"Abraços Partidos" - Disponível em DVD a partir de 7 de Abril


Em um trágico acidente de carro, o cineasta Mateo Blanco (Lluís Homar) perde a visão e sua amada, Lena (Penélope Cruz). Já que não pode mais exercer sua profissão, ele passa a sobreviver com a idéia de que Mateo Blanco morreu ao lado de sua paixão e troca sua identidade para Harry Caine, um homem cuja força de trabalho está envolta no universo literário.
Quatorze anos se passaram e Caine, agora, vive graças aos roteiros que escreve com a ajuda de sua antiga e fiel diretora de produção, Judit García (Blanca Portillo), e de Diego (Tamar Novas), filho dela, que se torna secretário, datilógrafo e guia do escritor.
Inesperadamente, o jovem sofre um acidente e Harry se vê com a responsabilidade de acudi-lo. Em seus primeiros momentos de recuperação, Diego pergunta a Harry sobre a época em que respondia pelo nome de Mateo Blanco. A verdade acaba vindo à tona. E como um pai que conta uma fábula para seu filho dormir, o escritor revela a Diego toda a história do acidente.

Los Abrazos Rotos é um turbilhão de sentimentos explosivos e candentes, da fatalidade e abuso de poder à traição. Uma história emocionante e terrível cuja imagem mais expressiva é a foto de dois amantes abraçados, esfacelada em mil pedaços.

DESTAQUES E CURIOSIDADES:
A rotatória onde os atores principais tiveram um acidente de carro foi a mesma em que o artista César Manrique foi atropelado anos atrás.
O carro dirigido pela Lena e Harry Caine/MateoBlanco em Lanzarote é o mesmo carro vermelho utilizado em Volver (2006) e nas últimas cenas de “Ata-me” (1990).
Agustín Almodóvar, produtor e irmão do Pedro Almodóvar, fez uma breve participação como empregado de Ernesto Martel na cena em que Lena volta do hospital de muletas. Agustín tem breves participações em 15 de 17 filmes que Pedro Almodóvar dirigiu.
Em uma entrevista com El País em março de 2009, Pedro Almodóvar revelou que a idéias de ter um profissional de leitura labial, representado por Lola Duenãs, veio depois de ter assistido ao casamento do Príncipe e da Princesa de Astúrias, uma vez que este profissional reproduzia as palavras que o casal dizia no altar.
O diretor revelou em uma entrevista que o personagem representado por Carmem Machi foi inspirado em uma amiga, Blanca Sanchéz, que teve um relacionamento, em 1980, com um homem que era membro do ETA, um grupo de terrorista na Espanha. Sánchez serviu, também, de inspiração para a personagem Candela, representada pela María Barranco no filme "Mulheres à Beira de um Ataque Nervoso" (1988).

Nenhum comentário: