Crítica Filme "Três Mulheres - Uma Esperança", por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira, o ótimo filme "Três Mulheres - Uma Esperança", sob a batuta da diretora holandesa Saskia Diesing.

Inspirado em fatos reais, o longa se passa na Alemanha de 1945, nos dias finais da Segunda Grande Guerra, onde as pessoas envolvidas, de uma maneira ou de outra, encontravam-se perdidas, emocionalmente e geograficamente.

Na trama, soldados alemães abandonam um trem de deportação com centenas de prisioneiros judeus holandeses, que acaba ficando preso próximo a uma pequena aldeia, controlada pelo governo russo.

Uma das prisioneiras, Simone (Hanna van Vliet) consegue escapar e vai até a aldeia com seu companheiro Isaac (Bram Suijker), na tentativa de sobrevivência à fome.

Lá, ela conhece Winnie (Anna Bachmann), uma jovem alemã, que presencia a morte da mãe, e Vera (Eugénie Anselin), uma sniper russa, extremamente competente.

Apesar de estarem separadas pelo conflito, as três mulheres são unidas pela coragem, iniciando uma amizade inesperada.

Uma história como essa, do meu ponto de vista, só poderia ser dirigida por uma mulher, pois, as vivências femininas nessa história são gigantes, e muito bem colocadas em cena.

Existem histórias que não podemos imaginar, pelo simples fato de nunca termos passado por algo, se quer semelhante, "Três Mulheres - Uma Esperança" é uma dessas.

Apesar de um conflito (hediondo) mundial estar acontecendo, e de seus países de origem, lutarem entre si, a busca, das três, pela sobrevivência individual fala mais alto.

Elas fazem conexões conexões, nunca antes imaginadas, acontecerem e inclusive acabam se fortalecendo, sendo uma aliada da outra em situações adversas.

"Três Mulheres - Uma Esperança" é um filme intenso, necessário de ser visto por todos, pelo seu conteúdo, pelo seu relato de história e pelo seu chamado, de que nunca mais, algo parecido aconteça.

Recomendo!

Título Original: The Lost Transport

Direção: Saskia Diesing

Roteiro: Saskia Diesing, Esther Gerritsen

Elenco: Hanna van Vliet, Eugénie Anselin, Anna Bachmann, Bram Suijker, Konstantin Frolov, Frieda Barnhard, Billy de Walle, Nicolas Lech, Oscar Martin, Richard Kreutz

Distribuição: A2 Filmes

Um comentário:

João Raphael disse...

Parabéns pela descrição do filme, um olhar profundo sobre os detalhes que nos são apresentados na tela.
Sorte que temos Rita Vaz para nos indicar tão bons filmes.

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba