SEGUINDO TODOS OS PROTOCOLOS, de Fábio Leal, estreia nos cinemas nesta quinta, dia 30 de junho

 


SEGUINDO TODOS OS PROTOCOLOS, primeiro longa solo do diretor recifense Fabio Leal, estreia no cinemas nesta quinta-feira, dia 30 de junho, nas cidades de Aracaju, Balneário Camboriú, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Palmas, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. O filme que fala sobre a solidão do isolamento social na fase mais aguda da pandemia de Covid 19 estreia nos cinemas através da Sessão Vitrine.

O filme que foi exibido no Olhar de Cinema de Curitiba e recebeu o Prêmio Helena Ignez, no Festival de Tiradentes de 2022, resgata dois personagens do último curta metragem, do diretor, ‘Reforma’, e acompanha Chico, interpretado também por Leal, que, sozinho em seu apartamento, vê os dias passando, com marasmo e ansiedade em um momento de recrudescimento da pandemia. Em sua solidão, é cada vez mais tomado pelo desejo do contato humano, e, em especial, do sexo. Disso, nascem formas alternativas de reencontros, e a procura de uma maneira de tocarmos uns aos outros com segurança.

Foi muito tempo sozinho com medo da morte, medo do desgoverno brasileiro, medo do encontro com o outro. Achei que uma boa forma de enfrentar esses medos todos seria fazendo um filme e tentando achar formas de distensionar através da ficção e da comédia.”

Leal, que já fez curtas, como “O Porteiro do Dia”, explica que não sentiu um peso grande ao dirigir seu primeiro longa sozinho – ele já fez “Deus tem AIDS” (codirigido por Gustavo Vinagre) e o coletivo “Furious Desires”. “Foi um desdobramento natural. Acho que já tinha tanta tensão pelo momento em que estávamos da pandemia, o orçamento restrito do filme e eu dirigir e protagonizar ao mesmo tempo que eu nem me permiti pensar em nada mais.”

Como ator, Leal trabalhou em seus curtas, e também no longa “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho, e conta que atuar o ajuda, como diretor, a compreender que não existe uma fórmula. “Cada ator tem sua forma própria de trabalhar, seu jeito de ser, não dá pra chegar impondo nada. Como diretor eu proponho um norte e juntos vamos chegar onde conseguimos. O fato de ser ator também me dá um senso de improviso muito grande, de ler o momento e às vezes mudar completamente uma cena na hora de filmar se surgir uma ideia melhor do que a prevista antes.”

A Sessão Vitrine 2022 foi contemplada pelo PROAC Direto 38/2021, programa de fomento do Governo do Estado de São Paulo e Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Sinopse

Após ficar 10 meses sozinho em quarentena, Francisco quer transar. 

 

Nenhum comentário:

Crítica Filme "Trem-Bala" por Rita Vaz

  Estreia nesta quinta-feira, dia 4 de agosto o filme “Trem Bala” sob a direção de David Leitch (“Dead Pool 2”, “Atômica”, “John Wick” e out...

Olhar de Cinema Festival Internacional de Curitiba