“CURUPIRA E A MÁQUINA DO DESTINO”, dirigido pela cineasta Janaina Wagner foi selecionado em 3 festivais em São Paulo

 


O filme Curupira e a máquina do destino, foi selecionado e vai estar em três Festivais na cidade de São Paulo.

O curta foi filmado em 2021 no Amazonas, na Estrada Fantasma BR-319, Transamazônica BR-230 e na cidade real de Realidade.

 

FESTIVAIS

25 FPS, Zagreb (Slovenia)

Mostra Ecofalante de Cinema - Competição Latino-Americana (Brazil)

Helsinki Film Festival- Short Film Competition (Helsinki, Finland)

Concorto Film Festival - Supernature, curated by Claudia Praolini (Concorto, Italy)

Curtas Vila do Conde - Short Film Competition (Vila do Conde, Portugal)

Ecrã Festival de Ciema Experimental - Short Film Competition (Rio de Janeiro, Brazil)

Olhar de Cinema - Short Film Competition (Curutiba, Brazil)

Short Waves Festival - Short Film Competition (Poznań, Poland)

Vienna Shorts -  Short Film Competition (Vienna, Austria)

Beira Film Festival (Rondônia, Brazil)

Las Palmas de Grand Canaria Film Festival - Short Film Competition – Award for Best Film (La Palma, Canary Island)

Kino Otok International Film Festival (Isola, Slovenia)

Kino Pavasaris – Vilnius International Film Festival - Short Film Competition (Vilnius, Lithuania)

Glasgow Short Film Festival - Eco-Spectrality: Residual Fabulations (Glasgow, United Kingdom)

Mostra de Cinema de Tiradentes - Short Film Competition (Tiradentes, Brazil)

 

SINOPSE

 

“Curupira e a máquina do destino” documenta o encontro no tempo presente entre uma curupira e o fantasma encarnado de Iracema, personagem do filme “Iracema – uma transa amazônica”. Abertos feito feridas durante a Ditadura cívico-militar que enredou o Brasil nos brados da ordem e do progresso, os vergalhões de asfalto que varam o país foram construídos, destruídos e se afogam agora em um processo de reconstrução. Ruínas mornas de um futuro viciado. Apaixonada, Iracema fantasma parte nas encruzilhadas das estradas retilíneas do Amazonas para encontrar Curupira e vingar o futuro.

 

DIRETORA JANAINA WAGNER 

Artista plástica e realizadora, Janaina Wagner desenvolve suas pesquisas em diversas mídias, como vídeo, fotografia, desenho, instalações, cenografia e pintura. O ponto nevrálgico de seu trabalho são as relações de limite, controle e contenção que o humano estabelece com o mundo. Atualmente doutoranda no Le Fresnoy-Studio National des Arts Contemporains (FR), Wagner participou de diversas residências artísticas, como Gasworks (Londres, UK), FID Campus – Festival International de Cinema de Marseille (Marseille, FR), Bolsa Pampulha (Belo Horizonte, BR), Red Bull Station (São Paulo  BR), Casa Tomada (São Paulo, BR), Anarcademia W139 (Amsterdã, NL) e NES Skagaströnd, na costa rural da Islândia. Dentre as principais exposições, destacam-se Ensaio de Tração - Pinacoteca do Estado de São Paulo, 10 Semana de Cinema do Rio de Janeiro, Uma história natural das Ruínas (Pivô, SP), Fuso Festival – Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado (Lisboa, Portugal), Cuando no hay sombra es mediodía, Nube – Kiosko (Santa Cruz, Bolívia), With burning love – (Villa Belleville, Paris),  Casa Carioca – MAR Museu de Arte do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro, Brasil), Criatura (Oficina Cultural Oswald Andrade, SP), e Decupagem/ Crônica de um final anunciado (MARP, SP), Bestiário - Centro Cultural São Paulo - CCSP, Permanências e Destruições – Torre H (RJ), Hipótese e Horizonte – Observatório (SP), 4o Prêmio EDP nas Artes – Instituto Tomie Ohtake (SP). 

 

Bacharel em Artes Plásticas e Jornalismo, mestra no Programa de Experimentação em Arte e Política (SPEAP) e professora de vídeo no Ensino Fundamental, muitas das referências disparadoras de suas pesquisas derivam dos procedimentos com que o homem vem registrando e articulando seu progresso e legado. O viés sociológico do Jornalismo opera para ela como os mecanismos através dos quais uma história é feita verdadeira – uma constelação de contos, fatos e imagens. Da mesma maneira que o jornalista parte de fatos para formar narrativas, Janaina desenvolve sua produção plástica em um processo de decupagem de imagens textuais e visuais já existentes e em circulação midiática.

Site: www.janainawagner.com

 

 

Nenhum comentário:

Crítica Filme "Trem-Bala" por Rita Vaz

  Estreia nesta quinta-feira, dia 4 de agosto o filme “Trem Bala” sob a direção de David Leitch (“Dead Pool 2”, “Atômica”, “John Wick” e out...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba