Crítica Filme "Pobres Criaturas" por Rita Vaz.

Estreia nesta quinta-feira o aguardado filme “Pobres Criaturas” com direção do cineasta Yorgos Lanthimos (“A Favorita”, “O Lagosta”, “O Sacrifício do Cervo Sagrado”) entre outros.

Conhecido por dirigir histórias perturbadoras, Lanthimos, mais uma vez e com maestria nos apresenta um conto fantástico, porém, cheio de verdades.

No longa baseado no livro homônimo de Alasdair Grey e referenciando o clássico Frankstein, conhecemos Bella Baxter e seu mundo idealizado ou ideal.

A história se passa na Era Vitoriana e acompanha Bella Baxter (Emma Stone), que depois de se suicidar, é trazida de volta à vida, após seu cérebro ser substituído pelo de uma criança que ainda não nasceu. (Um tanto confusa essa parte do cérebro da criança, mas, assistindo ao filme, você vai entender muito bem).

O experimento é realizado pelo doutor Godwin Baxter (Willem Dafoe), um cientista brilhante, porém nada ortodoxo.

O seu desenvolvimento é mais rápido do que o esperado e Bella, querendo conhecer mais do mundo, foge com Duncan Wedderburn (Mark Ruffalo), um advogado astuto e debochado, e viaja por diversos países.

Livre dos preconceitos de sua época, em uma viagem de autodescoberta, Bella exige igualdade e libertação.

A direção de Lanthimos é um capítulo à parte na história. São ângulos, lentes e fotografia muito diferentes das usuais, nos proporcionando um verdadeiro deleite visual.

O elenco é estelar em um nível altíssimo. Emma Stone aparece muito confortável no papel dessa personagem que não tem preconceitos, é livre e não julga.

Willem Dafoe está estupendo fazendo o médico brilhante e louco ao mesmo tempo, com uma maquiagem genial, e Mark Ruffallo está ótimo no papel do advogado, que vai do céu ao inferno, nas mãos de Bella.

Além de Stone, Dafoe e Ruffalo, o elenco também conta com Jerrod Carmichael, Ramy Youssef, Christopher Abbott, Margaret Qualley, Kathryn Hunter, Suzy Bemba e Wayne Brett.

O figurino também merece destaque, pois é extremamente envolvente, retratando muito dos personagens em suas cores e formas.

“Pobres Criaturas” é para mim, um verdadeiro tratado sobre a história da mulher, condensado em meses da vida de Bella. Ele fala de feminismo, de feminilidade liberta, de machismo, de liberdade parcial, de liberdade que interessa até certo ponto, e muitas outras questões da sociedade, que insiste em colocar travas em pessoas e situações, para poder controlar.

São diversos diálogos que empolgam a plateia, pelo simples fato de serem coesos e sem correntes, a personagem contesta tudo o que para ela, logicamente é natural. Genial!

O filme é grandioso em vários sentidos, ele é para maiores de dezoito anos, tem muitas cenas de sexo não explícito, tem violência física e psicológica, e fala de liberdade a partir de um ponto de vista único.

“Pobres Criaturas” é um filme que você tem que assistir, porque é certo, que você vai ficar pensando nele durante bastante tempo, vai querer conversar sobre ele, e vai repensar algumas coisas também.

O longa é empolgante, satírico, estranho e muito bom de se ver.

Além de ser um grande filme, cinematograficamente falando, é uma baita aula de história das regras impostas pela sociedade. Super recomendo!

Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba