Crítica Filme Thor: Amor e Trovão por Rita Vaz

 

Estreia nesta quinta-feira o filme “Thor: Amor e trovão”, um dos longas mais esperados no ano, que dá sequência à jornada do próprio Thor e do universo dos Vingadores.

Mais uma vez sob a direção de Taika Waitiki (Thor: Ragnarok) o longa tem um ritmo acelerado, divertido e emocionante. Sim, diferente do anterior “Ragnarok”, que recebeu muitas críticas pela grande quantidade de piadas, “Amor e Trovão” possui um ótimo equilíbrio entre todos os temas que toca, que fala e que faz graça.

Nessa nova aventura de “Thor: Amor e Trovão”, da Marvel Studios, o Deus do Trovão embarca em uma jornada diferente de tudo que já viveu, uma jornada de autoconhecimento.

Contudo, sua busca é comprometida por um assassino galáctico conhecido como Gorr, o Carniceiro dos Deuses, que deseja a extinção dos deuses.

Para combater essa ameaça, Thor pede a ajuda da Rei Valquíria, de Korg e da ex-namorada Jane Foster, que, para surpresa de Thor, inexplicavelmente empunha seu martelo mágico, o Mjolnir, como a Poderosa Thor.

Juntos, eles se lançam em uma terrível aventura cósmica para desvendar o mistério da vingança do Carniceiro dos Deuses e detê-lo antes que seja tarde demais.

O diretor Taika Waitiki, que também dublou e fez a motion-capture (captura de movimentos) para o super querido personagem Korg, teve em suas mãos uma poderosa história para desenvolver, com deuses e super-heróis de diferentes dimensões, com histórias pessoais que mexem com o espectador, com um elenco extremamente entrosado e envolvido com a trama, e com uma equipe de efeitos especiais da mais alta competência da atualidade.

Com todos esses ingredientes, ele conseguiu dirigir muitíssimo bem essa trama, que vai tocar lá no fundo de cada pessoa, que com certeza, irá se identificar com as histórias pessoais de cada personagem.

E por falar em elenco, o ator Chris Hemsworth está incrível, novamente, com seu Thor espontâneo, carismático, forte, poderoso, que está em pleno crescimento como “pessoa”, além de ser aquele deus que você queria ter como brother, de tão legal que é.

A atriz Natalie Portman reaparece, para alegria geral da nação, como a Poderosa Thor, assumindo um papel que foi deixado de lado pela franquia, mas, que agora resolve esse assunto, empoderando a personagem. Ela está perfeita no papel como Jane Foster, a astrofísica de renome mundial e que se tornou o grande amor de Thor, mas, que agora também empunha o martelo mágico Mjolnir.

E temos também, somente o ator Christian Bale interpretando o novo vilão. Quer mais o quê?

Sendo um dos maiores atores de sua geração, ele consegue transmitir ao público, de forma bastante orgânica, tudo o que causou essa raiva imensa que ele tem contra os deuses, que faz com que ele queira destruir todos, ganhando a alcunha de Carniceiro dos Deuses. A sua imagem e performance dá medo, em vários momentos.

Com todos as suas tramas e subtramas, “Thor: Amor e Trovão” é um filme que traz muita ação, divertimento, aventura e principalmente surpresas para a plateia, pois, não é à toa, que a palavra amor está em seu título.

O amor é o tema principal de “Thor: Amor e Trovão”, ele pauta toda a história, desde o início até o final da trama, e tenha certeza, ele vai te surpreender.

Nenhum comentário:

Crítica Filme "Trem-Bala" por Rita Vaz

  Estreia nesta quinta-feira, dia 4 de agosto o filme “Trem Bala” sob a direção de David Leitch (“Dead Pool 2”, “Atômica”, “John Wick” e out...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba