Canal Brasil faz maratona com 125 filmes nacionais clássicos para comemorar o Dia do Cinema Brasileiro



O Canal Brasil vai fazer uma verdadeira celebração em homenagem aos 125 anos do cinema brasileiro, comemorado em 19 de junho de 2023. Durante nove dias, da madrugada de domingo, 18, para segunda, 19, à 0h, até dia 27, às 21h30, a grade será inteiramente dedicada a filmes nacionais. O Canal Brasil é a casa do cinema brasileiro e, além de contar com seu vasto acervo de longas e curtas-metragens, buscou diversos títulos novos para chegar a uma lista com filmes premiados internacional e nacionalmente, de diretores da velha guarda e da atualidade, e com todas as camadas da sociedade representadas por grandes artistas, algo que só um parceiro histórico do cinema brasileiro poderia fazer. Os critérios de seleção dos filmes foram o contexto em que foram lançados, a relevância artística, qualidade cinematográfica e contribuição estética, a abrangência de assuntos, opiniões e debates presentes nos títulos, além de reconhecimento de público e crítica. 

Os 125 anos do cinema brasileiro são comemorados no mesmo ano em que o Canal Brasil celebra seu aniversário de 25 anos. Nas últimas duas décadas e meia, o canal dedica a maior parte de sua grade às produções audiovisuais brasileiras, seja por meio de programas de entrevistas, seja nas faixas de exibição de filmes nacionais. Já foram mais de cinco mil títulos exibidos, entre longas e curtas-metragens, com uma curadoria que busca exaltar e valorizar o cinema brasileiro e as diferentes figuras que o representam, à frente ou atrás das câmeras. Além de valorizar o cinema nacional em sua programação, o Canal Brasil também tem um papel essencial no audiovisual do país como o principal coprodutor de cinema brasileiro da América Latina. São mais de 380 longas-metragens coproduzidos, com um olhar apurado especialmente para o cinema independente e títulos presentes nos principais festivais internacionais de cinema do mundo.

A maratona busca contemplar todas as fases emblemáticas do cinema brasileiro, desde 1931, com o longa dirigido por Mário Peixoto, "Limite", até filmes mais recentes que se tornaram sucessos de bilheteria, como "Minha Mãe É Uma Peça" (2013), do saudoso Paulo Gustavo e com direção de André Pellenz. Entre os clássicos do cinema, estarão presentes o inédito “O Ébrio”, de Gilda Abreu, longa de 1946 que marcou a história do cinema brasileiro, mas nunca foi exibido na televisão. O filme é protagonizado pelo cantor Vicente Celestino, marido de Gilda, e também traz Alice Archambeau e Rodolfo Arena no elenco. Longas de cineastas como Nelson Pereira dos Santos, Leon Hirszman, Cacá Diegues, Luís Sérgio Person, José Mojica Marins, Arnaldo Jabor, Eduardo Coutinho, entre outros, também fazem parte da programação especial.

Compõem a maratona ainda "Dona Flor e Seus Dois Maridos", dirigido por Bruno Barreto, "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho, "2 Filhos de Francisco", de Breno Silveira (1964-2022) e "Carandiru", de Hector Babenco (1946-2016). Dois filmes nacionais emblemáticos que já têm suas continuações em produção também marcam presença na mostra: "Ó Paí, Ó", de Monique Gardenberg, e "O Auto da Compadecida", dirigido por Guel Arraes. 

Outros destaques são os premiados longas "Bacurau", de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, vencedor do Prêmio do Júri de Melhor Filme no Festival de Cannes em 2019, e "Que Horas Ela Volta", estrelado por Regina Casé e dirigido por Anna Muylaert, que conquistou o troféu de Melhor Longa-metragem de Ficção na Mostra Panorama do Festival de Berlim em 2015. Ambos trazem críticas sociais em suas narrativas. “A Vida Invisível”, de Karim Aïnouz, e “Terra em Transe”, de Glauber Rocha, vencedores do Un Certain Regard em 2019 e do Prêmio da Crítica Internacional - Fipresci em 1967, ambos no Festival de Cannes, também integram a lista.

Filmes que tiveram destaque no Oscar marcam presença na mostra incluindo a única animação da maratona, "O Menino e o Mundo", de Alê Abreu, indicado ao Oscar de Melhor Filme de Animação em 2016; "Marte Um", pré-indicação brasileira ao prêmio e filme nacional de maior destaque em 2022; "O Beijo da Mulher-Aranha", de Babenco, vencedor do Oscar de Melhor Ator (William Hurt) e indicado às categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado em 1985; "O Que É Isso, Companheiro", de Bruno Barreto, que concorreu ao prêmio de Melhor Filme Internacional em 1998; "O Quatrilho", de Fábio Barreto, também indicado à Melhor Filme Internacional em 1995 e "Central do Brasil", de Walter Salles, que disputou nas categorias Melhor Filme Internacional e Melhor Atriz (Fernanda Montenegro) em 1999. 

Além de diretores da nova geração como Gabriel Martins, de “Marte Um”, também ganham destaque na maratona nomes como o de Adélia Sampaio, primeira mulher negra a realizar um longa no Brasil com “Amor Maldito”. Zózimo Bulbul (1937-2013) com o curta-metragem “A Alma no Olho”, Joel Zito Araújo (“A Negação do Brasil”) e Jeferson De (“Bróder”) reforçam a representatividade no cinema nacional. Temáticas como a LGBTQIAP+ são destaque por meio de títulos como “A Casa Assassinada”, de Paulo César Saraceni, “Madame Satã”, dirigido por Karim Aïnouz, “Tatuagem”, de Hilton Lacerda, e “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro. 

A presença feminina em diversas gerações de cineastas ganha destaque. Além de Gilda Abreu e Anna Muylaert, também marcam presença na mostra grandes diretoras como Suzana Amaral (“A Hora da Estrela”), Helena Solberg (“Carmen Miranda: Bananas Is My Business”), Carla Camurati (“Carlota Joaquina, Princesa do Brazil”) e Laís Bodanzky (“Bicho de Sete Cabeças”). 

HORÁRIO: 

Meia-noite de domingo (18/06) para segunda (19/06), até terça (27/06), às 21h30.

Nenhum comentário:

Festival de Cinema Brasileiro de Paris anuncia programação completa de sua 26ª edição

"Nas Ondas de Dorival Caymmi", "Barravento", "Nosso Sonho" e "Meu Nome É Gal".  O Festival de Cinema...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba