MEU AMIGO LORENZO Novo e comovente filme do diretor André Luiz Oliveira estreia dia 2 de abril, no Cine Cultura Liberty Mall

Uma criança especial, uma musicoterapeuta, um cineasta/músico, um encontro inesperado. Um filme que reflete sobre o poder da música e do acolhimento como ferramentas para a expressão mais profunda da personalidade de uma criança com autismo. Um filme sobre empatia, amizade, afeto. Assim é “Meu amigo Lorenzo”, novo longa-metragem do premiado cineasta e músico André Luiz Oliveira, que chega às telas no próximo dia 2 de abril, Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo, às 19h, no Cine Cultura Liberty Mall. Após a sessão, haverá uma curta apresentação musical de Lorenzo Barreto e uma conversa com a equipe do filme.

O filme estreia no Brasil com o aval do público da Galícia, que o escolheu como Melhor Longa-metragem no festival Primavera do Cine de 2023, de Vigo. “Meu amigo Lorenzo” é o registro de uma vida. Tudo começou num encontro em um “setting” de musicoterapia (ambiente especial onde o atendimento acontece), quando André Luiz foi convidado a registrar as sessões terapêuticas de uma criança autista. A empatia entre o cineasta/músico e a criança foi imediata. Dessa maneira, teve início um processo de 15 anos de filmagens e o nascimento de uma amizade musical onde o amor foi o caminho para o desenvolvimento da personalidade artística da criança. Ao longo de 96 minutos, o público é convidado a conhecer um relato intimista desta história baseada em acolhimento, música e afeto.

“Meu amigo Lorenzo” acompanha o desenvolvimento de Lorenzo Barreto, desde quando era uma criança até mais recentemente. Diz o diretor: “Percebi que ele tinha imensas qualidades musicais e enormes dificuldades psicomotoras. Isso teve um grande impacto sobre mim. Quando nos conhecemos, Lorenzo tinha 4 anos e não parei de filmá-lo até os 19. Sem nenhuma ideia do que iria fazer, muito menos que resultaria num filme de longa-metragem”, revela André Luiz.

Para o cineasta, os encontros com Lorenzo sempre foram extremamente valiosos para ele, assim como importantes para o desenvolvimento estrutural da criança. “A música que flui através dele vem de uma região muito profunda do seu ser e é como o ar que respira. Tocar com ele, ouvi-lo e ser ouvido por ele foi e continua sendo extremamente prazeroso, luminoso, desafiador”.

“Meu amigo Lorenzo” foi premiado no FAC - Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Distrito Federal, para a finalização da obra, via Arranjos Regionais/FSA. Em 2022, participou das Rodadas de Negócios do DocSp e do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Além de entrar em cartaz no circuito Cine Cultura Liberty Mall, o filme será exibido gratuitamente, em diferentes regiões administrativas.


CINEMA E MUSICOTERAPIA

A história do longa-metragem começa em 2007, quando a musicoterapeuta Clarisse Prestes recebeu no “setting” de musicoterapia em sua casa, nos arredores de Brasília, uma criança autista de quatro anos de idade chamada Lorenzo Barreto. Ela então convidou André Luiz para gravar algumas imagens em fita MiniDV. “Eu, por curiosidade, aceitei”, revela o cineasta e músico. E acrescenta: “A partir desse dia, filmei todas as sessões durante 15 anos. O meu fascínio pelo autismo e pela criança em si, com a sua misteriosa, incompreensível e exuberante musicalidade me levaram compulsoriamente a realizar este filme "Meu amigo Lorenzo".

Depois de dez anos de filmagens, em 2017, André Luiz percebeu que tinha acumulado um verdadeiro tesouro de imagens, registros de uma experiência existencial preciosa e incomum. Mais ainda: percebeu o quanto a convivência com Lorenzo e outros autistas que acompanhava pontualmente no setting abriu para ele novas portas de percepção do mundo. “O cinema e a música sempre foram os meus dois meios de expressão e de estar no mundo, entretanto, o autismo se revelou para mim como um desafio necessário que eu precisava incorporar à minha experiência de vida”.

Segundo André Luiz, a convivência com Lorenzo e outros autistas revelou que, se há disposição de se sobrepor ao preconceito, ao medo e às ordens internas de separatismo e intolerância, a pessoa encontra algo muito precioso neles que é a pureza de estar no mundo sem julgamento, sem disputa, inteiramente entregue ao presente. “Acho que o filme "Meu amigo Lorenzo" consegue transmitir esse estado de espírito amoroso e compassivo tão necessário nos dias de hoje”, afirma o diretor.


 REDUZINDO PRECONCEITOS E DESINFORMAÇÃO

“Meu amigo Lorenzo” estreia exatamente no Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, dia 2 de abril, para chamar a atenção para uma questão que é de extrema importância e relevância social. O autismo é um transtorno no desenvolvimento infantil multifatorial, que afeta a capacidade de relacionamento com pessoas e o ambiente, por apresentar prejuízos na comunicação social e comportamentos restritos e repetitivos.

De acordo com a musicoterapeuta Clarisse Prestes, “infelizmente, nos últimos anos, o tratamento que se impôs à sociedade como aquele que funciona para o autismo, supostamente o único com “comprovação científica”, é o comportamental. Esse modelo tem dominado hegemonicamente o pensamento sobre como devem ser as intervenções”. Para ela, essa prática impõe ao indivíduo autista um conjunto de habilidades que nem sempre vem ao encontro de suas necessidades como ser humano integral.

"O filme mostra que há outras formas de se estar com o indivíduo com autismo já que estamos caminhando em outro sentido. O importante para nós que lidamos por quase duas décadas com essas crianças é o amor incondicional, o respeito ao outro, e o “estar junto” na prática, sem imposição de teorias ou modelos externos pré-determinados. Afinal, além de um diagnóstico, existe ali um sujeito com sua individualidade e suas preferências que pode se manifestar desde que encontre um ambiente seguro e acolhedor”, afirma Clarisse.

O pensamento da musicoterapeuta é corroborado pelo depoimento da psiquiatra e psicanalista Inês Catão, para quem o filme chega em momento mais que oportuno, pois evidencia a eficácia de um trabalho terapêutico que anda na contramão das pressões de mercado que, segundo ela, vêm transformando o autismo num campo de disputas narrativas de poder que não considera o sujeito. “O filme narra vários anos de trabalho clínico com um menino autista que se organiza em torno da música, seu interesse específico e a enorme melhora de qualidade de vida, sem deixar de ser autista. A música para Lorenzo não é puro deleite. Ela desempenha uma função estruturante. O filme é a história de um encontro bem sucedido entre Lorenzo, uma musicoterapeuta e um músico que souberam escutá-lo e respeitar sua singularidade, seu tempo, sem a forçagem de treinamentos de comportamento visando uma suposta normalidade”.

De acordo com o relatório do CDC (Centers for Diseases Control and Prevention), dos Estados Unidos, publicado em março de 2023, 1 em cada 36 crianças aos 8 anos de idade é diagnosticada com TEA. Fazendo um comparativo com a população brasileira (estimada em 203.080.756, segundo o Censo 2022 do IBGE), calcula-se que o número de pessoas com o transtorno no país chegue a 5.641.132. Esse número representa um aumento de 22% em relação ao estudo anterior, feito em 2018.

A EQUIPE

O DIRETOR - ANDRÉ LUIZ OLIVEIRA

Cineasta, músico, roteirista, realizou curtas, médias e longas-metragens, além de shows musicais e trilhas sonoras para filmes. Em 1969, dirigiu o primeiro longa “Meteorango Kid - O Herói Intergalático”, ícone do "cinema marginal", que participou de vários festivais internacionais. Os longas “A Lenda de Ubirajara”, de 1974, e “Louco por Cinema”, de 1994, ganharam vários prêmios e viajaram pelo mundo. Em 2009, lança o doc/ficção “Sagrado Segredo”. A partir 2009, inicia um ciclo de documentários: “Cozinheiro do Tempo – Bené Fonteles” (2009), “Mário Cravo, O Ferreiro de Exu” (2012), “Zirig Dum Brasília – A Arte e o sonho de Renato Matos” (2014). Com “O Outro lado da Memória” (2018), em parceria com Rama de Oliveira, e “Mito e Música – A Mensagem de Fernando Pessoa” (2019), conquista diversos prêmios no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Ambos os filmes foram licenciados pelo Canal Brasil. Em 2020, lança a ficção “Ecos do Silêncio” e em 2023 chega com o documentário “Meu amigo Lorenzo”. André é da Bahia e vive em Brasília desde 1991.

A MUSICOTERAPEUTA – CLARISSE PRESTES

Licenciada em Educação Artística com Habilitação em Música, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Clarisse é Pós-graduada em musicoterapia pela FEPECS, através do Instituto Vida Una em 2007. Especializada em TEA – Transtorno do Espectro do Autismo e outros transtornos do desenvolvimento, tem participado de diversos congressos no Brasil e em outros países, sempre abordando a temática do Autismo. Clarisse é do Rio Grande do Sul e mora em Brasília desde 1990.

A PRODUTORA - CARINA BINI

Produtora e diretora de cinema, formada em Jornalismo pela UEL-PR. Em 1998, estudou cinema na Índia; em 2011, estudou roteiro no Centro Sperimentale di Cinematografia – Roma. Produziu o longa premiado “Mito e Música – A Mensagem de Fernando Pessoa”, de André Luiz Oliveira e Rama de Oliveira. Em fase de montagem do seu primeiro longa, prepara as filmagens da série “As Pajés”. Realiza o Festival Internacional Cinema e Transcendência há 10 anos. Carina é do Paraná e mora em Brasília desde 2005.


SERVIÇO

Local: Cine Cultura Liberty Mall (SCN Quadra 2, Bloco D, Asa Norte)

Estreia: 2 de abril de 2024

Horário: 19h

Em cartaz no mesmo cinema a partir de 04 de abril de 2024

Ingressos no local

SITE: www.meuamigolorenzo.com.br

Nenhum comentário:

CineSesc de 25.04 a 1.05

                                                                   La Chimera e Dorival Caymmi são destaques no CineSesc   A semana conta co...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba