NVIDIA marca presença no 96º Oscar de Melhores Efeitos Visuais

Os indicados ao 96º Oscar de Melhores Efeitos Visuais são uma prova dos incríveis avanços tecnológicos que ultrapassam os limites do que é possível no cinema. Seja apresentando cenas de destruição colossais, sequências de ação emocionantes ou aventuras interestelares, cada indicado demonstra contribuições únicas em efeitos visuais— e todos eles usaram tecnologias de ponta da NVIDIA em seus fluxos de trabalho para trazer sua magia para a tela.

Os indicados deste ano incluem:

Criador (20th Century Studios) — Jay Cooper, Ian Comley, Andrew Roberts e Neil Corbould

Godzilla: Minus One (Toho) — Takashi Yamazaki, Kiyoko Shibuya, Masaki Takahashi e Tatsuji Nojima

Guardiões da Galáxia Vol. 3 (Estúdios Marvel) – Stephane Ceretti, Alexis Wajsbrot, Guy Williams e Theo Bialek

Napoleão (Apple Original Films/Sony Pictures) — Charley Henley, Luc-Ewen Martin-Fenouillet, Simone Coco e Neil Corbould

Missão: Impossível – Dead Reckoning Parte Um (Paramount Pictures) — Alex Wuttke, Simone Coco, Jeff Sutherland e Neil Corbould

"A tecnologia, incluindo a inteligência artificial, tem sido fundamental para o setor cinematográfico. Empresas como a NVIDIA têm contribuído significativamente, possibilitando avanços na qualidade visual das produções, eficiência na produção e pós-produção, além de abrir novas possibilidades criativas para os cineastas", afirma Marcelo Pontieri, diretor de marketing da divisão Enterprise da NVIDIA para América Latina.

Reinventando o filme do monstro

Godzilla: Minus One apresentou um desafio único: fazer com que um monstro gigante conhecido, ou kaijū, parecesse aterrorizante novamente.

Com um orçamento inferior a US$ 15 milhões, pequeno para os padrões atuais, a equipe de efeitos visuais do filme contou com iterações rápidas com o diretor para eliminar longos ciclos de revisão, juntamente com um modelo de imagens geradas por computador (CGI) altamente detalhado para dar vida a Godzilla.

Godzilla estava pronto para seu close, só a cabeça do monstro contendo mais de 200 milhões de polígonos. Os animadores injetaram comportamentos matizados e realistas na criatura para completar seu desempenho.

Além disso, as cenas de destruição do filme usaram um mecanismo de física sofisticado e com uso intensivo de memória, permitindo simulações realistas de edifícios em ruínas e paisagens sob destruição para mergulhar ainda mais o público no caos.

Um espetáculo cósmico

Guardiões da Galáxia Vol. 3 continuou a tradição da série de misturar humor com visuais cósmicos de tirar o fôlego. Esta edição inovou com o uso de renderização em tempo real, permitindo que seus artistas visualizassem ambientes espaciais complexos e personagens no set.

O filme reuniu Wētā FX, Framestore e Sony Pictures Imageworks, entre outros, para criar mais de 3.000 tomadas VFX. Os ambientes 3D densos e imersivos permitiram uma integração perfeita de elementos e personagens de ação ao vivo e CGI, resultando em uma ópera espacial visualmente deslumbrante que manteve o estilo característico da série enquanto explorava novos territórios visuais.

Uma das maiores conquistas dos Guardiões é a cena de luta no corredor filmada a 120 quadros por segundo e entregue como uma única tomada contínua com rampas de velocidade variáveis e ação ininterrupta.

Contação de histórias épicas por meio de efeitos visuais detalhados

O épico histórico Napoleão ganhou vida com atenção meticulosa aos detalhes e à escala. O filme usou várias extensões de cenário e efeitos práticos para recriar os vastos campos de batalha e a arquitetura específica de um período da Europa do início do século XIX.

A simulação avançada de multidões foi usada para representar os enormes exércitos da época de Napoleão, cada soldado animado com comportamentos individuais para aumentar o realismo das cenas de batalha. Esses toques, combinados com texturas de alta resolução e iluminação dinâmica, criaram uma narrativa visualmente atraente e baseada na realidade.

Explorando os limites da IA

O Criador explorou os temas da IA e da realidade virtual, exigindo efeitos visuais que pudessem representar de forma realista a tecnologia avançada e os mundos digitais.

O filme fez uso significativo de animação CG e efeitos visuais para criar ambientes futuristas e plausíveis. O diretor Gareth Edwards, também conhecido por Rogue One (2016) e Godzilla (2014), foi amplamente aplaudido por entregar um filme com aparência de um blockbuster caro usando uma fração do orçamento normal.

A representação de entidades de IA envolveu uma combinação de captura de movimento e animação processual para criar personagens que se moviam e interagiam com complexidade e fluidez no nível humano. A equipe de efeitos visuais desenvolveu um software personalizado para simular os intrincados padrões da consciência digital, confundindo os limites entre o virtual e o real.

Ação de alta octanagem encontra efeitos visuais de precisão

Para Missão: Impossível – Dead Reckoning Part Um, a equipe de efeitos visuais enfrentou o desafio de aprimorar as sequências de ação características do filme sem prejudicar a reputação da série em acrobacias práticas. Para conseguir isso, eles adotaram uma abordagem híbrida, usando CGI para aumentar perfeitamente os efeitos práticos.

Imagens de drones de alta velocidade integradas com elementos CG criaram cenas de perseguição de tirar o fôlego, enquanto técnicas avançadas de composição adicionaram camadas de detalhes e profundidade às explosões e cenas de combate corpo a corpo, elevando a ação do filme a novos patamares.

Nenhum comentário:

Com vozes de Giovanna Antonelli e Murilo Benício, 'Amigos Imaginários' ganha novo trailer

Longa chega aos cinemas do país em 16 de maio Assista ao trailer DUBLADO AQUI Está no ar mais uma prévia do mundo de encanto que toma cont...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba