PREMIADO “FLEE – NENHUM LUGAR PARA CHAMAR DE LAR” LANÇA CARTAZ OFICIAL


Dirigido por Jonas Poher Rasmussen, FLEE – NENHUM LUGAR PARA CHAMAR DE LAR, que fez história ao ser indicado em três categorias no Oscar, lança seu cartaz nacional oficial. A produção, que estreia nos cinemas do Brasil no dia 21 de abril, com distribuição da Diamond Films, concorreu como Melhor Documentário, Melhor Animação e Melhor Filme Internacional. Contando com mais de 80 troféus recebidos em diversos países, além de outras 140 indicações, o filme foi reconhecido também como Melhor Filme no Festival Internacional de Animação de Annecy.

O longa, que conta com produção executiva dos atores Riz Ahmed (“O Som do Silêncio”) e Nikolaj Coster-Waldau (“Game of Thrones”), traz uma história de resistência e coragem protagonizada por um homem cujo nome não pode ser revelado – para sua própria segurança e de sua família. No filme, é chamado de Amin Nawabi, um acadêmico de 36 anos bem-sucedido que planeja se casar com seu companheiro, Casper, mas há algo nele que sempre o impede de concretizar a união.

O documentarista dinamarquês Jonas Poher Rasmussen conhece Amin há muitos anos, desde que o rapaz chegou na Dinamarca, ainda na adolescência, mas desconhece seu passado, e desconfia que essa possa ser a chave para explicar o comportamento do amigo, que tem dificuldades em se comprometer emocionalmente com as pessoas. 

Duas décadas depois de sua chegada à Dinamarca, e reconhecendo que seus traumas do passado atrapalham sua vida no presente, Amin resolve se abrir e contar como sua família fugiu do Afeganistão e dos Mujahidin, conhecidos como “guerreiros santos”. A partir daí, FLEE – NENHUM LUGAR PARA CHAMAR DE LAR acompanha a trajetória da família do rapaz que se escondeu em Moscou, na Rússia, mas de onde foi obrigada a sair depois que os vistos como turistas expiraram. 

Uma jornada pela Europa em busca de abrigo e de um refúgio para uma vida digna foi o que marcou a juventude do rapaz, que, agora, em primeira-mão, conta sua história ao amigo, que a transformou neste premiado filme. Mesmo não mostrando o rosto do verdadeiro Amin, a produção é narrada por ele, que também contribuiu com o roteiro.

Poher Rasmussen explica que Amin queria confrontar seu próprio passado, seus traumas e feridas, e, assim, agora, poder levar uma vida mais tranquila e estabelecer laços e vínculos mais profundos com as pessoas, mas tinha receio da exposição. “Ele queria compartilhar sua história para mostrar para o mundo o que é viver em constante fuga. A animação fez Amin se sentir seguro para falar sobre sua trajetória. Podíamos usar a voz real dele, e ainda assim ele estaria anônimo, o que é importante, pois sua família voltou para o Afeganistão”, diz o diretor. 

FLEE – NENHUM LUGAR PARA CHAMAR DE LAR conta, no Rotten Tomatoes, com aprovação de 98% da crítica, e de 92% do público. Torris Laffly, da Harper’s Bazaar, disse que o filme é “um grande feito do cinema humanista [...] e será tema de discussões por muitos anos.”

Benjamin Lee, do The Guardian, aponta que este é “um filme complexo, que expande e expõe o tipo de história que costuma ser simplificada.” Peter Debruge, da Variety, conclui que “é uma investigação artística da forma como o trauma cauda impacto na vida de uma pessoa”. O cineasta coreano Bong Joon-ho (“Parasita”) escolheu como um dos melhores filmes de 2021, classificando-o como “uma das obras cinematográficas mais comoventes do ano.”


Nenhum comentário:

Crítica Filme Miss França por Rita Vaz

  Estreia nessa quinta-feira, a comédia dramática francesa “Miss França”, dirigida pelo ator e cineasta luso-francês Ruben Alves (Uma Famí...