LUZ NOS TRÓPICOS, DE PAULA GAITÁN, CONTINUA SUA TOUR POR DIVERSAS CIDADES DO BRASIL

 


Um dos filmes mais premiados e elogiados do cinema brasileiro nos últimos tempos, LUZ NOS TRÓPICO, de Paula Gaitán, é exibido pelo país numa estratégia diferenciada. A distribuidora Descoloniza Filme lança o longa fazendo um tour com a obra por várias cidades do Brasil, promovendo encontros com a diretora e o elenco. Nas próximas semanas, o filme será exibido em: Goiania, Aracajú, Maceió, Recife, Londrina, Salvador, Brasília, Porto Alegre e Cuiabá.  

O longa começou sua trajetória em festivais, tendo início no 70º Berlinale Forum e percorreu inúmeros outros no exterior e no Brasil, dentre eles o 9º Olhar de Cinema – no qual levou prêmio de Melhor Filme. E já foi lançado comercialmente em São Paulo, Rio de Janeiro e Niteroi. 

Considerado o auge de uma jornada pessoal e criativa, é um projeto de magnitude épica, com pouco mais de 4 horas de duração, trata-se de um filme navegante, como um rio sinuoso, um testemunho da rica vegetação das Américas e das populações nativas do continente, uma fusão intrincada de narrativas e estéticas, reforçando o talento de Gaitán como uma artista multidisciplinar, que rompe barreiras entre gêneros e alarga as fronteiras da percepção cinematográfica. 

“LUZ NOS TRÓPICOS talvez seja atravessado por vários outros filmes meus, o filme trabalha com vários suportes que vão do digital à película, do super 8 ao 16 mm. Trata-se de uma longa síntese de universos evocados em outros filmes anteriores, porém já com a maturidade que corresponde a quase 40 anos de trabalho ininterrupto em cinema e imagens em movimento”, explica a cineasta. 

Em LUZ NOS TRÓPICOS Gaitán explora a relação entre seu olhar e o que é observado, servindo seu próprio fluxo de imaginação em relação ao mundo que a rodeia.  Para o público é uma oportunidade única de apreciar o filme em tela grande e vivenciar o êxtase cinematográfico proporcionado pelo trabalho de Gaitán. 

“A viagem fluvial foi inspirada pela expedição Langsdorff  que refizemos parcialmente em 2018, muito menos ambiciosa que a expedição original. A grande inspiração para esse desafio, que é predominante na minha visão em 'Luz nos Trópicos', é a visão indígena, encarnada no personagem central do filme, Igor (Begê Muniz), que vai ao reencontro de seu povo, atravessa um continente congelado para retornar à sua aldeia localizada no Alto Xingu, na nação Kuikuro”, explica a diretora. 

O longa tem sido muito bem recebido pela crítica especializada. “LUZ NOS TRÓPICOS revela uma ambição autoral rara em nossos dias. Gaitán transita por linguagens e registros diferentes, mescla tudo sob forma de uma rapsódia colonial e explora regiões obscuras do nosso inconsciente terceiro-mundista. [...] Merece muitas revisões e muita discussão”, escreveu Luiz Zanin Oricchio em O Estado de S. Paulo.


Sinopse: Em Luz nos trópicos, a cineasta Paula Gaitán tece uma densa estrutura de histórias e linhas do tempo, enredada por cosmogonias indígenas, cadernos de viagem e literatura antropológica. O filme é um tributo à abundante vegetação das Américas e às populações nativas do continente. Um filme de navegação livre como um rio sinuoso. 

Ficha Técnica

Brasil | 2020 | Ficção | 260 min. 

Direção, roteiro e montagem

Paula Gaitán 

Direção de fotografia

Pedro Urano

Elenco

Carloto Cotta, Clara Choveaux, Begê Muniz, Kanu Kuikuro, Maíra Senise, Arrigo Barnabé, Vincenzo Amato, Daniel Passi, Erik Martincues, Nilton Amazonas, John Scott-Richardson, Jack Manley, Vitor Aurape Peruare, Carolina Virgüez, Paulo Nazareth 

Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba