“Human Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir” estreia dia 16 de novembro.


EM OUTUBRO, LONGA ABRIU A 41ª EDIÇÃO DA MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA EM SÃO PAULO

Dirigido pelo renomado artista chinês Ai Weiwei, “Human Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir” chega às salas de cinema do Brasil no dia 16 de novembro e retrata os desafios enfrentados por refugiados ao redor do mundo. O longa documental reflete a trajetória de trabalho do artista, marcada pela questão dos direitos humanos em seu país e, nos últimos anos, pela crise global dos refugiados.

No cinema e na arquitetura, Ai Weiwei ganhou reconhecimento mundial pela sua abordagem do tema, como pode ser visto na obra Hands Without Bodies (2017), que foi escolhida para estampar o pôster da edição 2017 da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

A arte do cartaz destaca a peça de mármore branco, pertencente a um conselho do Israel Museum, em Jerusalém, que traz duas mãos se unindo para simbolizar a ideia do artista de que o futuro da humanidade se encontra na força da conexão entre as pessoas. A falta disso é explorada em “Human Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir”, que foi apresentado em outubro na abertura e na programação da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

As duas obras dialogam com outras de Ai Weiwei em que ele aborda o tema, como a instalação de coletes salva-vidas nas colunas da Konzerthaus de Berlim e botes salva-vidas nas janelas do histórico Palácio Strozzi, em Florença, no ano passado; a exposição de roupas e calçados recolhidos de campos de refugiados, em uma galeria de Nova York, também em 2016; e no enorme e “lotado” barco inflável de resgate da exibição atual de Law of the Journey, na Galeria Nacional de Praga.

Com 140 minutos, a produção tem distribuição nacional Paris Filmes.
Para conferir o trailer, acesse: https://youtu.be/_jO9DqVztLQ.


Sinopse – Human Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir                                                                            
Mais de 65 milhões de pessoas em todo o mundo foram forçadas a sair de suas casas para escapar da fome, das mudanças climáticas e da guerra no maior deslocamento humano desde a Segunda Guerra Mundial. Human Flow, uma jornada épica conduzida pelo artista de renome internacional Ai Weiwei, dá uma expressão visual poderosa a esta migração humana maciça. O documentário elucida tanto a escala surpreendente da crise dos refugiados como o impacto humano profundamente pessoal. Filmado ao longo de um ano cheio de eventos em 23 países, o filme segue uma cadeia de histórias humanas urgentes que se estende por todo o mundo em países como Afeganistão, Bangladesh, França, Grécia, Alemanha, Iraque, Israel, Itália, Quênia, México e Peru. Human Flow é um testemunho de seus assuntos e sua busca desesperada de segurança, abrigo e justiça: desde os campos de refugiados até os perigosos cruzamentos oceânicos até as fronteiras de arame farpado; da deslocação e da desilusão à coragem, resistência e adaptação; da atração assombrosa de vidas deixadas para trás para o potencial desconhecido do futuro. O filme vem em um momento crucial em que a tolerância, a compaixão e a confiança são mais necessárias do que nunca. Esta obra visceral de cinema é um testemunho do inabalável espírito humano e coloca uma das questões que definirão este século: a nossa sociedade global emergirá do medo, do isolamento e do interesse próprio e escolherá um caminho de abertura, liberdade e respeito para a humanidade?

Nenhum comentário: