Documentário sobre aplicativo para comunidade autista é lançado no YouTube

 



A Rede Azul relata jornada de uma mãe de uma garota com TEA em busca de inovações tecnológicas e inclusão

O Rede Azul – aplicativo colaborativo que conecta a comunidade autista a indicações de locais, serviços e oportunidades amigáveis – é o tema do documentário A Rede Azul, já disponível no canal do app no YouTube. A produção parte da história de Elaine Marques, que criou o app inspirada nas dificuldades que enfrentou com a sua filha, que está no TEA (Transtorno do Espectro Autista). Além disso, especialistas de diversas áreas também compartilharam suas visões sobre inclusão e como é fazer parte desse universo.

O média-metragem traz um panorama dos obstáculos enfrentados quando se vive com TEA no Brasil. “Queremos conscientizar mais pessoas sobre o que é todo o universo do TEA e como elas podem ser mais empáticas. É preciso tirar o Transtorno do Espectro Autista da invisibilidade. Porque, a qualquer hora do seu dia, você pode atender ou ser atendido por pessoas pertencentes a essa comunidade. É preciso entender para agir com empatia. Nosso propósito é despertar essa consciência através da nossa história, da nossa realidade, que é também a de tantos outros”, conta Elaine Marques, idealizadora do app Rede Azul.

A ideia de produzir o documentário se concretizou após uma sinergia entre Elaine Marques e Alan Coelho, proprietário da Acid Filmes [http://www.acidfilmes.com.br/], empresa responsável pela produção do A Rede Azul, de transmitir um impacto positivo. Para isso, trouxeram à tona toda a jornada de Alícia Nicol Marques Escudero, filha da Elaine, com Síndrome de Asperger - nível leve do TEA.

Com o diagnóstico tardio, apenas aos 12 anos de idade, Alícia e sua família se viram em meio a várias dificuldades para encontrar serviços e oportunidades. Elaine explica: “É preciso compreender que as pessoas do espectro autista também querem estudar, trabalhar, viajar, ter momentos de lazer, assim como qualquer um. Será que estamos todos preparados para acolher e incluir essa parcela da população? Daí a importância de manter o TEA em pauta sempre, facilitar o acesso à informação e vir com essas iniciativas.”
Elaine pensou que outros pais podiam passar pelas mesmas situações e, tentando encontrar soluções para isso, veio a motivação para criar o app Rede Azul, unindo forças em favor da inclusão. Para complementar a narrativa do documentário, profissionais de áreas distintas compartilharam seus conhecimentos e percepções sobre educação, tratamentos, direitos e o que significa ser alguém com TEA.

LANÇAMENTO A produção teve sua primeira exibição em 19 de janeiro, em um evento no Google Meet. Além de assistir, o público teve acesso às percepções complementares de especialistas que, inclusive, participaram do documentário.

Com mediação do consultor independente em temas relacionados à responsabilidade corporativa Antônio Albuquerque, estavam presentes no debate Damião Silva, psicólogo clínico e escolar e especialista em Transtorno do Espectro Autista, Altas habilidades e Superdotação; Denner Pereira, advogado e servidor público da Procuradoria do Estado do Paraná; a neuropediatra Deborah Kerches; a empresária Amanda Ribeiro, que resolveu estudar sobre o tema para ajudar o filho e fundou a Incluir Treinamentos; a fonoaudióloga Nattaly Castro, especialista em Processamento Auditivo Central (PAC) e Homologada no Sistema de Estimulação Neuro Auditiva (SENA).

A discussão permeou entre os temas: dificuldade de diagnóstico do TEA em meninas, tratamentos em diversas fases da vida, as questões sensoriais que pessoas da comunidade autista têm, como diagnosticar e como ser inclusivo com elas também no período escolar. Ainda falou-se sobre saúde mental e física dos cuidadores e dos familiares, os direitos adquiridos específicos para essa parcela da população e a importância de criar redes de apoio e colaboração.

Como assistir? O documentário A Rede Azul pode ser acessado no canal do app no YouTube, disponível aqui 

Rede Azul Lançado em dezembro de 2019, na Google Play Store, o app foi liberado gradualmente, começando por municípios da Região Metropolitana de Campinas (RMC), interior de São Paulo. Atualmente, está disponível para todo país - já conta com indicações em 20 estados - e em torno de 1,5 mil usuários ativos. Em breve também será lançada a versão para IOS (Iphone).

Por ser colaborativo, o foco são as experiências. Os usuários podem deixar suas indicações de locais ou serviços amigáveis para pessoas do TEA - que dentro do app recebem o nome de Pontos Azuis - para que outros possam consultar, vivenciar e avaliar. Com todas essas informações, o aplicativo calcula uma média das notas para cada indicação. Os Pontos Azuis se dividem em 18 categorias, entre elas, escolas, terapias, estética, igreja, esportes, turismo e Famílias do TEA, seção que pretende criar uma rede de apoio entre familiares que, muitas vezes, precisam trabalhar em casa, a fim de cuidar de pessoas com TEA.

Acid Filmes Idealizada por Alan Coelho, profissional com mais de 10 anos de experiência no meio audiovisual no eixo Rio-São Paulo. A produtora atua em vários segmentos e coleciona trabalhos com empresas de renome, como Toyota, Levi’s e Ray Ban.

INFORMAÇÕES
Documentário A Rede Azul
Onde assistir: YouTube 
Download do app: Clique aqui
Facebook redeazulapp / Instagram redeazulapp 

Nenhum comentário:

OS MELHORES ANOS DE UMA VIDA, DE CLAUDE LELOUCH, CHEGA AOS CINEMAS NO DIA 24 DE JUNHO

  OS MELHORES ANOS DE UMA VIDA,  dirigido por Claude Lelouch, estreia nos cinemas brasileiros no dia 24 de abril. O filme, que f...