Crítica Filme "Brightburn – Filho das Trevas" - Rita Vaz



Você já imaginou se os super-heróis que conhecemos das histórias em quadrinhos e dos filmes, tivessem a sua moral subvertida?

E se eles, com todo o seu poder, fossem “do mal” ao invés de protegerem as pessoas, o que seria da humanidade?

Bem, é essa a premissa, superinteressante do longa “Brightburn – Filho das Trevas”.

Quando pela primeira vez li sobre esse filme, fiquei bastante empolgada com o que o diretor David Yarovesky (Guardiões da Galáxia, A Colmeia) poderia entregar aos espectadores, e acabei surpreendida com uma história prá lá de bem-feita.

Na trama conhecemos o casal Tori e Kyle, que vivem em uma região rural e por mais que queiram e tentem, não conseguem engravidar.

Em uma determinada noite, alguma coisa cai do céu no terreno deles e eles encontram lá, um bebê, que decidem cria-lo como se fosse seu filho.

Os anos passam e Brandon é um garoto normal, tem pais amorosos, estuda e sofre bullying na escola, mas é quando ele completa 12 anos que algo acontece e tudo muda.

De repente, após seu aniversário, Brandon se torna uma criança sem sentimentos, fria e descobre em si poderes que nunca tinha percebido.

O que ele quer, se torna mais importante que tudo o mais, e ele não aceita ser incomodado em suas intenções e passa por cima de quem tenta contradizê-lo.

A partir daí, a pequena cidade em que eles trabalham e estudam, começa a ser aniquilada.

O roteiro do longa é muito bem desenvolvido, tem uma história que cresce e capricha na construção do suspense e terror.

Muitas cenas são bastante reais e chegam a incomodar, mas em um bom sentido.

O elenco está ótimo no filme, com destaques para a atriz Elisabeth Banks que faz a mãe de Brandon, e entrega uma personagem crível, que apesar de todas as evidências, acredita e ama seu filho.

O destaque maior vai para o ator mirim Jackson Dunn que faz um personagem amável e amedrontado no início e logo depois entrega um verdadeiro mestre do terror.

Os efeitos especiais são um caso à parte, são muito bem feitos e de excelente qualidade, e ainda mais, foram muito bem pensados.

“Brightburn – Filho das Trevas” é um filme que pode ter algumas leituras, você pode pensar nele, como se fosse uma analogia à entrada da puberdade, ou à incerteza dos pais em relação à criação dos filhos, mas o gênero terror é o mais acertado para a leitura desta obra, que além de ser cheia de referências ao clássico filme de super-herói, é também uma obra bastante particular na qualidade de subversão de temas.

Recomendo muito este filme, principalmente para quem gosta do gênero terror e para quem é fã de histórias de superpoderes.

Título Original: Brightburn
Gênero: Terror
Duração: 1 hora e 31 minutos
Ano de Lançamento: 2019
Direção: David Yarovesky
Elenco: Elizabeth Banks, David Denman, Jackson Dunn, Stephen Blackehart, Meredith Hagner, Matt L. Jones, Gregory Alan Williams, Michael Rooker.

Nenhum comentário:

OS MELHORES ANOS DE UMA VIDA, DE CLAUDE LELOUCH, CHEGA AOS CINEMAS NO DIA 24 DE JUNHO

  OS MELHORES ANOS DE UMA VIDA,  dirigido por Claude Lelouch, estreia nos cinemas brasileiros no dia 24 de abril. O filme, que f...