Crítica Filme "Bob Marley: One Love" por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira o aguardado filme “Bob Marley: One Love” dirigido pelo cineasta Reinaldo Marcus Green, que tem em seu currículo filmes como “King Richard: Criando Campeãs” e “Joe Bell”.

A cinebiografia conta a história de Robert Nesta Marley, mais conhecido como Bob Marley, cantor e compositor jamaicano, grande ícone do reggae.

Bob Marley é o mais conhecido músico de reggae de todos os tempos, ficou famoso por popularizar internacionalmente o gênero. Já vendeu mais de 75 milhões de discos e, em 1978, três anos antes de sua morte, foi condecorado pela ONU com a "Medalha da Paz do Terceiro Mundo".

O filme relembra os importantes feitos do cantor para seu país, assim como as dificuldades que sua família e conhecidos passaram.

Bob Marley (Kingsley Ben-Adir) ficou conhecido por sua pregação pela paz, do amor e da fé rastafári. Com o reggae, ultrapassou fronteiras e o sucesso foi imenso. Mas mesmo famoso, a violência em seu país era uma realidade e chegou até ele e sua esposa Rita (Lashana Lynch).

Após um atentado, ele sai do país, mas no ano seguinte o cantor icônico decide voltar, pelo povo, em missão de paz, para a Jamaica.

O diretor Reinaldo Marcus Green fez um filme que homenageia o cantor, sua família e os fãs. Contando uma história não linear, mas, extremamente fácil de ser entendida.

O elenco está ótimo, super orgânico e com destaque para Kingsley Ben-Adir que se entrega ao papel, com trejeitos e danças idênticos ao de Bob Marley.

E destaco também a atuação da atriz Lashana Lynch (A Mulher Rei) que interpreta a esposa do cantor, com uma postura firme, e uma interpretação sólida.

Por mais que a gente conheça a história do Bob Marley e saiba como ele morreu cedo, tem muitas coisas no filme, que são pessoais, que são de bastidores, e é muito bom saber.

A família de Marley, investiu na produção do longa e com certeza no processo de relato da história do músico, e por isso também, a história se torna mais instigante.

O longa mostra, como Bob Marley era um ativista da paz, do amor, do respeito às pessoas, às suas religiões. Como ele sonhava com um mundo igualitário, onde todos respeitassem todos, e conseguiu passar essa mensagem para todo o planeta, e que até hoje suas palavras, suas letras e suas canções reverberam pelo mundo, como uma suave mensagem de esperança.

Sobre a trilha sonora, fica meio óbvio falar, mas, vou falar assim mesmo, ela é fantástica, embala o corpo, a mente e o coração. E quando os grandes shows são mostrados, fica ainda melhor.

“Bob Marley: One Love” é um filme que você deve assistir, e principalmente na telona, para ter uma experiência muito maior, com essa história de música e humanidade. Recomendo muito.

Nenhum comentário:

CineSesc de 25.04 a 1.05

                                                                   La Chimera e Dorival Caymmi são destaques no CineSesc   A semana conta co...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba