“Luz nos Trópicos”, de Paula Gaitán, chega aos cinemas

A aclamada cineasta Paula Gaitán lança seu longa-metragem "Luz nos Trópicos" nos cinemas comerciais de todo o Brasil, após uma ampla jornada em festivais, que começou no 70º Berlinale Forum e percorreu inúmeros outros no exterior e no Brasil, dentre eles o 9º Olhar de Cinema - onde levou prêmio de Melhor Filme. 

O filme estreia em São Paulo dia 20 de julho, com sessões no IMS - Paulista, depois segue em turnê por todo o Brasil em cidades como Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre entre outras.

"Luz nos Trópicos", considerado o auge de uma jornada pessoal e criativa, apresenta diferentes linhas do tempo, entrelaçadas pela cosmologia indígena, diários de viagem e literatura antropológica.

Um projeto de magnitude épica, com pouco mais de 4 horas de duração, o lançamento da Descoloniza Filmes prevê sessões especiais em diversas cidades brasileiras. A turnê de lançamento começa dia 15, com uma sessão especial no Cine Marquise em São Paulo. A partir do dia 21 ele entra em cartaz no IMS - Paulista e depois viaja pelo Brasil, com sessões que contarão com a presença da diretora.  

Trata-se de um filme navegante, como um rio sinuoso. Um testemunho da rica vegetação das Américas e das populações nativas do continente, uma fusão intrincada de narrativas e estéticas, reforçando o talento de Gaitán como uma artista multidisciplinar, que rompe barreiras entre gêneros e alarga as fronteiras da percepção cinematográfica.

“A viagem fluvial foi inspirada pela expedição Langsdorff que refizemos parcialmente em 2018, muito menos ambiciosa que a expedição original. A grande inspiração para esse desafio, que é predominante na minha visão em 'Luz nos Trópicos', é a visão indígena, encarnada no personagem central do filme, Igor (Begê Muniz), que vai ao reencontro de seu povo, atravessa um continente congelado para retornar à sua aldeia localizada no Alto Xingu, na nação Kuikuro”, explica a diretora. 

A partir de uma perspectiva latino-americana, a obra propõe uma discussão entre a luz européia, representada na história da arte, e a luz tropical, manifestada pelas culturas nativas. Em suma, é uma representação bastante complexa e intrincada do embate entre visões de mundo completamente diferentes. 

Com uma carreira artística e cinematográfica de fôlego, Gaitán consolidou-se como uma das mais importantes cineastas contemporâneas em atividade. Sua obra desafia a linguagem do cinema, não apenas como uma expressão da realidade, mas como um veículo para se conectar com o sensorial. 

"É um projeto que tem sua origem em 2003, de volta ao Brasil depois de alguns anos na Colômbia, minha primeira pátria", diz Paula. "Luz nos Trópicos se impregna desde o início de uma experiência pessoal, um projeto errante a partir de uma vida errante, como a minha, em constante deslocamento, em busca desse lugar de pertença tanto geográfica quanto esteticamente.", complementa. 

Em "Luz dos Trópicos”, Gaitán explora a relação entre seu olhar e o que é observado, servindo seu próprio fluxo de imaginação em relação ao mundo que a rodeia. Para o público é uma oportunidade única de apreciar o filme em tela grande e vivenciar o êxtase cinematográfico proporcionado pelo trabalho de Gaitán. 


Ficha Técnica

Brasil | 2020 | Ficção | 260 min. 

Direção, roteiro e montagem

Paula Gaitán

Direção de fotografia

Pedro Urano

Elenco: Carloto Cotta, Clara Choveaux, Begê Muniz, Kanu Kuikuro, Maíra Senise, Arrigo Barnabé, Vincenzo Amato, Daniel Passi, Erik Martincues, Nilton Amazonas, John Scott-Richardson, Jack Manley, Vitor Aurape Peruare, Carolina Virgüez, Paulo Nazareth 

Sinopse: Em Luz nos trópicos, a cineasta Paula Gaitán tece uma densa estrutura de histórias e linhas do tempo, enredada por cosmogonias indígenas, cadernos de viagem e literatura antropológica. O filme é um tributo à abundante vegetação das Américas e às populações nativas do continente. Um filme de navegação livre como um rio sinuoso. 


Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba