A NOITE DO DIA 12 estreia hoje, 12 DE JULHO, nos cinemas

 


Conhecido por suas comédias, como “Harry Chegou Para Ajudar”, o cineasta Dominik Moll está num outro registro no premiado A NOITE DO DIA 12, que combina suspense e policial sobre um investigador tentando desvendar um caso complicado do assassinato de uma mulher. Com distribuição da Pandora Filmes, o longa, que recebe pôster e trailer oficiais, chega aos cinemas brasileiros a partir de hoje, quarta-feira, 12 de julho, estratégia para acompanhar o fatídico número 12. O filme poderá ser assistido nas seguintes praças: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Niterói, Porto Alegre, Recife, Salvador e Vitória.

Yohan (Bastien Bouillon) é um detetive de polícia obcecado pela morte de Clara, e o que começa como uma investigação da vida da vítima, se torna um caso que ele não consegue abandonar. Um interrogatório evoca outro, há vários suspeitos e muitas dúvidas. Mas uma coisa é certa, o crime aconteceu na noite do dia 12.

Na principal premiação do cinema francês, o César, A NOITE DO DIA 12 ganhou seis prêmios, entre eles Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator Coadjuvante (para Bouli Lanners), além de receber outras quatro indicações.

Moll conta que partiu do livro da francesa Pauline Guéna, que acompanhou por um ano uma equipe de polícia em Versalhes que investiga crimes diversos, mas optou por adaptar para o filme apenas um dos casos. “Ela conta esse caso de uma jovem que foi incendiada a caminho de casa, e se tornou a obsessão de um dos detetives. Confesso que hesitei pela natureza sórdida do crime, mas após ler algumas páginas, a história começou a me assombrar, como assombra ao investigador.”

Nesse sentido, ele explica que uma das questões centrais do longa é a relação entre homens e mulheres, e isso já estava na obra da escritora Guéna após sua experiência e pesquisa em campo com a polícia. “Não é exatamente um ponto da obra dela, mas o fato de ela ser uma mulher observando homens trabalhando. Isso é um fator que se impôs a nós. E muitos casos são de feminicídio, violência de homens contra mulheres.”

Nota-se que casos sem solução é o que chama a atenção de Moll e Gilles Marchand, que assinam o roteiro do longa. Marchand, que fez uma série sobre um crime não resolvido, sabia que a verdade era um ponto central para a construção da narrativa. “Geralmente, filmes desse gênero começam com um assassinato e terminam com a revelação do assassino. E não era isso que eu queria, o que me perseguia nessa história era o mistério”, conta o diretor.

Em meio a tantos personagens masculinos, entre policiais e suspeitos, Moll confessa que criar figuras femininas fortes era importantíssimo. “Há a Clara, obviamente, a vítima cuja figura marca todo o filme, e também a melhor amiga dela Nanie, interpretada por Pauline Serieys, que leva o filme a outro lugar.”

Para fazer A NOITE DO DIA 12, além do trabalho da polícia descrito por Guéna, em seu livro, Moll contou com o apoio da polícia de Grenoble, que permitiu ao cineasta uma imersão nesse mundo, vendo de perto como eles trabalham. “Passar um tempo com eles me permitiu ser mais preciso e verdadeiro no tom do filme, conseguindo assim evitar uma espetacularização falsa do trabalho ou a busca por artificialismos. Isso me permitiu estar mais próximo do lado humano, o desconforto e a paixão que pode guiar os investigadores.”

Em sua equipa artística, A NOITE DO DIA 12 conta com o diretor de fotografia Patrick Ghiringhelli (“Geronimo”), o compositor Olivier Marguerit (“Garoto Chiffon”) e o desenhista de produção Michel Barthélémy (“O Profeta”). A produção é assinada por Caroline Benjo (“O Lagosta”), Barbara Letelliez (“Entre os Muros da Escola”), Carole Scotta (“A Chiara”) e Simon Arnal (“Coco Antes de Chanel”).

Sinopse
Diz-se que todo investigador tem um crime que o persegue, um caso que o machuca mais do que os outros, sem que ele necessariamente saiba o porquê. Para Yohan, esse caso é o assassinato de Clara.

Ficha Técnica
Direção:
 Dominik Moll
Roteiro: Gilles Marchand e Dominik Moll, inspirado no livro de Pauline Guéna
Produção: Caroline Benjo, Barbara Letelliez, Carole Scotta, Simon Arnal
Elenco: Bastien Bouillon, Bouli Lanners, Anouk Grinberg, Pauline Serieys
Direção de Fotografia: Patrick Ghiringhelli   
Desenho de Produção: Michel Barthélémy    
Trilha Sonora: Olivier Marguerit
Montagem: Laurent Rouan
Gênero: drama, suspense, policial
País: Bélgica, França
Ano: 2022
Duração: 115 minutos

Nenhum comentário:

Expocine 2024, a maior feira de negócios da indústria cinematográfica na América Latina, está com inscrições abertas

A Expocine, considerada a maior convenção latino-americana da indústria do cinema e do audiovisual, já iniciou o credenciamento para a sua d...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba