Percurso Afetivo - Tarsila


Até o dia 5 de outubro, quem quiser, pode e deve ir ao Museu Oscar Niemeyer em Curitiba para conhecer a obra de Tarsila do Amaral.
O caminho afetivo impregnado na obra de Tarsila do Amaral (1886-1973) é o foco central desta exposição.
A partir da descoberta do Diário de Viagem – da década de 1920, com desenhos e impressões das viagens que a artista fez pelo Brasil e pelo exterior, o curador Antonio Carlos Abdalla traçou o percurso da mostra e definiu a seleção a ser apresentada em Curitiba (PR).
A obra de maior destaque é “Antropofagia”, produzida em 1929. “Procissão”, de 1954, a segunda versão de “A Negra”, iniciada em 1940, e o “Estudo para A Negra”, em nanquim sobre papel, são outras importantes surpresas da mostra.
Entre as obras há também as duas gravuras em metal de “Abaporu” e “Antropofagia”, ambas sem data, mas que, segundo Abdalla, seriam posteriores às duas famosas pinturas de Tarsila. São 57 trabalhos em exibição, entre desenhos, pinturas e gravuras em metal provenientes de acervos de museus de São Paulo e Bahia e de coleções particulares de São Paulo e Rio.
Tarsila é uma figura emblemática para a compreensão do Modernismo no Brasil e de tudo o que se seguiu a ele. Formando o chamado “Grupo dos 5”, ao lado de Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Anita Malfatti e Menotti del Pecchia, a artista tem seu nome registrado na história da arte brasileira como a vanguardista.

Nenhum comentário:

Com vozes de Giovanna Antonelli e Murilo Benício, 'Amigos Imaginários' ganha novo trailer

Longa chega aos cinemas do país em 16 de maio Assista ao trailer DUBLADO AQUI Está no ar mais uma prévia do mundo de encanto que toma cont...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba