Em dezembro no Belas A LA CARTE, destaques dos cinemas Espanhol e Coreano



SONHO - Direção: Kim Ki-duk

 


Em dezembro, a plataforma Belas Artes À LA CARTE homenageia o cinema coreano contemporâneo, e o espanhol com duas mostras. A “9a Mostra de Cinema Coreano” terá duas programações distintas com filmes no cinema e online, ambas entre 04 e 13 de dezembro. O outro, por sua vez, ganhará um festival de filmes contemporâneos “Mostra Grandes Artistas do Cinema Espanhol”, e o retorno da “Mostra Grandes Mestres do Cinema Espanhol” ao cardápio, que ficam disponíveis entre 14 e 27 de dezembro.
Um dos cinemas mais prestigiados da atualidade, o coreano se consagrou em 2020 quando “Parasita”, distribuído pela Pandora Filmes, foi o primeiro filme não falado em inglês ao ganhar nas principais categorias do Oscar. De 4 a 13 de dezembro, tanto a plataforma À LA CARTE, quanto o cinema Petra Belas Artes (SP), apresenta uma mostra com algumas das produções de maior sucesso da filmografia recente do país.
Na versão virtual, fazem parte da programação diretores cultuados e premiados como Kim Ki-duk e Hang Sang-Soo. Do primeiro, serão exibidos seu longa de estreia, “Crocodilo” (1996), “Sonho” (2008), inédito no circuito comercial brasileiro, e “Primavera, verão, outono, inverno e...primavera” (2003), laureado em diversos festivais, como os de Locarno e San Sebastian. O cinema de Kim é marcado por absurdos e a combinação de momentos de extrema poesia com outros de pura violência. Premiado em Berlim, Cannes e Veneza, ele é um dos cineastas mais polêmicos de seu país na atualidade.
Hang, por sua vez, é conhecido por seus filmes que abordam os relacionamentos amorosos complicados. Fazem parte da programação dois dos filmes mais amados de sua produção recente. “HAHAHA” (2010) foi seu primeiro trabalho a chegar em circuito brasileiro, e, à la Rohmer, tem como protagonista dois amigos reunidos num bar conversando sobre suas aventuras amorosas. O filme ganhou o principal prêmio da mostra Um Certo Olhar, no Festival de Cannes. Já “O dia depois” (2017) foi exibido em competição em Cannes, e traz a história de um editor cujo casamento entra em crise quando sua mulher desconfia que ele tem um caso.

A mostra inclui ainda “Em Chamas” (2018), de Lee Chang-Dong, ganhador do Prêmio da Crítica Internacional (FIPRESCI), no Festival de Cannes. Baseado num conto do japonês Haruki Murakami, o longa tem como personagem principal um jovem que volta à cidade onde cresceu, e retoma o contato com a moça por quem foi apaixonado quando criança. Ela, por sua vez, está envolvida com um homem rico e misterioso. Com esse triangulo amoroso, o diretor investiga relações de desejo e classe na sociedade coreana contemporânea.

A versão presencial do festival, que acontece no cinema Petra Belas Artes, contará com a exibição de seis longas seguidos de debates. A maioria dos filmes é inédita em circuito comercial no Brasil, e todos produzidos nos últimos dois anos. “Invasão Zumbi 2: Península” (2020) é a sequência do sucesso de 2016, e, novamente dirigido por Yeon Sang Ho, traz a história de um soldado coreano exilado em Hong Kong, que recebe a proposta de voltar ao seu país, tomado por mortos-vivos, e recuperar uma fortuna abandonada num caminhão.

“Bori” (2018), de Kim Jin-Yu, traz a história de uma moça numa família de surdos, sendo que ela é a única que consegue ouvir, mas que preferia ser como seus parentes. Dirigido por Kim Bora, “Casa de Beija-Flor” (2018) se passa na Seul de 1994, quando uma ponte ruiu, enquanto uma garota vagueia pela cidade em busca de um amor. “Chan-sil sortuda” (2019), de Kim Cho Hee, conta a história de uma produtora de cinema que se muda para outra casa depois da morte do seu amado, e passa a desconfiar do comportamento da dona do apartamento onde mora.
Roteirista de “O caçador” e “Confissão de assassinato”, Hong Won Chan dirige “Livrai-nos do mal” sobre um assassino que vai à Tailândia resolver um sequestro, e é perseguido por um homem cujo irmão ele matou. Já “O homem ao lado”, de Woo Min Ho, tem como tema o Serviço de Inteligência sul-coreano, a KCIA, que dominou a Coréia nos anos de 1970.
 

TRISTANA, UMA PAIXÃO MÓRBIDA - Direção: Luis Buñuel
Cinema Espanhol
A “Mostra Grandes Artistas do Cinema Espanhol” é inédita e acontecerá entre 14 e 27 de dezembro, formando um díptico com “Mostra Grandes Mestres do Cinema Espanhol”, exibida em novembro, e que voltará ao catálogo. Ambas são exibidas com exclusividade no Belas Artes À LA CARTE.
“Mostra Grandes Artistas do Cinema Espanhol” concentra-se nas produções de vários diretores e uma diretora cults com filmes dos anos de 1990 e 2000 que fizeram sucesso no circuito de arte brasileiro. O veterano Carlos Saura estará presente com “Ay, Carmela!”, ganhador de diversos prêmios Goya, o Oscar da Espanha, entre eles melhor filme, diretor e atriz, para Carmen Maura.
Alejandro Amenábar tinha apenas 24 anos quando estreou na direção de longas com “Morte ao Vivo” (1996), protagonizado uma estudante pesquisando sobre violência, que descobre um misterioso snuff. Da cineasta Icíar Bollaín, a mostra exibe “Pelos meus olhos” (2003), que rendeu à diretora o Goya, e conta a história de uma mulher tentando fugir de seu marido abusivo. “Azul escuro quase preto” deu ao seu realizador, Daniel Sánchez Arévalo, o Goya de Diretor estreante, e traz no elenco Antonio de la Torre numa trama que cruza o destino de diversos personagens ao redor do protagonista.

Devido ao grande sucesso e inúmeros pedidos, a “Mostra Grandes Mestres do Cinema Espanhol” volta ao cardápio do Belas Artes À LA CARTE, em companhia da “Mostra Grandes Artistas do Cinema Espanhol”. Contando com clássicos dos maiores diretores do país, a seleção traz obras de Luis Buñuel, Victor Erice, Saura, Mario Camus, Luis Garcia Berlanga e Juan Antonio Bardem.
Buñuel está presente com dois filmes: “Viridiana” (1961), que rendeu a Palma de Ouro para o diretor, e “Tristana, Uma paixão mórbida” (1970), ambos têm, ao centro, duas jovens – interpretadas por Silvia Pinal e Catherine Deneuve, respectivamente – vivendo num mundo sórdido e repleto de desejos estranhos.

Erice é representado no festival com suas duas obras-primas, “O espírito da colmeia” (1973) e “O sul” (1983). No primeiro, uma garota fica traumatizada ao assistir “Frankenstein”, e entra num delírio de fantasia onde encontra um monstro. O filme é grande representante do cinema político espanhol em sua metáfora sobre a Espanha da ditadura do General Franco. O outro longa é protagonizado por uma jovem que mora no norte do país obcecada pelo sul, por conta das histórias de seu pai.

Além de “Ay, Carmela”, o Belas Artes À LA CARTE disponibilizará outro filme de Saura, “Cría Cuervos” (1976), um de seus longas mais famosos que traz Geraldine Chaplin como uma mulher repleta de traumas e lembranças, e acredita ter sido responsável pela morte do pai. O longa ganhou o Grande Prêmio do Júri, no Festival de Cannes. Mario Camus dirige e adapta seu próprio romance “Os santos inocentes”, que tem como protagonista a luta de uma família de camponeses contra exploração e a opressão.

De Barden, a mostra exibe “A morte de um ciclista” (1955), ganhador da FIPRESCI, em Cannes, que conta a história de um casal que atropela um rapaz numa bicicleta, e teme que seu relacionamento ilícito seja revelado. Berlanga participa do festival com “O Carrasco”, premiado em Veneza, e tem como protagonista um agente funerário que se casa com filha de um carrasco, e, mais tarde, mesmo relutando, deverá assumir a profissão do sogro.
  

9a Mostra de Cinema Coreano
Programação no Petra Belas Artes
Sexta - 04/12
16h00 – Invasão Zumbi 2: Península
19h00 – Livrai-nos do mal (Deliver Us From Evil)
21h – Debate 
Sábado – 05/12
16h00 – Chan-sil sortuda (Lucky Chan-sil)
19h00 – Casa de Beija-Flor (House of Hummingbird)
21h0 – Debate
Domingo – 06/12
16h00 – Bori
19h00 – O homem ao lado (The man standing next)
21h00 – Debate
Sexta – 11/12
15h00 – Bori
18h00 – Chan-sil sortuda (Lucky Chan-sil)
 Sábado – 12/12
15h00 – Invasão Zumbi 2: Península
18h00 – O homem ao lado (The man standing next)
20h00 – Debate
Domingo – 13/12
15h00 – Livrai-nos do mal (Deliver Us From Evil)
18h00 – Casa de Beija-Flor (House of Hummingbird)
20h00 – Debate
Filmes
Bori 
Coréia do Sul, 2018, 110 min, 14 anos 
Direção: Kim Jin-Yu
Elenco: Dae-Sung Choi, Lee Rin Ha, Shin Woo Hee
Sinopse: Bo Ri é a única membro de sua família que consegue ouvir. Ela tem facilidade em se comunicar com seus amigos, enquanto sofre para conseguir fazer Libras com seus familiares. Desejando ser surda, ela se joga no mar na esperança de perder a audição, indo parar num hospital. Ao acordar na internação, ela finge ser surda.
 
Casa de Beija-Flor (House of Hummingbird)
Coréia do Sul, 2018, 138 min, 14 anos 
Direção: Kim Bora
Elenco: Ji-hu Park, Sae-byeok Kim, Seung-Yun Lee
Sinopse: Seoul 1994. O ano em que a Ponte de Seongsu ruiu, uma garota de 14 anos caminha pela cidade a procura de amor
Chan-sil sortuda (Lucky Chan-sil)
Coréia do Sul, 2019, 96 min, livre 
Direção: Kim Cho Hee
Elenco: Mal-Geum Kang, Yuh-jung Youn, Young-min Kim
Sinopse: Chan-sil, Uma produtora de cinema está desempregada com a morte do diretor de seus filmes. Seu parceiro de longa data. Ela se muda para uma vizinhança apertada, mas começa a perceber que tem algo estranho com a senhoria de seu apartamento.
Livrai-nos do mal (Deliver Us From Evil)
Coréia do Sul, 2020, 108 min, 16 anos 
Direção: Hong Won Chan
Elenco: Jung-min Hwang, Jung-jae Lee, Jung-min Park
Sinopse: Um matador coreano vai à Tailândia para resolver um sequestro, mas, chegando lá, é perseguido por um homem, cujo irmão ele matou.
Invasão Zumbi 2: Península (Train to Busan)
Coréia do Sul, 2020, 116 min, 16 anos 
Direção: Yeon Sang Ho
Elenco: Dong-Won Gang, Jung-hyun Lee, Re Lee

Sinopse: Faz quatro anos desde que o surto de zumbis foi desencadeado no trem para Busan e se espalhou por toda a Coréia. Jung Seok (Kang Dong-won), um ex-marinheiro que conseguiu escapar naquela ocasião com o remorso de ter perdido seus entes queridos, é recrutado junto com seu cunhado Chul-min em Hong Kong para recuperar um saque oculto de um milhão de dólares na península coreana infectada . No entanto, sua caminhada é atormentada por perigos cheios de ação, onde eles não apenas lutarão com hordas de renascimentos, mas sobreviventes selvagens que não os deixarão escapar tão facilmente

O homem ao lado (The man standing next)
Coréia do Sul, 2020, 114 min, 16 anos 
Direção: Woo Min Ho
Elenco: Byung-hun Lee, Sung-min Lee, Do-won Kwak
Sinopse: Nos anos 70, a Coreia do Sul está completamente dominada pela KCIA, que tem braços que vão além do Estado. A KCIA por sua vez tem como principal controlador, o presidente da república. 
Petra Belas Artes A LA CARTE – de 04 a 13 de dezembro
Em chamas (Beoning)
Coréia do Sul, 2018, 148 min, 16 anos 
Direção: Chang-dong Lee
Elenco: Ah-in Yoo, Steven Yeun, Jong-seo Jeon
Sinopse: Durante um dia normal de trabalho como entregador, Jong-soo reencontra Hae-mi, uma antiga amiga que vivia no mesmo bairro que ele. A jovem está com uma viagem marcada para o exterior e pede para Jong-soo cuidar de seu gato de estimação enquanto está longe. Hae-mi volta para casa na companhia de Ben, um jovem misterioso que conheceu na África. No entanto, o forasteiro tem um hobby peculiar, que está prestes a ser revelado aos amigos.

Hahaha (Hahaha)
Coréia do Sul, 2010, 116 min, 12 anos 
Direção: Hang Sang-Soo
Elenco: Sang-kyung Kim, So-Ri Moon, Joon-Sang Yoo

Sinopse: O diretor de cinema Jo Moon-Kyeong faz uma viagem para uma pequena cidade costeira de Tongyeong, na Coreia do Sul. Lá ele encontra um amigo, o crítico de cinema Jong-sik Bang, e os dois se sentam para conversar e tomar algo. Durante a conversa, eles falam sobre uma viagem que fizeram para o mesmo lugar, e acabam por descobrir que conheceram as mesmas pessoas: um poeta e guia cultural e uma encantadora mulher.

Crocodilo (Ag-o)
Coréia do Sul, 1996, 102 min, 18 anos 
Direção: Kim Ki-duk
Elenco: Jae-Hyun Cho, Jae-Hong Ahn, Mu-song Jeon
Sinopse: Uma mulher forma um estranho laço com um violento sem-teto que impediu seu suicídio.
Sonho (Bi-Mong)
Coréia do Sul, 2008, 95 min, 18 anos 
Direção: Kim Ki-duk
Elenco: Joe Odagiri, Nayoung Lee, Mi-hee Chang
Sinopse: Artista plástico tem um pesadelo com um acidente que realmente acontece. A partir daí, sua vida começa a se confundir entre sonho, delírio e realidade.

O dia depois (Geu-Hu)
Coréia do Sul, 2017, 92 min, 12 anos 
Direção: Hang Sang Soo
Elenco: Yunhee Cho, Ki Joabang, Min-Hee Kim

Sinopse: É o primeiro dia de Areum em uma pequena editora. Bongwan, seu chefe, terminou há pouco tempo o relacionamento que mantinha com a funcionária que trabalhava ali anteriormente. Ainda nesse mesmo dia, Bongwan, que é casado, sai de casa na manhã escura e parte para o trabalho. Sua esposa encontra um bilhete de amor, explode em fúria no escritório e acaba confundindo Areum com a mulher que ele deixou.

Primavera, verão, outono, inverno e...primavera (Bom Yeoreum Gaeul Gyeoul Geurigo Bom)
Coréia do Sul, 2003, 105 min, 14 anos 
Direção: Kim Ki-duk
Elenco: Ki-duk Kim, Yeong-su Oh, Jong-ho Kim 
Sinopse: Um menino é criado por um monge budista em um isolado Templo, onde os anos passam como as estações do ano.

“Mostra Grandes Mestres do Cinema Espanhol”
Petra Belas Artes A LA CARTE – de 14 a 27 de dezembro

A MORTE DE UM CICLISTA (Muerte de un ciclista)
Espanha, 1955, p/b, 88 min., drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Juan Antonio Bardem
Elenco: Lucia Bosè, Alberto Closas e Bruna Corrà.
Após atropelar um ciclista e fugir do local, um casal teme que seu relacionamento proibido seja revelado, assim como a culpa pelo acidente, por um perverso chantagista.

VIRIDIANA (Viridiana)
Espanha/México, 1961, 90 min., p/b, drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Luis Buñuel
Elenco: Silvia Pinal, Fernando Rey e Francisco Rabal.
A noviça Viridiana faz uma visita ao seu tio moribundo, atendendo a um pedido do próprio. O pervertido homem, obcecado pela beleza da jovem, tenta seduzi-la de todas as formas. Ele morre e Viridiana decide não mais voltar ao convento. Em contrapartida transforma a antiga casa do tio num abrigo para necessitados e moradores de rua.

TRISTANA, UMA PAIXÃO MÓRBIDA
Espanha/França/Itália, 100 min., cor, drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Luis Buñuel 
Elenco: Catherine Deneuve, Fernando Rey e Franco Nero.
Após a morte da mãe, a órfã Tristana é entregue aos cuidados do respeitado Don Lope. O relacionamento da jovem com o tutor vai se modificando, ele a seduz e os dois logo se tornam amantes. Com a chegada do jovem Horacio, no entanto, o relacionamento do casal é abalado. Tristana é realmente livre como Don Lope sempre fez questão de frisar?

O CARRASCO (El Verdugo)
Espanha/Itália, 1963, p/b, 88 min., drama/comédia, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Luis Garcia Berlanga
Elenco: Nino Manfredi, Guido Alberti e Jose Luis López Vázquez.
Um agente funerário se casa com a filha de um velho carrasco, e, embora ele não goste, deve continuar a profissão de seu sogro após sua aposentadoria.

O ESPÍRITO DA COLMEIA (El espíritu de la colmena)
Espanha, 1973, 98 min., cor, drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Victor Erice
Elenco: Ana Torrent, Isabel Telleria e Fernando Fernán Gómez.
As duas pequenas irmãs Ana e Isabel moram em terras rurais da Espanha, na década de 40. Após assistirem ao filme Frankenstein (1931) ficam obcecadas pelo estranho personagem e tentam encontrá-lo.

O SUL (El Sur)
Espanha/França, 1983, cor, 95 min., drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Victor Erice
Elenco: Omero Antonutti, Sonsoles Aranguren e Icíar Bollaín.
Para a jovem Estrella, seu pai faz parte de um mundo misterioso pelo qual ela é fascinada. Vivendo no norte da Espanha, ela é obcecada pelos segredos do sul, escondidos nos traços e na personalidade do pai. Quando Estrella cresce, descobre que o homem ainda é apaixonado por um amor de seu passado.

CRÍA CUERVOS (Cría Cuervos)
Espanha, 1976, cor, 112 min., drama, idioma: espanhol), 14 anos.
Direção: Carlos Saura
Elenco: Geraldine Chaplin, Ana Torrent e Monica Randall.
Ana é uma mulher de tristes lembranças. Duas décadas antes, quando tinha nove anos, ela acreditava ter em suas mãos um misterioso poder sobre a vida e a morte de seus familiares. Assim teria causado a morte inesperada do pai, o militar franquista Anselmo, logo após o doloroso martírio da mãe.

OS SANTOS INOCENTES 
(Los Santos Inocentes)
Espanha, 1984, cor, 107 min., drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Mario Camus
Elenco: Alfredo Landa, Terele Pávez e Belén Ballesteros.
A história de uma família de camponeses espanhóis que vive submissa aos donos da terra é o tema desta produção espanhola. O sonho de todos eles é ter uma vida melhor, aprendendo também a ler e a escrever para não ficar à mercê dos abusos dos patrões. Mas somente as novas gerações desta família irão ver os sonhos de seus antepassados realizados.

“Mostra Grandes Artistas do Cinema Espanhol”

Petra Belas Artes A LA CARTE – de 14 a 27 de dezembro
AY, CARMELA! (Ay, Carmela!)
Espanha/Itália, 1990, cor, 102 min., comédia, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Carlos Saura
Elenco: Carmen Maura, Gabino Diego e Rafael Diaz.
Paulino e Carmela, marido e mulher, vivem no período da Guerra Civil Espanhola. Um dia, com o seu assistente, Gustavete, eles entram acidentalmente em território rebelde. Presos, eles terão de se esforçar para não acabar como alvo de um pelotão de fuzilamento.

MORTE AO VIVO (Tesis)
Espanha, 1996, cor, 125 min., suspense, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Alejandro Amenábar
Elenco: Ana Torrent, Fele Martínez e Eduardo Noriega.
Enquanto faz uma tese sobre violência, Ángela, uma estudante espanhola de cinema, encontra um vídeo caseiro onde uma garota é torturada até a morte. Ela logo descobre que a garota era uma antiga aluna de sua faculdade.

AZUL ESCURO QUASE PRETO (Azuloscurocasinegro)
Espanha, 2006, cor, 105 min., drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos. 
Direção: Daniel Sánchez Arévalo
Elenco: Marta Etura, Antonio de la Torre e Quim Gutiérrez.
Os destinos de vários personagens se interligam em torno de Jorge, um rapaz que acredita ter sido responsável pelo derrame do seu pai e que assume seu trabalho de porteiro enquanto termina a faculdade. Além disso, tenta ajudar seu irmão que está na cadeia e que é apaixonado por Paula, com quem desenvolve um relacionamento bastante incomum e ainda convive com as incertezas do amigo Israel que descobriu que seu pai é homossexual. Com tudo isso em jogo Jorge resolve mudar de vida...ou não.

PELOS MEUS OLHOS (Te doy mis ojos)
Espanha, 2003, cor, 109 min., drama, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Icíar Bollaín
Elenco: Laia Marull, Luis Tosar e Candela Peña.
Pilar decide, em uma noite de inverno, fugir de casa. Ela leva consigo apenas alguns poucos pertences e o filho. Pilar sabe que seu marido, Antonio, irá procurá-la, o que a deixa apavorada.

O QUE VOCÊ FARIA? (El Método)
Espanha/Argentina, 2005, cor, 115 min., suspense, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Marcelo Piñeyro
Elenco: Eduardo Noriega, Najwa Nimri e Eduard Fernández.
Sete executivos disputam uma única vaga em uma empresa. Eles chegam para o teste de seleção no mesmo dia em que Madri é movimentada devido a marchas de protesto contra a globalização e a política monetária do FMI, que realiza sua reunião no mesmo prédio em que estão. Logo os candidatos são informados que serão submetidos a uma seleção diferente, chamada de Método Grönhom. Nele o grupo é deixado a sós em uma sala, sendo promovidos vários testes via computador que têm por objetivo analisar a interação entre eles. De início todos acreditam ter total controle sobre seu comportamento e emoções, mas os jogos os colocam em situações-limite que, aliado ao fato de saberem estar sendo observados, os colocam em um nível de tensão insuportável.

UM CONTO CHINÊS (Un cuento chino)
Espanha/Argentina, 2011, cor, 100 min., comédia, idioma: espanhol (legendado), 14 anos.
Direção: Sebastián Borensztein
Elenco: Ricardo Darín, Ignacio Huang e Muriel Santa Ana.
Roberto é um argentino recluso e mal humorado. Ele leva a vida cuidando de uma pequena loja e tem o hobbie de colecionar notícias incomuns. A comodidade de sua vida é interrompida quando ele encontra um chinês que não fala uma palavra de espanhol. O imigrante acabara de ser assaltado e não tem lugar para ficar em Buenos Aires. Inicialmente relutante, Roberto acaba deixando o asiático viver com ele e aos poucos vai descobrindo fatos sobre o chinês.

Todos os filmes ficam disponíveis no cardápio do Belas Artes À LA CARTE, para todos os assinantes da plataforma, podendo ser vistos e revistos durante o todo o período da Mostra.

Sobre o Cinema Espanhol:
Com uma das cinematografias mais ricas e originais do mundo, a Espanha teve sua primeira filmagem datada de 1896, quando Eduardo Jimeno Correas realizou um registro conhecido como “Saída da missa das doze horas da Igreja de El Pilar de Zaragoza”. O primeiro filme de ficção, “Briga em um Café”, veio no ano seguinte, obra de Fructuós Gelabert, com imagens captadas por uma câmera construída por ele próprio. Nos anos 1930, com o advento do cinema falado e do som, as produções espanholas passaram por uma crise, dando espaço para a importação de filmes estrangeiros, que faziam grande sucesso de público, à medida que a produção local diminuía cada vez mais. Essa situação começou a ser revertida gradualmente na época da Guerra Civil, que utilizava o cinema como propaganda. Com a vitória franquista, a censura foi imposta e muitos diretores optaram pelo exílio, enquanto outros, como John Orduña, Luis Saenz e José Gil Rafael ficaram e se destacaram por sua criatividade.

Na década de 1950, a criação do Festival de San Sebastian deu grande impulso ao cinema espanhol, um evento que acontece de forma contínua desde setembro de 1953, tornando-se um dos maiores do circuito europeu. Nos anos 1960, vários novos diretores começaram a inovar o cinema espanhol, com ideias ousadas e metáforas políticas. Alguns desses diretores foram Miguel Picazo, Francisco Regueiro e Carlos Saura, que alcançaram um sucesso de bilheteria sem precedentes.

Após a morte do General Franco e a queda do seu regime, a tendência continuou, porém com total liberdade de expressão. Dessa abertura surgiram grandes filmes focados nas mudanças políticas e sociais, e sobre a opressão da ditadura. O final dos anos 1980 marcou a fundação do prêmio mais importante do cinema espanhol: o Prêmio Goya, um troféu espanhol equivalente ao Oscar americano.
Nos últimos anos, além de Pedro Almodóvar, que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1999 com o filme “Tudo Sobre Minha Mãe”, outros diretores espanhóis alcançaram grande projeção internacional, entre eles Alejandro Amenábar, que se tornou conhecido mundialmente com o “Morte ao Vivo” (1995) e “Preso na Escuridão”, dois sucessos que o levaram a dirigir “Os Outros”, coprodução americana estrelada por Nicole Kidman. Atualmente, o cinema espanhol realiza filmes dos mais diversos gêneros, com produção de altíssima qualidade e ampla distribuição internacional. 
  

Serviço:
Petra Belas Artes Á LA CARTE
Planos de assinatura com acesso a todos os filmes do catálogo em 2 dispositivos simultaneamente.
Valor assinatura mensal: R$ 9,90 | Valor assinatura anual: R$ 108,90
Super Lançamentos: Com valores variados, a sessão ‘super lançamentos’ traz os filmes disponíveis no cardápio para aluguel por 72hs. 
Para se cadastrar acesse: www.belasartesalacarte.com.br e clique em ASSINE.
Ou vá direto para a página de cadastro: https://www.belasartesalacarte.com.br/checkout/subscribe/signup
Aplicativos disponíveis para Android, Android TV, IPhone e Apple TV. Baixe Belas Artes À LA CARTE na Google Play ou App Store.
. . .
PETRA BELAS ARTES
Protocolo de segurança Covid-19 e serviço:
Cinema aberto ao público por até 8 horas diárias, das 15h às 22h.
Assentos intercalados determinados diretamente pelo sistema de compra dos ingressos.
Distanciamento determinado nas áreas comuns.
Consumo de produtos da bomboniere somente em sua poltrona.
Equipe preparada com todos os equipamentos de proteção necessários.
Higienização constante dos espaços; Intervalo de 30 minutos de uma sessão para outra, filmes não começam no mesmo horário (sessões serão intercaladas).
Apenas 4 salas estarão abertas e com capacidade reduzida.
A conferência de ingressos será visual ou através de leitores óticos, sem contato manual por parte do atendente.
Álcool em gel disponível em todas as áreas do cinema.
Endereço: Rua da Consolação, 2423 – Consolação - Tel: 11 2894 5781
Site: www.cinebelasartes.com.br
Ingressos: Quinta a domingo - R$ 30 e R$ 15 / Segunda - R$ 20 e R$10
Venda dos ingressos: na bilheteria (cartões de débito e crédito: todos; não aceita cheque) ou pelo site http://www.cinebelasartes.com.br/ingresso-online/

Nenhum comentário:

Vem aí a Comemoração do Ano: A Semana de Aniversário do Homem-Aranha

Vem aí a Semana de Aniversário do Homem-Aranha. Os oito filmes da franquia Homem-Aranha estão disponíveis para aluguel e compra nas platafor...