Novo filme da cineasta Ana Rieper, "Nada Será Como Antes" entra em cartaz no dia 29 de fevereiro

NADA SERÁ COMO ANTES – A Música do Clube da Esquina estreia dia 29 de fevereiro no projeto SESSÃO VITRINE PETROBRAS.

Com direção de Ana Rieper, o documentário explora a criação do álbum CLUBE DA ESQUINA, lançado em 1972, com entrevistas de músicos, compositores e letristas que formaram o grupo nos anos 1960, em Belo Horizonte.

O filme tem distribuição da Lira Filmes e estreia em 20 cidades do país, na programação do Sessão Vitrine Petrobras, com ingressos a preços reduzidos. 

O Álbum Clube da Esquina é considerado por muitos críticos musicais um dos melhores de todos os tempos. Milton Nascimento, Lô Borges, então com 16 anos, e músicos do porte de Nivaldo Ornelas, Toninho Horta, Beto Guedes, Robertinho Silva, Flavio Venturini, Wagner Tiso, Marcio Borges, criaram uma sonoridade única, que ajudou a revolucionar a música brasileira e mundial.

Nada Será Como Antes - A música do Clube da Esquina recupera e apresenta novas histórias e curiosidades sobre um dos períodos mais conhecidos e celebrados da história da música brasileira, tratando de um disco que até hoje povoa o imaginário e os sentimentos de gerações. As imagens do filme, impregnadas pelas canções, são traduções visuais desse clássico da música mundial.

A estreia do filme integra o projeto SESSÃO VITRINE PETROBRAS, de apoio ao audiovisual brasileiro. Criado pela Distribuidora Vitrine, o projeto ganhou o patrocínio da Petrobras quando relançado no final do ano passado com o intuito de levar aos cinemas um longa por mês.

Após ter participado da seleção do Festival do Rio e da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Nada Será Como Antes – A música do Clube da Esquinachega aos cinemas dia 29 de fevereiro em 20 cidades – Aracajú, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Maceió, Manaus, Niterói, Palmas, Porto Alegre, Recife, Rio Branco, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória.


NOTA DA DIRETORA ANA RIEPER

Construir uma narrativa audiovisual para a música do Clube da Esquina é tocar em uma matéria de sonho. Uma musicalidade complexa, com referências muito diversas, que criou algo inteiramente novo na música brasileira e mundial, abriu, para mim, um universo imenso de possibilidades para este filme.

Este poderia ser um filme sobre política, sobre amizade, sobre juventude, sobre a vida de músico, sobre poesia, sobre o Brasil. Todos temas transversais de toda essa obra. E todos temas que estão no filme.

Mas, desde o início, entendemos que esse deveria ser um filme sobre música. O documentário mergulha no processo de criação artística, as influências, as casualidades algumas vezes pueris que levaram a um resultado mágico, as formas de relação com cada instrumento, as descobertas de caminhos para arranjos e da poética das letras tão inspiradas e originais. Em torno desses elementos o filme se desenvolve, sem abrir mão de contar a história do encontro desse grupo de artistas jovens, idealistas, descontraídos e geniais.

DIRETORA

Ana Rieper é documentarista e vem atuando na direção e roteiro de filmes que abordam a relação entre música e sociedade. Dirigiu os curtas Saara (1998), Veluda (2005) e Mataram meu Gato (2006), exibidos e premiados em diversos festivais no Brasil e no exterior. Seu trabalho mais conhecido é o documentário Vou Rifar meu Coração (2011), sobre o imaginário romântico no Brasil a partir do universo da música brega. É diretora e roteirista do documentário Clementina (2018), sobre a cantora Clementina de Jesus, entre outros longas e séries. Atualmente finaliza um longa musical sobre a família patriarcal brasileira. 


NADA SERÁ COMO ANTES - A música do Clube da Esquina

Brasil, 2023, 79 min, cor/p&b

Sinopse: O filme mergulha na musicalidade de um excepcional time de músicos - Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta e outros - para entender como referências musicais diversas, e influências de paisagens, história e poesia refletiram em cada um deles e na música atemporal que criaram.

Direção e roteiro: Ana Rieper

Direção de fotografia: Jacques Cheuiche, ABC

Montagem: Pedro Asbeg | André Sampaio

Consultor Musical: Charles Gavin

Produção Artística: José Roberto Borges

Pesquisa de Imagem: Antônio Venâncio

Produção executiva: Suzana Amado

Direção de Produção: Maria Bulcão

Colaboração de roteiro: Marcio Borges

Edição de Som: Maria Muricy, ABC

Som direto: Valéria Ferro

Mixagem: Cristiano Scherer

Elenco: Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, Wagner Tiso, Toninho Horta, Ronaldo Bastos, Flavio Venturini, Marcio Borges, Murilo Antunes, Tavinho Moura, Nivaldo Ornellas, Robertinho Silva, Novelli, Nelson Ângelo, Luiz Alves, Duca Leal, Telo Borges, Marilton Borges, Paulinho Saturnino, Beto Lopes, Paulo Vilara

Coprodução: Canal Brasil

Distribuição Lira Filmes e Vitrine Filmes (Sessão Vitrine Petrobras)

Nenhum comentário:

Crítica Filme "Guerra Civil" por Rita Vaz

Estreia nesta quinta-feira o filme “Guerra Civil” dirigido pelo cineasta Alex Garland (“Ex-Machina”, “Men – Faces do Medo”). O longa, apre...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba