Documentário “Lama Seca” mostra as histórias por trás das 272 vítimas da queda da barragem da Vale em Brumadinho



                               Filmagens foram feitas durante os primeiros meses após a tragédia e mostram como a relação construída entre Bombeiros e moradores deu origem a maior operação de resgate da história do Brasil

Mesmo passados pouco mais de três anos, a queda da barragem da Vale na cidade de Brumadinho (MG) ainda gera comoção na sociedade brasileira. E é justamente as histórias que cercam uma das maiores tragédias do país que estão no centro do recém-lançado documentário “Lama Seca”, disponível nas plataformas de streaming Vivo Play, Claro TV, nos serviços para assinantes ou on demand. Filmado de forma independente e com baixo orçamento, a obra marca a estreia da agência paulista Quartetto nesse gênero do cinema e tem como diretores os jornalistas Juliana Ribeiro e Eduardo Savanachi e o fotógrafo e diretor de fotografia Murillo Constantino. 

As filmagens aconteceram ao longo de 2019, acompanhando praticamente todo o primeiro ano após o acidente. A equipe entrevistou sobreviventes, moradores da cidade e, principalmente, familiares das vítimas da tragédia. Em um cenário de tristeza e revolta, o documentário aborda os impactos da queda da barragem, que se tornou um marco na história de Brumadinho, afetando diversos aspectos da vida de seus habitantes, desde um sombrio luto coletivo, passando pela angústia da espera pelo resgate dos desaparecidos até os reflexos das mudanças na infraestrutura e características do município. Como pano de fundo, a indignação generalizada com a forma que a mineradora Vale lidava com a situação. 

Um dos principais registros da obra é o início da relação entre bombeiros e moradores da cidade, que deu origem a uma das principais operações de resgate da história do Brasil, ainda hoje em andamento. “Buscamos desenvolver um filme com olhar humanizado, longe da frieza dos números e com depoimentos intensos e emocionantes. A ideia era dar rosto e voz aos atingidos por uma das maiores tragédias do país”, explica a diretora Juliana Ribeiro, que também foi responsável pela produção executiva e reportagens do projeto. 

“Trata-se de um filme que propõe uma discussão que vai além das causas e culpas, e que se concentra em mostrar a vida das pessoas e o real significado de um acontecimento que causou a morte de 270 pessoas, algumas cujos corpos até hoje não foram encontrados”, complementa Eduardo Savanachi, que assina o roteiro final do documentário. 

A fotografia teve um papel de destaque na produção. O filme traz imagens inéditas das estruturas onde funcionavam os escritórios e refeitório da Vale atingidas pela lama e das áreas de buscas que dão uma nova dimensão sobre o alcance do desastre. Além disso, entra na casa das famílias que tiveram suas "jóias" (forma como os moradores se referem às vítimas) perdidas, mostrando quem eram aquelas pessoas. “A ideia era levar o espectador para dentro da vida em Brumadinho, naquele momento complicado de dor e revolta, para mostrar esse processo difícil de recuperação. As imagens têm um papel fundamental para registrar e, principalmente, sensibilizar a sociedade para que coisas assim não voltem a acontecer”, ressalta o diretor de fotografia Murillo Constantino. 

Onde assistir:

Vivo Play

Claro TV 

Ficha técnica:

Ano: 2020

Classificação: Livre

Duração: 74 min

Direção: Eduardo Savanachi, Juliana Ribeiro e Murillo Constantino 

Direção de Fotografia: Murillo Constantino 

Roteiro: Eduardo Savanachi 

Entrevistas e Reportagem: Juliana Ribeiro 

Operadores de Câmeras: Leonardo Orestes e Matheus Rodrigues Jr.  

Edição e Montagem: Daniel Bona 

Tratamento de imagem: Marcelo Rodrigues - Mia Lab

Sonorização, edição de áudio e foley: Mauricio Monteiro 

Trilha original: A Karpintaria 

 

Nenhum comentário:

Crítica Filme "Trem-Bala" por Rita Vaz

  Estreia nesta quinta-feira, dia 4 de agosto o filme “Trem Bala” sob a direção de David Leitch (“Dead Pool 2”, “Atômica”, “John Wick” e out...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba