sedução dos políticos”, a partir da personagem América. 

A BELA AMÉRICA será lançado no Brasil pela Pandora Filmes. 

Sinopse

Lucas, o cozinheiro, seduz América, a estrela de televisão e candidata a presidente. Ele entrará clandestinamente na casa dela para a seduzir com refeições extraordinárias, provocando o cruzamento improvável do destino de Lucas, o cozinheiro, com o de América, a Presidente.

Ficha Técnica

Direção: António Ferreira

Roteiro: António Ferreira e César Santos Silva

Produtores:  Tathiani Sacilotto, António Ferreira

Coprodutores: Carolina Dias, José Barahona

Elenco: Estêvão Antunes, São José Correia, Custódia Gallego, Carlos Areia, Daniela Claro, João Castro Gomes, João Damasceno

Direção de Fotografia: Paulo Castilho

Arte: Luísa Bebiano

Trilha Sonora: Luís Pedro Madeira

Montagem: António Ferreira

Gênero: drama, comédia

País: Portugal, Brasil 

Ano: 2023 

Duração: 102 min.

Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba