Festival VOLTA AO MUNDO: MACEDÔNIA DO NORTE com 7 filmes inéditos no Brasil

Entre os dias 10 e 23 de março, acontece no À La Carte o Festival “Volta ao Mundo: Macedônia do Norte”, com sete filmes produzidos entre 2017 e 2020, todos inéditos no Brasil. A mostra, realizada em parceria com a North Macedonia Film Agency,  estará disponível para assinantes do streaming.


A Macedônia do Norte destaca-se como dona de uma das cinematografias mais antigas do mundo. Segundo os historiadores, os primeiros registros cinematográficos macedônios aconteceram em 1905, pelos irmãos Milton e Janaki Manaki. Mas, esse pioneirismo não floresceu como se esperava. 

O motivo da estagnação do cinema macedônio foi a guerra civil, na década de 1920, que causou uma devastação generalizada. Com isso, foram poucos os cineastas que seguiram em frente. Somente a partir dos anos 30 a produção local voltou a engatinhar, mas o primeiro longa-metragem macedônio, "Frosina", de Vojislav Nanovic, só foi produzido em 1952, e o primeiro filme colorido, "Miss Stone", de Zivorad 'Zika' Mitrovic, só veio seis anos depois. Em 2005, "Bal-Kan-Kan", longa dirigido por Darko Mitrevski, entrou para a história como o filme macedônio de maior público dentro de seu país, sendo visto por mais de 500.000 pessoas no seu ano de lançamento.

Raridade nos cinemas brasileiros, em 2019, o cinema macedônio chegou às nossas telas através do belo e emocionante “Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia”, da diretora Teona Strugar Mitevska, premiado no Festival de Berlim, e já disponível no À La Carte. Bem anterior a este filme, outro cult mundialmente conhecido, é “Antes da Chuva”, de 1994, dirigido por Milcho Manchevski, primeiro filme da Macedônia do Norte a concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, categoria hoje chamada de Melhor Filme Internacional. 

Em 2020, o cinema macedônio chegou ao Oscar novamente, desta vez com o documentário “Honeyland”, de Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov, indicado em duas categorias, de Melhor Documentário e de Melhor Filme Internacional.

Mas, o que o Festival “Volta ao Mundo: Macedônia do Norte” traz ao À La Carte é bem mais raro do que tudo o que foi citado acima. A seleção reúne sete filmes inéditos, sendo três curtas-metragens, um média e três longas, entre eles comédias, dramas e documentários, com participações e premiações em importantes festivais internacionais.

Filmes selecionados:
– “Todos Nós Vamos Morrer” (We All Going to Die) é um curta documentário de Sashko Potter Micevski, segundo trabalho dele como diretor. Ele é também um renomado técnico de som, e nesse ofício já trabalhou em várias produções de Hollywood, como "Mogli: Entre Dois Mundos" (2018) e "Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald" (2018).

– “Snake”, de Andrej I. Volkashin, curta vencedor do prêmio de Melhor Filme no Festival Internacional de Cinema Queer Merlinka 2020, um festival anual de cinema LGBT organizado Belgrado, Sarajevo e Podgorica. O diretor e roteirista Andrej I. Volkashin é conhecido pelos curtas-metragens "Kolivo" (2017), "Fikus" (2018) e "Zmija", premiados internacionalmente. Recentemente ele realizou seu primeiro longa "New Queer Visions: The Last Days of Innocence" (2021).

– “Sticker”, de Georgi M. Unkovski, curta selecionado para mais de 70 festivais internacionais, vencedor de 30 prêmios, incluindo Melhor Filme no Manhattan Short Film Festival; Grande Prêmio do Júri no Nashville Film Festival; e Melhor Curta Estrangeiro, Melhor Diretor e Melhor Produção no Prague International Indie Film Festival. Este é o segundo curta-metragem dirigido por Georgi M. Unkovski.

– “Consumo Contemporâneo” (Consuming Contemporary), um média-metragem documentário, terceiro trabalho de Ana Aleksovska como diretora, selecionado para a sessão World Showcase Shorts do Hot Docs Festival Online 2020. A diretora estudou cinema e literatura na Macedônia do Norte, França e República Tcheca. Seu primeiro curta, "Alarm", ganhou a medalha de prata no festival internacional UNICA em Ruse, na Bulgária, e foi projetado em dezenas de festivais ao redor do mundo. O roteiro de “Consumo Contemporâneo" foi desenvolvido em um workshop durante o Beldkos International Film Festival, em Belgrado, na Sérvia. No momento, ela está trabalhando em seu próximo projeto e nos seus estudos de pós-graduação em Paris, França.

– “Willow”, do diretor Milcho Manchevski (o mesmo de “Antes da Chuva”), foi o longa representante oficial da Macedônia do Norte para o Oscar 2021 de Melhor Longa-Metragem Internacional. Vencedor do prêmio de Melhor Direção na Mostra de València-Cinema del Mediterrani e Raindance Film Festival (Londres), e de Melhor Filme no Stony Brook Film Festival (Nova York). A pesquisa para o filme exigia um aprofundamento no estilo de vida do camponês macedônio do século 16, e conhecimento de procedimentos in vitro e do autismo potencial em crianças. Para isso, seis consultores externos trabalharam na produção e, além disso, o diretor passou um ano consultando fontes históricas para a primeira parte da história.

– “O Ingrediente Secreto” (Secret Ingredient), comédia de Gjorce Stavreski, longa selecionado pela Macedônia do Norte para representar o País no Oscar 2019 de Melhor Filme Estrangeiro. Filme vencedor do Prêmio Especial de Roteiro no 17º Festival de Cinema Mediterrâneo de Bruxelas. Segundo longa-metragem dirigido por Gjorce Stavreski.

– “O Efeito Felicidade” (The Happiness Effect), segundo longa de Borjan Zafirovski, foi o filme de abertura do Cinedays European Film Festival 2019. Vencedor do prêmio de Melhor Filme no Balkan Film Food Festival.

Nenhum comentário:

Crítica Filme “Minions 2: A Origem de Gru” por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira, uma das animações mais esperadas do ano. “Minions 2: A Origem de Gru”, dirigida por Kyle Balda (Meu Malvado Favo...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba