Crítica Filme "Minha Irmã e Eu" por Rita Vaz.

Estreia nesta quinta-feira o longa “Minha Irmã e Eu” dirigido pela cineasta Susana Garcia (“Os Homens são de Marte, e é Prá lá Que eu Vou”, “Minha Mãe é Uma Peça 3”).

Na história conhecemos as irmãs Mirian (Ingrid Guimarães) e Mirelly (Tatá Werneck) que nasceram em Rio Verde, no interior de Goiás.

Elas não realizaram o sonho da mãe, Dona Márcia (Arlete Salles), de se tornarem uma dupla sertaneja e, além de terem seguido caminhos opostos, vivem em pé de guerra.

Mirian se casou, nunca saiu de sua cidade, e é acostumada à rotina do interior.

Já Mirelly partiu para o Rio de Janeiro e aparece nas redes sociais, como alguém de muito sucesso, que tem amigos famosos, mas, não, é pura enganação, na verdade ela passa por muitos perrengues

Acontece que quando Dona Márcia desaparece, depois de presenciar uma briga entre as duas filhas, elas têm que deixar de lado as diferenças e se unir para procurá-la, numa viagem que pode mudar suas vidas.

A diretora Susana Garcia que tem em seu currículo comédias de grande sucesso, entrega um filme coeso, com começo meio e fim, com lições de vida e principalmente engraçado.

O elenco reúne atores e atrizes que são destaques no gênero e acertam a mão nessa história, que além de engraçada, provoca muitas outras emoções.  

Obviamente que Ingrid Guimarães e Tatá Werneck são os grandes destaques do longa. Só por serem quem são, já fazem o espectador ficar ansioso pela história. E já adianto, elas entregam muito.

O elenco também conta com algumas participações super especiais, como Lázaro Ramos, Taís Araújo, Iza, Chitãozinho e Xororó, que interpretam a si mesmos e interferem no rumo da história.

“Minha Irmã e Eu” conta uma história interessante desde o seu mote, justamente por falar de irmãs, uma relação tão forte de amor, mas, que tem seus perrengues também, e isso é mostrado no filme de uma maneira muito passível de acontecer.

Claro, que com essas duas em cena, não poderíamos deixar de ver, cenas quase impossíveis de acontecer, exatamente o oposto do comentário logo acima, mas, são exatamente por elas, que a história cresce e conquista a plateia.

“Minha Irmã e Eu” além de proporcionar muitas gargalhas, possibilita ao espectador a oportunidade de pensar na vida com mais leveza e com mais respeito ao próximo.

Quer se divertir e se emocionar? Vai assistir “Minha Irmã e Eu”, em todos os cinemas desse país.

 

 

 

Nenhum comentário:

Canal Brasil reexibe episódios de "O Papel da Vida", conduzidos por Marina Person

“ O Papel da Vida ”, programa apresentado por Marina Person durante 2 anos no Canal Brasil, terá alguns episódios reprisados a partir de seg...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba