Crítica Filme "Cemitério Maldito" - Rita Vaz



Stephen King é um dos escritores mais cultuados de sua geração, suas obras já venderam milhões de cópias e várias delas foram adaptadas para o cinema.

Apesar de escrever em diversos gêneros, o terror é o qual ele é mais conhecido, tanto que a adaptação da obra em questão, “Cemitério Maldito” tem agora sua segunda versão.

Essa nova versão é muito parecida com a primeira lançada em 1989, mas, tem algumas mudanças que acabaram deixando-a um pouco diferente e mais atual. Porém nada disso desrespeita a obra original e tudo caminha para o mesmo desfecho.

Na história conhecemos a família Creed, que é composta pelo casal Louis e Rachel e seus filhos, Ellie e Gage.

Cansados da agitação da cidade grande, o casal aposta em morar no interior e ter uma vida mais tranquila e se mudam para uma casa retirada, que fica próxima a uma autoestrada de bastante fluxo de caminhões e próxima também a um cemitério de animais.

Até aí tudo bem, mas o cemitério de animais tem uma aura sinistra e sabe-se que antigamente, o local era sagrado para os indígenas.

Logo eles conhecem o vizinho Jud, que é viúvo e mora há anos na região. Ele conhece todos os segredos do local, até demais eu diria e se encanta com Ellie.

A família tem um gato de estimação, o Church, que é atropelado e morre.

Sem maiores explicações Jud pede a Louis que ele enterre o gato no cemitério de animais, mas não no local onde a maioria é enterrada.

Eles sobem para uma região mais escondida, onde o animal é enterrado sob certos cuidados especiais.
Eles vão embora, mas logo Louis percebe a presença do gato na casa, mas, não é Church que está ali, é outra coisa, assustadora e perigosa que logo começa a ameaçar a família.

Quando um caminhão atropela e mata Ellie, Louis, mesmo contra todos os avisos de não fazer o que não é correto, rouba o corpo da filha do cemitério da cidade e o leva para a parte mais oculta do cemitério de animais.

Mesmo sabendo que o ser que volta não é o mesmo que morreu, ele enterra a filha para tê-la de volta, dado o tamanho do seu desespero em perdê-la.

O que acontece a partir daí só poderia ter saído da mente de Stephen King.

Enquanto tudo isso acontece, somos levados a conhecer o aspecto emocional da família que sofre com sentimentos do passado e do presente.

Louis é médico e é cético em relação à vida após a morte, enquanto sua esposa tem um enorme sentimento de culpa em relação à sua irmã que morreu, quando ambas eram pequenas e estavam sozinhas em casa.

O longa é bastante escuro do começo ao fim, tem uma ótima mixagem de som e uma também ótima construção de suspense.

Os diretores apostaram em trabalhar ao máximo sentimentos que são comuns às pessoas como a culpa e a insegurança, levando a mente dos personagens ao limite e entregando um ótimo filme do gênero terror.

O elenco está ótimo, com destaques para Jason Clarke e a pequena Jeté Laurence que manda muito bem tanto sendo boazinha quanto não.

Para quem é fã, tanto de Stephen King, quanto do gênero, vai se deliciar, ou melhor, se assustar com o “Cemitério Maldito”.

Título Original: Pet Sematary
Gênero: Terror
Duração: 1 hora e 41 minutos
Ano de Lançamento: 2019
Direção: Kevin Kolsch e Dennis Widmyer
Elenco:  Jason Clarke, Amy Seimetz, John Lithgow, Jeté Laurence, Alyssa Brooke Levine, Obssa Ahmed, Hugo Lavoie, Lucas Lavoie.

Nenhum comentário:

OS MELHORES ANOS DE UMA VIDA, DE CLAUDE LELOUCH, CHEGA AOS CINEMAS NO DIA 24 DE JUNHO

  OS MELHORES ANOS DE UMA VIDA,  dirigido por Claude Lelouch, estreia nos cinemas brasileiros no dia 24 de abril. O filme, que f...