MOSTRA CELEBRA UMA DAS MAIS EMBLEMÁTICAS ATRIZES BRASILEIRAS COM FILMES ICÔNICOS E RARIDADES DE SUA CARREIRA


A Mostra Betty Faria - 80 anos apresenta 15 longas de diferentes períodos da história do cinema para homenagear uma das mais respeitadas atrizes do Brasil. Com curadoria de Leandro Pardi, ex-coordenador da Cinemateca Brasileira, a mostra reforça o compromisso da valorização e celebração do Cinema Brasileiro. 

Entre os destaques da programação estão o longa “O Casal” (1975) de Daniel Filho, que em seu lançamento fez mais de 1 milhão de espectadores nos cinemas, “Jubiabá” (1986), de Nelson Pereira dos Santos, baseado no livro homônimo de Jorge Amado e “Bens Confiscados” (2004) de Carlos Reichenbach.  Ao longo de sua carreira, Betty Faria fez parcerias com alguns diretores como Cacá Diegues com quem trabalhou em “Bye Bye Brasil” (1980), considerado um dos mais importantes filmes brasileiros de todos os tempos segundo a imprensa especializada e “Um Trem para as Estrelas” (1987), que participou da seleção oficial do Festival de Cannes e foi o representante brasileiro ao Oscar em 1987.  Outra parceria de sucesso foi com o diretor Bruno Barreto, com quem Betty trabalhou em “A Estrela Sobe” (1974), que será exibido na mostra em uma rara cópia em 35mm e “Romance da Empregada” (1987) que terá exibições com recursos de acessibilidade (libras, áudio descrição e legenda descritiva).  

Filmes do início da carreira da atriz também estão na programação como “O Beijo” (1963), de Flávio Tambellini, baseado na peça de Nelson Rodrigues e “Os Monstros de Babaloo" (1970) de Elyseu Visconti. 

Durante todo o período da mostra, dois filmes da programação ficarão disponíveis de forma online e gratuita para todo o Brasil através da plataforma Eventim :“Perfume de Gardênia” (1992), de Guilherme de Almeida Prado, no qual Betty contracena com nomes como Sérgio Mamberti, Christiane Torloni e Helena Ignez e “Marlene de Souza” (2004), filme pouco conhecido da atriz onde ela divide a cena com a atriz portuguesa Maria de Medeiros em locações em São Paulo, Rio de Janeiro, região de Piemonte e Paris.

Para finalizar, a mostra realiza uma ação formativa através da masterclass ministrada pelo cineasta e programador Sergio Silva. “Filmografia Básica do Cinema Brasileiro’’ é uma oficina online sobre memória audiovisual e cinema brasileiro, utilizando análise de filmes, destacando as experiências que definiram o perfil da produção cinematográfica no Brasil e traçando uma breve filmografia básica sobre memória audiovisual e cinema brasileiro. 

O catálogo, que traz a filmografia completa e uma entrevista inédita da atriz, será disponibilizado de forma online e gratuita no site do CCBB. 

Sobre Betty Faria

Nascida em 1941, Betty foi bailarina profissional na juventude e, aos poucos, trocou a dança pela dramaturgia e estreou na televisão e no cinema em 1965. Contratada pela Rede Globo como atriz em 1969, para participar da novela “A Última Valsa”, de Glória Magadan, acabou estourando como estrela de televisão nos anos 1970. Um de seus papéis mais marcantes foi a irreverente “Tieta” na novela homônima, escrita por Agnaldo Silva e Ricardo Linhares, em 1989.

Ao longo de sua carreira, venceu inúmeros prêmios no cinema como o de melhor atriz no Prêmio Air France de Cinema em 1974; no Festival de Gramado em 1987 e quatro vezes premiada com o filme “Romance de empregada” (1984) no Festival de Havana, no Festival de Sorrento, Festival de Cine Iberoamericano e mais uma vez no Prêmio Air France de Cinema; Ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante em “Perfume de Gardênia” no Festival de Brasília em 1982; em 2005, venceu como melhor atriz no Cine Ceará com “Bens Confiscados”; já em “Chega de Saudades”, ganhou como melhor atriz coadjuvante no Festival Internacional de Cartagena das Índias e foi nominada a melhor atriz no Prêmio Qualidade Brasil nos anos de 2008 e 2009; em 2012, ganhou o Troféu Oscarito em Gramado pelo conjunto da obra e em 2019, também ganhou pelo conjunto da obra o Prêmio CineEuphoria.

Betty Faria é reconhecida e respeitada pelo grande público brasilieiro e sua história também pode ser contada através dos filmes que estrelou.  Neste contexto, a Mostra Betty Faria - 80 anos resgata a história de sua carreira no cinema e proporciona ao público o conhecimento e lembranças dos momentos mais marcantes da vida da atriz e do próprio cinema brasileiro. 

Nenhum comentário:

MUBI promove conversas entre realizadores e acadêmicos em outubro

Para conectar ainda mais estudantes com o universo do cinema, a MUBI, distribuidora e serviço global de streaming com curadoria, promove de ...