8º PANORAMA DIGITAL DO CINEMA SUÍÇO TRAZ LONGAS PREMIADOS NA PROGRAMAÇÃO

 

Evento exibe on-line e gratuitamente filmes contemplados em diversos festivais de cinema do mundo

Em todas as suas edições, o PANORAMA DO CINEMA SUÍÇO traz um recorte da produção recente do audiovisual daquele país para apresentar ao público brasileiro. A curadoria, que nessa 8ª edição é assinada por Célia Gambini, adida cultural do Consulado Geral da Suíça em São Paulo, juntamente com Cecília de Nichile, assistente de Cinema do Sesc São Paulo e com Monika Füger, adida cultural do Consulado Geral da Suíça no Rio de Janeiro, fez a seleção de filmes durante as  Journées de Soleure/Jornadas de Soleure (Soleure/Suíça), principal festival de cinema dedicado totalmente a cinematografia suíça, que aconteceu no início do ano, em sua 55ª edição .  

Pela primeira vez totalmente digital, com filmes exibidos na plataforma Sesc Digial, o 8º PANORAMA DIGITAL DO CINEMA SUÍÇO traz nove longas premiados não só na Europa, mas também em outras regiões do mundo. Além desses, a programação conta ainda com outros cinco títulos e dois programas de curtas, todos bastante reconhecidos mundialmente. O festival é uma realização do Consulado da Suíça em São Paulo e do Sesc São Paulo, em parceria com a agência de cinema SWISS FILMS e apoio das Journées de Soleure, e acontece entre 27 de agosto e 6 de setembro 2020.           

Entre os longas, destaque para dois filmes dirigidos por Alain Tanner, um dos homenageados desta edição. "Charles morto ou vivo", de 1969, vencedor do Leopardo de Ouro no Festival de Locarno de 1969, do Grand Prix do San Antonio Film Festival (Estados Unidos, 1970) e o Globe d’argent do Milan Film Festival (Itália, 1971), é um deles. O longa é um dos filmes que colocou a Suíça no mapa do cinema mundial e inaugurou o que a crítica batizou de “novo cinema suíço”. 

Além dele, haverá a exibição de "A Cidade Branca” que faturou o Prêmio César de Melhor Filme Francófono de 1984, o Óscar do cinema francês, e, no mesmo ano, ganhou como melhor filme estrangeiro do Fotogramas de Plata (Espanha) e conta com Bruno Ganz, como protagonista, falecido em 2019, a quem o festival também presta tributo, que dentre outros recebeu o Prêmio Europeu pelo conjunto da sua obra em 2010 e o Prêmio do Cinema Suíço de melhor ator em 2017 e 2001.  

“Madame”, dirigido por Stéphane Riethauser, é um dos títulos com maior número de premiações. O documentário de 2019 fala sobre a questão de gênero e tem em seu currículo o Prêmio do Júri e Prêmio do Público de Melhor Filme Queer - International Queer Film Festival (Porto/Portugal, 2020), Prêmio do Júri de Melhor Longa-metragem do Documenta Madrid (Espanha, 2020), Prêmio do Público de Melhor Documentário do Escales Documentaires (França, 2020), o Prêmio Especial do Júri do Buenos Aires International Documentary Film Festival (Argentina, 2020), além do Prêmio do Júri e  de Público de Melhor Documentário do Image + Nation Film LGBTQUEER Montreal (Canadá, 2020). 

Outro longa premiado é do diretor franco-suíço Basil da Cunha, “O Fim do Mundo”, que se passa em Lisboa e conta a história de Spira, jovem de 18 anos que retorna ao local onde nasceu depois de 8 anos em um reformatório. O filme participou de diversos festivais, inclusive da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo de 2019 e ganhou os prêmios de Melhor Fotografia no Les Arcs Film Festival (França, 2019), Melhor Longa da Semana Internacional de Cine de Valladolid (Espanha, 2019) e Melhor Fotografia do Swiss Film Award (2020).  

"Bruno Manser - A Voz da Floresta”, ficção dirigida por Niklaus Hilber, foi agraciada pela crítica na Suíça, levando o Swiss Film Award de Melhor Ator, em 2020, e o Science Film Award do Zurich Film Festival (Suíça), em 2019. Outros dois filmes premiados na Suíça foram: “O Vento Muda”, de Bettina Obrei, que levou o Variety Piazza Grande Award do Festival de Locarno, em 2018; e “A Jornada”, de Fanny Bräuning, que levou o Swiss Film Award 2020 de melhor documentário. 

Delphine Lehericey diretora de “No Meio do Horizonte”, levou o Swiss Film Award 2020 de melhor ficção e roteiro e foi agraciada com o Greenpeace Lurra Award da Sessão Novos Diretores na edição de 2019 do Festival Internacional de Cinema de San Sebastián (Espanha).  A lista de premiados do PANORAMA SUÍÇO se encerra com os filmes “Meu Primo Inglês”, documentário de Karim Sayad que fala sobre imigrantes argelinos. O longa foi premiado em 2019 com Gian Paoli Award de Melhor Filme Antropológico do Festival dei Popoli Firenze (Itália) e “Aqueles que trabalham” que ganhou o Prêmio do júri e a Menção Especial do Festival Internacional dos Direitos Humanos de Genebra/2020, além de ter sido eleito como a melhor ficção do Swiss  Film Award 2019.  

SERVIÇO:

8º Panorama Digital do Cinema Suíço

Quando: De 27 de agosto a 6 de setembro. 

Onde: Exibição na plataforma Sesc Digital www.sescsp.org.br/panoramasuico (em breve)

Link para acessar fotos dos longas: https://tinyurl.com/y4ll6c6a

Link para acessar a Identidade Visual: https://tinyurl.com/yx9lob69

Link para acessar a vinheta: https://tinyurl.com/yyfca7r8

Acesse Instagram: https://www.instagram.com/panoramasuico/

Acesse Facebook: https://www.facebook.com/panoramasuico


Nenhum comentário:

Novidades no Belas Artes À LA CARTE a partir de 28 de janeiro

  A partir de 28 de janeiro, o cardápio semanal do À La Carte traz quatro longas imperdíveis! Da Coréia do Sul apresentamos...