Crítica Filme - "Jogos Mortais – Jigsaw" - Rita Vaz


O primeiro filme da franquia “Jogos Mortais” foi lançado em 2004 e estamos agora, diante de sua oitava versão, um verdadeiro clássico do cinema do gênero terror.
Quando assisti ao novo filme da série “Jogos Mortais” fiquei um pouco confusa com a história, mas logo depois, pude conversar sobre ele, e entendi o que tinha acontecido.
Obviamente não vou contar o que é, porque seria um enorme spoiler, mas esse meu comentário, fica de alerta para aquelas pessoas, que como eu, gostam da franquia, mas não são fãs incondicionais da série e lembram de tudo o que aconteceu desde o primeiro filme, a ficarem bem atentas à sequência dos acontecimentos.
O filme começa e logo vemos um homem que parece correr contra o tempo e está sendo perseguido pela polícia.
Quando ele é encurralado, pede para que chamem especificamente o detetive Halloran, e que ele deve atender o seu pedido em até quinze minutos, se não cinco pessoas irão morrer.
O detetive é chamado e vai até o local, mas não imagina que o assassino John Kramer, que esteve envolvido em diversos crimes maquiavélicos e que estava morto, parece ter voltado a vida e recomeçado seu jogo mortal.
Uma nova investigação é iniciada, enquanto pessoas são mortas, através de um labirinto de mecanismos cruéis, onde suas reais verdades são reveladas.
Os diretores Michael e Peter Spierig entregam um filme mais claro que os anteriores, permitindo uma visualização melhor das cenas, que são grandes e cheias de aparatos e movimentos, ao mesmo tempo em que mantém a tensão com momentos assustadores e muito bem-feitos.
Ainda conseguem agradar aos fãs da franquia, com uma história que traz referências aos filmes anteriores e agradar quem gosta, simplesmente de filmes de terror.
Para quem gosta do gênero, uma ótima pedida.

Título Original: Jigsaw
Gênero: Suspense/Terror
Duração: 1 hora e 32 minutos
Ano de Lançamento: 2017
Direção: Michael Spierig, Peter Spierig
Elenco: Matt Passmore, Tobin Bell, Callum Keith Rennie, Clé Bennett, Laura Vandervoort, Mandela Van Peebles, Brittany Allen.

RITA VAZ 

Nenhum comentário: