Crítica Filme "Priscilla" por Rita Vaz.

Estreia nesta quinta-feira o drama “Priscilla”, dirigido pela cineasta Sofia Coppola (“Maria Antonieta”, “O Estranho Que Nós Amamos”, entre outros.

Com um grande elenco e atuações de peso, o filme foca na personagem título, que está em quase todas as cenas do longa.

Priscilla é um filme biográfico dirigido por Sofia Coppola que conta a história do relacionamento de um dos casais mais famosos do mundo: Elvis e Priscilla Presley.

Baseado no livro “Elvis e Eu”, escrito por Priscilla, e protagonizado por Cailee Spaeny (Maus Momentos no Hotel Royale, Círculo de Fogo: A Revolta) e Jacob Elordi (Euphoria, A Barraca do Beijo), o filme segue o ponto de vista de Priscilla após conhecer o astro do rock em uma festa, quando ela ainda era apenas uma adolescente.

Quando Priscilla conhece Elvis, em uma base militar alemã, ele já era o superstar do rock, mundialmente conhecido, e ela era uma menina, que tinha um pai militar, e uma vida de obediência.

A paixão entre os dois acontece rapidamente, tornando-os, melhores amigos e melhores companheiros, fazendo com que a saudade não tivesse limite.

Mas, essa mesma paixão que, inicialmente, era formada por parceria e vulnerabilidade logo toma um rumo conturbado quando o cantor começa a mostrar um lado diferente daquele venerado nos palcos.

Nós conhecemos, a partir do olhar de Priscilla, um novo ângulo, o lado invisível do grande mito norte-americano durante o namoro e o casamento dos dois.

A diretora Sofia Coppola consegue imprimir uma tônica bastante claustrofóbica de Priscilla, colocando-a em um lugar de comando e obediência, desde seu pai militar, até seu esposo controlador.

Pois é, descobrimos que Elvis Presley era um machista de primeira, um grande opressor e um baita ditador. Priscilla ia e vinha, conforme o que ele determinava, usava roupas que ele escolhia e muito mais.

É bastante interessante conhecer um outro lado da lenda, aquela parte dos bastidores que poucos conhecem. É muito bom também, para que as pessoas, cada vez mais, aprendam a separar a pessoa do dia a dia, com a pessoa do palco. Mais ou menos assim, distinguir a pessoa física, da jurídica.

A direção de arte está espetacular, trazendo à vista momentos importantes da história, com um grande realismo. São roupas, penteados, decorações de tirar o fôlego.

A trilha sonora passa por um momento distinto, pois, não insere músicas de Elvis Presley, somente outras.

Então, se você é fã de cinema, de música, e principalmente do casal Priscila e Elvis Presley, não pode deixar de assistir a esse filme, que é esclarecedor em diversas formas.

“Priscilla” é um ótimo filme, que merece ser assistido por você.

 

 

Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba