FESTIVAL DE LOCARNO EXIBE TRABALHOS DO CINEASTA BRASILEIRO ROGÉRIO SGANZERLA

Um dos principais representantes do cinema brasileiro, Rogério Sganzerla (1946-2004), diretor do filme clássico “O Bandido da Luz Vermelha” (1968), terá a exibição de seus filmes ao longo deste mês de agosto, no Festival de Locarno e também em Portugal. No dia 10 de agosto, o público do festival suíço terá a chance de conferir o raro longa-metragem “Abismu” (1977) e seu primeiro filme, o curta “Documentário” (1966), que serão exibidos na mostra Histoire(s) du cinéma, a mostra paralela dedicada a mestres da história do cinema mundial, sendo o único cineasta latino-americano junto a filmes de diretores consagrados e conhecidos mundialmente como Alfred Hitchcook, Jean-Luc Godard, Ridley Scott, entre outros com títulos selecionados para a mostra. Antes, a obra será recordada em uma retrospectiva dedicada ao diretor e sua parceira nas telas e na vida, a atriz e também realizadora Helena Ignez, que acontece no Cinema Trindade, na cidade do Porto, entre os dias 4 e 6 de agosto.

Os filmes do realizador brasileiro exibidos no 76º Festival de Locarno, que acontece de 2 a 12 de agosto na Suíça, integram a mostra paralela que homenageia a história do cinema. “É uma grande alegria voltar a Locarno com dois filmes do meu pai, Rogério Sganzerla, na mostra Histórias do Cinema, onde ele já esteve anteriormente com ‘Copacabana Mon Amour’ (1970) e minha mãe esteve com o média-metragem ‘Poder dos Afetos’ (2013)”, declara Djin Sganzerla, filha do casal de realizadores que também herdou a paixão pelo cinema. Segundo a atriz e diretora, esse retorno também é um “reconhecimento cada vez mais forte desse cineasta singular, que pertence a esse ciclo de cineastas que fizeram um cinema único, como esses próprios que estão nesta mostra”.

Em sua estreia como diretor, Sganzerla produziu uma ode à Sétima Arte em “Documentário”, curta que, apesar do título, trata-se de uma ficção em que dois jovens vagueiam pela rua em busca de um filme para assistir. Já o idiossincrático “Abismu” terá a oportunidade de ser redescoberto pela cinefilia, pois foram poucos os espectadores brasileiros que assistiram a esta viagem sensorial e existencial, entre a filosofia, esoterismo, música e tantas coisas mais, que traz Norma Bengell, José Mojica Marins, Wilson Grey e Jorge Loredo no elenco. “A origem ancestral das Américas e a rica complexidade do nosso país é o caminho imprevisível seguido por este cataclismo musical, que é também uma homenagem à guitarra de Jimi Hendrix”, define Helena Ignez, viúva de Rogério e musa de vários trabalhos dele.

“Abismu foi filmado nos anos mais ardentes e soturnos da ditadura militar. Eu estava grávida de Djin durante este filme monumental, que é o único filme de ficção realizado por Rogério em que não participo. Norma Bengell, atriz maravilhosa e minha amiga, veio da Itália, onde estava morando, e desejava trabalhar com Rogério”, recorda a atriz e cineasta, que apresentará as sessões de ambos os filmes em Locarno, no dia 10 de agosto, ao lado da filha Djin Sganzerla. As exibições de “Documentário” e “Abismu” em duas salas do PalaCinema contarão com cópias DCP 2K, telecinadas dos originais graças ao esforço da Mercúrio Produções e da filha e igualmente cineasta Sinai Sganzerla. "Quase 20 anos após seu falecimento, os filmes do meu pai são descobertos no mundo. A preservação de seus filmes é fundamental também para preservação da cultura brasileira e o nome do meu pai dentro da mostra Histoire(s) du cinéma, dedicada aos mestres do cinema mundial (sendo o único da América Latina), representado por dois filmes que pouco são vistos no Brasil, diz que precisamos valorizar a nossa cultura e memória sempre", destaca a diretora.

Antes, é a vez dessa excelência familiar ser lembrada em Portugal, na “Mostra Cinema Fora da Lei – Ciclo de cinema Rogério Sganzerla & Helena Ignez”, na célebre sala de rua do Porto, Cinema Trindade. Nos dias 4, 5 e 6 de agosto, serão exibidos três clássicos de Rogério Sganzerla, “O Bandido da Luz Vermelha”, “A Mulher de Todos” (1969) e “Copacabana Mon Amour”, ao lado do documentário de Sinai Sganzerla sobre sua mãe Helena em “A Mulher da Luz Própria” (2019) e o mais recente longa dirigido e estrelado por Ignez, “A Alegria é a Prova dos Nove” (2023). O talento do realizador ainda será reverenciado mais uma vez em terras portuguesas, com seus filmes presentes na programação de setembro de um canal a cabo local.

PROGRAMAÇÃO

“Mostra Cinema Fora da Lei – Ciclo de cinema Rogério Sganzerla & Helena Ignez” – Cinema Trindade, Porto (Portugal)

O BANDIDO DA LUZ VERMELHA, de Rogério Sganzerla [Brasil/ 1968 / 92 min]

A MULHER DE TODOS, de Rogério Sganzerla [Brasil/ 1969 / 87 min] 

COPACABANA MON AMOUR, de Rogério Sganzerla [Brasil/ 1970 / 85 min]

A MULHER DA LUZ PRÓPRIA, de Sinai Sganzerla [Brasil/ 2019 / 74 min]

A ALEGRIA É A PROVA DOS NOVE, de Helena Ignez [Brasil/ 2023 / 100 min]


Festival de Locarno – Mostra Histoire(s) du cinema – PalaCinema, Locarno (Suíça)

10/08/2023 – 18h30 (horário local)

DOCUMENTÁRIO, de Rogério Sganzerla [Brasil/ 1966 / 11 min]

ABISMU, de Rogério Sganzerla [Brasil/ 1977 / 80 min]


Sinopse – DOCUMENTÁRIO

Numa tarde de ócio, pouco dinheiro e falta de rumo pelas ruas de São Paulo, dois jovens dialogam sobre o que fazer, tendo somente como motivação aquilo de que trata esta estreia de Sganzerla no cinema: o próprio cinema.

Ficha Técnica

Direção, Roteiro, Produção, Montagem e Narração: Rogério Sganzerla

Elenco: Vitor Loturfo e Marcelo Magalhães

Direção de Fotografia e Câmera: Andrea Tonacci

Vendas internacionais: Mercúrio Produções

País: Brasil

Ano: 1966

Duração: 11 minutos


Sinopse – ABISMU

Inscrições em algumas das cavernas da Pedra da Gávea que remontam ao período pré-colonial são o ponto de partida para este tributo a Jimi Hendrix e ao poder de Mu, divindade fenícia celebrada por um fanatizado e intergaláctico Zé Bonitinho. Com acento experimental, trilha sonora de Hendrix e atuação de José Mojica Marins no papel de um cientista egocêntrico, este filme marca o retorno de Sganzerla ao longa-metragem após um considerável período afastado das telas. 

Ficha Técnica

Direção, Roteiro, Produção e Montagem: Rogério Sganzerla

Direção de Produção: Ivan Cardoso

Elenco principal: Norma Bengell, José Mojica Marins, Wilson Grey, Jorge Loredo, Edsom Machado, Mário Thomar, Mariozinho de Oliveira e Satã

Direção de Fotografia: Renato Laclete

Som: Dudi Gupper

Seleção Musical: Rogério Sganzerla

Produção: Rogério Sganzerla Produções Cinematográficas / Mercúrio Produções

Vendas internacionais: Mercúrio Produções

País: Brasil

Ano: 1977

Duração: 80 minutos

Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba