JOGO DO PODER, DIRIGIDO POR COSTA-GAVRAS ESTREIA DIA 12/08

 


Conhecido por seu cinema político, o cineasta grego Costa-Gavras volta ao seu país para falar a crise da dívida da Grécia em 2015, em JOGO DO PODER, o primeiro filme do diretor sobre sua terra natal desde “Z”, de 1969. O roteiro, assinado por ele também, parte do livro de memórias do ex-Ministro das Finanças Yanis Varoufakis, “Adultos na Sala: Minha Batalha Contra o Establishment”, que é um personagem central no longa. O filme chega aos cinemas brasileiros em 12 de agosto com distribuição da Califórnia Filmes.

Sem nunca se furtar de entrar em temas políticos e espinhosos, e uma carreira que inclui longas como “Estado de Sítio” (1972), “Missing: O Desparecido” (1982), que lhe rendeu a Palma de Ouro e um Oscar de roteiro adaptado, Costa-Gavras é o cineasta ideal para retratar a grande crise econômica e política que assolou a Grécia em meados da década passada. 

Em entrevista ao site Cineuropa, o diretor disse que o interesse pelo tema e o livro de Varoufakis surgiu pelo fato deste a fonte mais precisa sobre o que aconteceu na Grécia e Europa durante os seis meses de crise. “A intensão era salvar os bancos, e a Grécia acabou endividada. A dívida é maior hoje do que dez anos atrás. Salvaram os bancos, e destruíram o país.”

Costa-Gavras conta também que teve assessoria do próprio Varoufakis, a quem mostrou o roteiro durante diversas fases da produção. O político foi fundamental para compreender as questões técnicas e econômicas que são difíceis para os leigos. 

JOGO DO PODER acompanha reuniões e discussões Eurogrupo que levaram meses, e resultaram na imposição de políticas de austeridade pela troika europeia (a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional) ao governo de Alexis Tsipras.

Protagonista do filme, Yannis, interpretado por Christos Loulis. Um economista, sem experiência política, ele foi nomeado como Ministro das Finanças pelo Syriza, uma coligação da esquerda radical que chegou ao poder em janeiro de 2015. O Ministro vive, então, uma verdadeira saga para salvar a Grécia, propondo uma reestruturação. 

Ao francês L’Artvues, o cineasta explicou que este é “um filme sobre nós, europeus, mas também sobre a Europa e a crise grega. Mostra como a Europa não se comportou de maneira consistente e solidária em relação à crise grega, pedindo aos gregos que fizessem coisas impossíveis. Isso é essencialmente o que o filme é, uma espécie de tragicomédia que os gregos viveram e ainda vivem por dez anos e na qual a Europa parece não estar muito interessada.

JOGO DO PODER estreou fora de competição no Festival de Veneza de 2019, no qual Costa-Gavras recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra. Na época do evento, a revista portuguesa Comunidade Cultura e Arte escreveu: “Apesar da complexidade do tema, [este] é um filme instigante, acessível, irónico [...] e com momentos diríamos até engraçados para uma tragédia que ainda afeta o quotidiano dos gregos, ‘um povo que sobrevive heroicamente’.” A revista do British Film Institute definiu o longa como “um drama muito humano a partir de um episódio doloroso da história europeia recente” 

Sinopse

Um relato transparente sobre a agenda oculta da Europa expõe o que realmente acontece em seus corredores de poder. Revelando as razões para a crise na Grécia ter acontecido, foi travada uma das mais espetaculares e controversas batalhas na história política. Mas a verdadeira história do que aconteceu é quase inteiramente desconhecida, principalmente porque grande parte dos verdadeiros negócios da União Europeia ocorre a portas fechadas.


Nenhum comentário:

Um Forte Clarão, estreia na 45a Mostra Internacional de Cinema

Subvertendo narrativas e padrões, a diretora Ainhoa Rodríguez, apresenta seu filme espanhol UM FORTE CLARÃO (Destello Bravío), que é seu lon...