Crítica Filme "Meu Vizinho Adolf" por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira o ótimo filme “Meu Vizinho Adolf” que tem como diretor Leon Prudovsky (À 5 Heures de Paris”).

A história do longa acontece na década de 1960 no Chile. Marek Polsky (David Hayman), um solitário, mal-humorado e apreciador da solidão, sobrevivente do Holocausto que vive uma vida tranquila no interior.

Sua rotina é abalada quando um novo vizinho se instala na casa ao lado, e depois de um breve encontro, ao acaso, ele se convence de que esse novo vizinho, o senhor Herzog (Udo Kier) não é outro senão Adolf Hitler, o qual teria se suicidado anos antes.

Com um desejo de vingar tudo e todos que já perdeu, ele vai até a embaixada da cidade mais próxima e avisa sobre a sua suspeita, denunciando o suposto Adolf.

Acontece que ele não é lavado a sério, e percebendo isso, adquiri equipamentos especiais e inicia uma investigação por conta própria para provar sua afirmação.

Passado algum tempo, ele percebe que à distância, as evidências que consegue, são inconclusivas. Polsky então, se vê forçado a se envolver em um relacionamento com o inimigo para obter provas irrefutáveis, ele não sabe, mas, essa aproximação pode se transformar em amizade.

Na trama muito bem construída pelo diretor Leon Prudovsky podemos ter várias leituras da perspectiva de Polsky, a do sobrevivente do Holocausto, a do homem que perdeu a família, a do homem solitário, e também a do homem que apesar de tudo tem fé e esperança na vida e no outro.

“Meu Vizinho Adolf” é um filme de atores, mais especificamente dessa dupla que tem uma química impressionante na história, apesar do seu mote, onde um deveria odiar o outro.

Além desse mote, em muitos momentos você vai rir na história, dada a atuação desses dois super atores, que conseguem construir uma amizade que vai além de cercas, muros e crenças.

“Meu Vizinho Adolf” é um longa emocionante, ele fala de solidão, de amizade, de traumas, de resiliência, de paciência, de histórias e de consequências. Fala também de relações aparentemente improváveis, de pessoas completamente diferentes, mas, ao mesmo tempo com muito em comum.

Recomendo que você assista a esse filme, no mínimo emocionante.


Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba