'Mateína - A Erva Perdida' estreia nos Cinemas dia 31 de Março

 

Federico Silveira, Martín Sacco e Diego Licio em 'Mateína - A Erva Perdida' - crédito Analía Pollio

 

Em um Uruguai do futuro, a erva-mate é proibida. Para salvar a identidade de seu povo, dois vendedores ilegais iniciam uma viagem rumo ao Paraguai para contrabandear e salvar o consumo da erva.

Vencedor dos prêmios de melhor filme e ator do 12º Festival de Cinema da Fronteira exibido na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, "Mateína - A Erva Perdida" chega às salas de cinema no dia 31 de março (quinta). Coprodução entre Uruguai, Brasil e Argentina, o longa de Joaquín Peñagaricano e Pablo Abdala Richero mistura comédia e road movie.

"Mateína - A Erva Perdida" é a estreia na direção de longas da dupla de realizadores uruguaia, que também divide roteiro e produção. “O filme surge como uma busca pela ficção científica, perguntando-nos como seria o nosso ambiente se mudássemos algo fundamental no cotidiano", explicam os diretores. O questionamento: o que aconteceria se a erva-mate fosse proibida? "Esse costume, que vem dos índios Guarani, está presente em todas as esferas da sociedade uruguaia e é algo que nos caracteriza como povo", avaliam. Eles comparam com uma proibição da cerveja para os alemães ou do samba para os brasileiros.

A aventura de Moncho (Diego Licio) e Fico (Federico Silveira) pelas estradas logo ganha o apoio popular em todo o país. "O herói uruguaio José Artigas (1764-1850) tem um grande paralelismo com nossos protagonistas: ele não queria ser o "pai da pátria", foi seguido e ajudado pelos habitantes do campo”, apontam os cineastas. "Terminou seus dias no Paraguai com um amigo que, segundo os livros de história, fazia mate para ele", complementam. Com bom humor, Joaquín e Pablo também refletem sobre o absurdo das proibições e a influência das corporações internacionais nos países latino-americanos.

A zona rural de Montevidéu e as proximidades da cidade de Florida servem de locação para as peregrinações de Moncho e Fico. "Diante de uma perspectiva mais geral, nos propomos a reunir a paixão, a teimosia e a luta de duas pessoas comuns para manter um sonho", descrevem. A jornada pela volta do chimarrão também inclui perseguições policiais e passageiros inesperados. O elenco traz ainda uma participação de César Troncoso ("O Tempo e o Vento") no papel de um comissário de polícia.

"Mateína - A Erva Perdida" é uma produção da Montelona Cine (Uruguai), em coprodução com as empresas gaúchas Coelho Voador e Vulcana Cinema e HC Films (Argentina). A distribuição fica a cargo da Lança Filmes. Contemplado com o edital Prodecine 09 do FSA - Coprodução Brasil-Uruguai.

 

Sinopse: Em um Uruguai do futuro, a erva-mate é proibida. Para salvar a identidade de seu povo, dois vendedores ilegais iniciam uma viagem rumo ao Paraguai para contrabandear e salvar o consumo da erva.

 

Serviço

Mateína - A Erva Perdida:

Em cartaz nos cinemas a partir do dia 31 de março de 2022

Comédia/Road movie | 82 min. | País: Uruguai, Brasil e Argentina

Classificação Indicativa: 14 anos

 

Ficha técnica:

Direção: Joaquín Peñagaricano e Pablo Abdala Richero

Roteiro: Joaquín Peñagaricano, com a colaboração de Pablo Abdala Richero

Elenco: Diego Licio, Federico Silveira, Chiara Hourcade, Leandro Rodríguez, Roberto Suárez, Yamandú Cruz e César Troncoso.

Distribuição: Lança Filmes

 

Nenhum comentário:

Crítica Filme Miss França por Rita Vaz

  Estreia nessa quinta-feira, a comédia dramática francesa “Miss França”, dirigida pelo ator e cineasta luso-francês Ruben Alves (Uma Famí...