25 Anos do "É TUDO VERDADE 2020" é Tema de Seminário no Centro de Pesquisa e Formação do SESC


Palestras online com Carlos Nader, Sérgio Rizzo, Patricia Rebello e Luis Felipe Labaki acontecem nos dias 14 e 15 de setembro.

Estão abertas as inscrições gratuitas para as atividades da 25ª edição do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários em parceria com o Centro de Pesquisa e Formação do SESC São Paulo. Os seminários buscam oferecer um espaço articulado entre produção de conhecimento, formação e difusão.  

Para se inscrever, basta acessar: https://centrodepesquisaeformacao.sescsp.org.br/#/atividades/festival-e-tudo-verdade     

Veja a agenda completa: 

Dia 14/9

14h00 às 16h00 - Encontro com Carlos Nader 

Documentarista e artista visual, diretor de “Pan-Cinema Permanente” (2008), “A Paixão de J.L” (2015), e “Homem Comum” (2016), entre outros. Vencedor de melhor documentário brasileiro de longa-metragem do É Tudo Verdade em 2008, 2014 e 2015. Mediação de Amir Labaki, diretor-fundador do É Tudo Verdade.

 

 

17h00 às 19h00 O Documentário Brasileiro no Espelho do É Tudo Verdade.

Com o crítico de cinema Sérgio Rizzo, membro do comitê de seleção do É Tudo Verdade. 

As últimas três décadas correspondem a um boom do documentário brasileiro, graças sobretudo à chamada "revolução digital" e à multiplicação das janelas de exibição. Essa vigorosa produção tem exibido a sua diversidade na vitrine privilegiada do É Tudo Verdade. Realizados por cineastas de diferentes gerações, formações, interesses e regiões do país, o conjunto dos filmes nacionais exibidos pelo festival contempla uma saudável variedade de opções estéticas e revela a preocupação recorrente de contribuir para a melhor compreensão do passado e do presente do Brasil. 

  

Dia 15/9 

14h00 às 16h00 - O Formato Curta no É Tudo Verdade.

Com a doutora em cinema Patricia Rebello, do comitê de seleção do É Tudo Verdade. 

A partir de meados dos anos 2000, o curta-metragem brasileiro experimenta um período de intensa criatividade, que pode ser pensado como sintoma (mas também consequência) de uma série de processos e estímulos à produção audiovisual. Seja pela criação de editais de fomento à produção regional, pela efervescência criativa em oficinas e workshops, a formação acadêmica nas universidades, o incentivo à participação em festivais, mas também pela explosão de novos formatos de registro (como o cinema de celular) e canais de distribuição (as redes de streaming, os webdocs), a qualidade dos curtas reverbera nestes doze anos de competição. 

 

17h00 às 19h00 - O Homem com a Câmera: O Maior Documentário de Todos os Tempos? 

Com o cineasta e mestre em cinema Luis Felipe Labaki, membro do comitê de seleção do É Tudo Verdade. 

Recebido sem grande entusiasmo (e com certo desdém) ao ser lançado na URSS em 1929, O homem com a câmera, de Dziga Vertov, tornou-se ao longo das décadas uma referência cinematográfica inescapável, sendo eleito em 2014 o maior documentário de todos os tempos na primeira enquete específica para a produção não-ficcional realizada pela revista britânica Sight & Sound. Nesta palestra, discutiremos sua influência sobre diferentes gerações de realizadores e também a forma como trabalhos de nomes como Harun Farocki, Jonas Mekas e Agnès Varda podem nos convidar a revisitar o experimento metalinguístico de Vertov.

Nenhum comentário:

A VIDA INVISÍVEL no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

  Produzido por Rodrigo Teixeira, da RT Features, A VIDA INVISÍVEL teve sua estreia mundial no Festival de Cannes de 2019, no qual conquist...