Crítica Filme "Back to Black" por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira, o filme “Back to Black” dirigido pela cineasta Sam Taylor-Wood, que tem em seu currículo longas como “O Garoto de Liverpool” e “Cinquenta Tons de Cinza”.

Nesta cinebiografia sobre a cantora Amy Winehouse (Marisa Abela), conhecemos alguns vieses particulares da vida da cantora, desde sua ascensão precoce à fama, até o lançamento de seu inovador álbum de estúdio, “Back to Black”.

Contado a partir da perspectiva de Amy, o filme traz um olhar sem apologias da mulher por trás do fenômeno, e do relacionamento que inspirou um dos álbuns mais lendários de todos os tempos.

Mesmo sabendo do final trágico e prematuro da vida da cantora, que morreu com 27 anos, e revivendo lembranças relativamente recentes de sua carreira, queremos conhecer os bastidores da história, e tentar entender por que isso aconteceu.

No filme conhecemos uma Amy passional, com tendências viciosas, em vários aspectos, como o uso de álcool, e o de relacionamentos tóxicos.

Apesar de seu foco na música, em fazer o que realmente gosta e não dar importância ao dinheiro, ela tinha comportamentos obsessivos, violentos e autodestrutivos.

Mesmo com toda essa carga emocional, ela conseguia se “segurar”, mas, foi a partir de um relacionamento tumultuado com Blake (Jack O'Connell), que ela se entregou de vez às drogas.

Logo no começo da história, ficamos sabendo através da própria Amy, que a música que ela faz, é a música que ela vive, e ela não conseguiria escrever diferentemente.

Então, percebemos ao longo da trama, que a diretora Sam Taylor-Wood, tem em suas músicas e suas tatuagens (já explico) o fio condutor do longa. Cada tatuagem que ela fazia, era uma marca, uma cicatriz de um momento importante de sua vida.

As músicas são espetaculares, e alinhadas ao longo da trama, fazem com que consigamos entende-las (as música e a própria Amy) de uma maneira muito mais simples. São músicas como “Rehab” e “Back to Black” que encantam a plateia.

A atriz Marisa Abela é o grande trunfo desse filme, ela atua e canta muitíssimo bem, tem uma presença forte em cena, dando o peso necessário para um personagem como esse. Sabemos que é até fácil, fazer uma pessoa ficar parecida com Amy Winehouse, já que ela tinha um visual muito característico, mas, são os movimentos corporais, são os gestos e as expressões faciais que foram muito bem estudadas pela atriz, que fizeram a personagem ficar tão boa.

Somente “uma coisa” me incomodou no longa, não houve um aprofundamento na responsabilidade do pai, da família e do ex-namorado sobre o que acontecia com ela. Ela vivia bêbeda, drogada, sofria de bulimia, muitas vezes ficava sozinha, e ninguém fez nada. Acredito que alguns dedos apontados seriam bem vindos na trama.

“Back to Black” é um filme que tem uma responsabilidade muito grande com os fãs da cantora, que aguardavam ansiosos por essa cinebiografia, pois, Amy está aí, na memória recente de milhões deles. E a meu ver, cumpre seu papel no tocante ao que é importante ser mostrado. Recomendo muito.

 

Nenhum comentário:

Canal Brasil reexibe episódios de "O Papel da Vida", conduzidos por Marina Person

“ O Papel da Vida ”, programa apresentado por Marina Person durante 2 anos no Canal Brasil, terá alguns episódios reprisados a partir de seg...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba