Confira os primeiros títulos da edição 2022

 

Foram anunciados hoje os três primeiros títulos que compõem a seleção do 11° Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba, que acontece de 1º a 9 de junho. É a Mostra Exibições Especiais, voltada a destacar grandes mestres do cinema, que volta com toda a potência ao formato presencial com "Baby Yar. Contexto", de Sergei Loznitza, documentário que acompanha três dias de massacre de tropas nazistas em uma ravina de Kiev; a ficção "Coma", de Bertrand Bonello, sobre a adolescência no mundo dos influenciadores digitais, e "Rewind & Play", de Alain Gomis, que resgata o racismo contra o músico Thelonious Monk em um famoso programa de entrevistas francês nos anos 1960.

 

Os três filmes foram exibidos em importantes festivais internacionais, como Festival de Cannes, Berlinale, cphdox e Cinéma du réel e chegam agora em Curitiba para a primeira exibição no País.

 

Depois de dois anos acontecendo de maneira digital por conta da pandemia de COVID-19, o Olhar de Cinema retorna às salas da capital paranaense em sua data original, com todas as suas tradicionais 10 mostras e suas atividades paralelas, como seminários, mesas de debates, oficinas e o CURITIBAlab, laboratório de desenvolvimento de projetos.

 

O coordenador-geral do festival, Antonio Gonçalves Junior, destacou a importância de retormar o formato presencial do evento: "É muito bom estar de volta porque um festival também se faz de encontros. Essa troca que o presencial proporciona e a vivência do evento, que é muito prejudicada pelo cotidiano no on-line, faz muita diferença para a experiência".

 

Fichas técnicas

 

Babi Yar. Contexto (Babi Yar. Context, Países Baixos/Ucrânia, 2021), de Sergei Loznitsa. 121 min.

Em setembro de 1941, uma tropa nazista, auxiliada por dois batalhões da Polícia Ucraniana, e sem qualquer resistência da população local, efetuou o massacre de mais de 33 mil judeus na ravina de Babi Yar, a noroeste de Kiev. O filme busca o contexto histórico da tragédia por meio de imagens de arquivo que documentam a ocupação alemã da Ucrânia e a década subsequente. Quando a memória se transforma em esquecimento, quando o passado ofusca o futuro, é a voz do cinema que articula a verdade.

 

Coma (Coma, França, 2022), de Bertrand Bonello. 80 min.

O comportamento online e o consumo de conteúdo pelos olhos de uma adolescente que conduz o público através de seus sonhos e pesadelos. Navegando entre sonhos e realidade, ela é guiada por uma perturbadora e misteriosa YouTuber, Patricia Coma.

 

Rewind & Play (Rewind & Play, França, 2022), de Alain Gomis. 65 min.

A falta de respeito com que o músico negro Thelonious Monk foi tratado no outono de 1969 após o final de sua turnê européia, quando aparece em um programa de entrevistas para a televisão estatal francesa.

 

Inscrições abertas

Tanto o CURITIBAlab quanto as Oficinas do Olhar de Cinema estão com inscrições abertas. As do primeiro, destinado a realizadores com projetos de longas-metragens de ficção, podem ser feitas apenas até amanhã (21/4) pelo link https://www.olhardecinema.com.br/curitibalab-2022-inscricoes-abertas/.

 

As das segundas, destinadas ao público em geral e divididas em três temas: “QuilomboCinema”, ministrada por Tatiana Carvalho Costa; “A Montagem como Reescrita de um Filme”, por Tomás von der Osten, e “Incorporar memórias,  por Abiniel João Nascimento, podem ser feitas até o dia 13 de maio pelo link https://www.olhardecinema.com.br/oficinas-2022-inscricoes-abertas/. As aulas acontecerão de forma on-line.

Nenhum comentário:

Crítica Filme Miss França por Rita Vaz

  Estreia nessa quinta-feira, a comédia dramática francesa “Miss França”, dirigida pelo ator e cineasta luso-francês Ruben Alves (Uma Famí...